SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEGUNDA-FEIRA, 06 DE DEZEMBRO DE 2021
CARNAVAL E PANDEMIA

Sem apoio da Prefeitura, organizadores se dividem sobre realização de Carnaval em Rio Preto

Após Prefeitura anunciar que não vai fomentar eventos de Carnaval em 2022, clubes e blocos discutem se vão ou não manter os eventos particulares

Arthur Pazin
Publicado em 24/11/2021 às 13:53Atualizado em 24/11/2021 às 18:43
Bloco do Saci, em Rio Preto, em 2017 (Divulgação/Prefeitura de Rio Preto)

Bloco do Saci, em Rio Preto, em 2017 (Divulgação/Prefeitura de Rio Preto)

O prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), anunciou nesta quarta-feira, 24, o cancelamento do Carnaval em Rio Preto em 2022. Apesar disso, eventos particulares estão autorizados a acontecer, seguindo os protocolos necessários para evitar a propagação do coronavírus.

O Automóvel Clube, por exemplo, está programando seu tradicional evento de Carnaval na sede da agremiação. Procurado pela reportagem, o clube informou que ainda não possui programação, mas seguirá com organização da festa com todos os protocolos necessários, desde que seja realmente permitida sua realização.

O Monte Líbano e o Harmonia Tênis Clube, outros clubes que tradicionalmente realizam o evento de Carnaval, informaram que ainda não decidiram se haverá ou não a folia em 2022.

Ao Diário, Nadim Cury, presidente do Monte Líbano, disse que, apesar de o clube de campo pertencer a Mirassol, que até o momento não se posicionou sobre as festividades, em reunião com a diretoria, na última semana, ficou decidido que a agremiação deverá esperar para tomar a decisão nos próximos meses.

"Diante dos cancelamentos que estão acontecendo é uma decisão complicada", disse Nadim, que afirmou se preocupar com o aumento da taxa de casos e internações. Ele também lembrou que, como médico, precisa tomar um "cuidado violento".

"Fico num mato sem cachorro. Se eu faço, posso levar pau, se não faço, posso levar pau", disse o presidente, que também questionou se havéra público caso o evento seja realizado, o que deixa incertezas em relaçao à despesa para a estrutura da festa.

Nadim também não descartou um "plano B" caso a agremiação opte por não realizar o tradicional Carnaval no clube de campo. "Podemos pensar em cada bar fazer sua bandinha ou outro tipo de evento, mas, por hora, prefiro esperar", disse.

Carnaval de rua e blocos

Ala-show da Imperatriz Rio-pretense, que realiza o projeto Sambadania (Johnny Torres/Arquivo)

Dependendo de subsídio da Prefeitura de Rio Preto para sair às ruas, a escola de samba Imperatriz Rio-pretense confirmou que não se apresentará em 2022, após a decisão de Edinho.

No entanto, o presidente do grupo, Sérgio Parada, contou que a Imperatriz, por meio de sua ala show, deverá estar presente, neste Carnaval, em municípios da região, como Olímpia, onde o prefeito Fernando Cunha (PSD) anunciará somente em janeiro se haverá ou não a realização do evento.

Apesar de não contar com o apoio público para o evento, Parada elogiou a atitude da Prefeitura. "Foi de prevenção e cautela, uma vez que o vírus ainda continua circulando entre nós", disse. 

Tradicional no Mercadão de Rio Preto, o Bloco do Saci já estava se preparando, nas últimas semanas, para desfilar em fevereiro. No entanto, com a posição da Prefeitura nesta quarta, Durval Costa Filho, o Dinho, presidente do grupo, afirmou à reportagem que ainda aguardará as próximas determinações para uma decisão final.

O bloco conta com a participação de alunos do projeto Aquarela, que é apadrinhado do grupo e funciona no Centro Social Estoril.

Concentração da turma do Bloco do Saci, em frente ao Mercado Municipal (Divulgação)

Já o Bloco do Vasco, tradicional point do Carnaval de Rio Preto, que reúne foliões na rua São João, na Boa Vista, ainda não possui uma posição se realizará ou não a festa em 2022. "Vamos conversar com a diretoria e avaliar como que será encaminhada a decisão", informou Douglas Sendem, um dos coordenadores do Centro Cultural do Vasco.

Cantor Zeca Barreto, uma das atrações do Bloco do Vasco em 2020 (Divulgação)

O Diário também procurou o Bloco das Chicas, que disse que, até o momento, está com "esperança de realizar o Carnaval", uma vez que o coletivo que organiza o evento está "prejudicado" pela pandemia da Covid.

"Não conseguimos ganhar projeto nenhum até agora e já tínhamos projeção de captar patrocínios para fevereiro", disse Paula Golden, uma das produtoras do bloco.

As Chicas promovem o protagonismo feminino por meio do samba (Divulgação)

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por