SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 11 DE AGOSTO DE 2022
TERCEIRA IDADE

Casa adaptada

Ambientes devem oferecer segurança e acessibilidade para os idosos

Jéssica Reis
Publicado em 21/10/2021 às 19:21Atualizado em 21/10/2021 às 19:25

Com o avanço da idade, as pessoas começam a perder um pouco da mobilidade, reflexo e podem sofrer ainda com problemas de visão. Pensar no projeto da casa de forma que atenda as necessidades dos idosos para que tenham autonomia dentro de casa.

Segundo a arquiteta Isabella Nalon, a arquitetura tem um papel fundamental para a saúde e bem-estar dos idosos, garantindo um dia a dia saudável e sem acidentes - até porque, é comum que, ao envelhecer. “Cabe então ao profissional de arquitetura trabalhar com elementos que eliminem riscos de futuros acidentes, se atentando às necessidades específicas do morador e prezando por um layout que valoriza o conforto e segurança”, afirma. O arquiteto e paisagista Cezar Scarpato complementa: “o layout deve favorecer a circulação, com móveis, objetos e prateleiras longe das rotas principais, mantendo, se possível, a largura necessária para passagem de cadeira de rodas”, explica.

Uma casa com pessoas idosas deve ser, preferencialmente, térrea e sem desníveis, seja em sua área interna ou externa. “Quando necessário tê-los, os meios de acesso como rampas e escadas devem contar com revestimentos antiderrapantes e cores que facilitem a diferenciação entre degraus, além de corrimão firme”, afirma Scarpato, que indica que a inclinação de rampa e altura do degrau de escadas sejam mais baixos do que a norma. “Um degrau com espelho de 17 cm, ao invés do padrão de 18 cm, torna a locomoção muito mais simplificada”, explica. Também é importante considerar a proximidade dos ambientes, facilitando a movimentação pela casa. “A arquitetura bem concebida para esse público estimula a circulação, memória, raciocínio, autoestima e resulta em qualidade de vida”, complementa Isabella Nalon.

Cuidados com a iluminação

O escritório PB Arquitetura pensou em uma sala de jantar e cozinha amplas e bem iluminadas, garantindo boa circulação e conforto

O escritório PB Arquitetura pensou em uma sala de jantar e cozinha amplas e bem iluminadas, garantindo boa circulação e conforto

Segundo os profissionais, a iluminação exerce um papel fundamental quando falamos de casas seguras e confortáveis para idosos, auxiliando no senso de profundidade e locomoção. “Sempre que possível, é primordial valorizar a luz natural, mas também garantir uma boa iluminação para trabalhar na bancada da cozinha, por exemplo, ou que deixe o banheiro bem claro, sem fazer muita sombra”, destaca a arquiteta Camila Corradi e a designer de interiores Thatiana Mello. A instalação de pontos de luz nos corredores e espaços de mais circulação também é uma boa pedida. “Além do teto, a iluminação indireta, na altura do rodapé, ajuda o morador na locomoção noturna, quando acorda para beber uma água na cozinha, por exemplo”, complementam. “Uma ótima dica é utilizar luzes para iluminar o caminho até o banheiro. Isso ajuda bastante às idas noturnas ao ambiente”, recomenda Karina Korn.

 

Atenção com os móveis

Nessa casa projetada por Bruno Moraes, os pavimentos são contínuos, sem degraus nem barreiras. A ausência de tapetes também foi um cuidado pensado para segurança

Quando o assunto são mobiliários, evite quinas e peças baixas, que ficam fora da visão. “Em quinas de móveis, os protetores são cuidados que eliminam batidas e machucados. No sofá, almofadas cooperam no ajuste da postura e auxiliam na hora de levantar”, diz Isabella Nalon. O mercado moveleiro produz ainda opções mais altas e que facilitam no ‘sentar-levantar’ do idoso, possibilitando o apoio dos dois pés no chão. “Sofás, poltronas e camas precisam cooperar nessa movimentação e as peças muito baixas se transformam em um transtorno para o morador”, destaca o arquiteto Bruno Moraes. Na seleção, sofás e poltronas com braços e uma densidade mais firme estão entre as recomendações.

Segundo Bruno Moraes, as prateleiras e armários também merecem atenção. “Elas devem seguir a altura dos idosos, para que não precisem se esticar ou subir em escadas quando forem pegar objetos”, explica. Para idoso com estatura baixa, a pia da cozinha ou do banheiro deve ser concebida de acordo com a sua altura, evitando que ele sinta dores nas costas. “O mais importante é levar em conta que o morador quer se sentir proativo, cozinhar e realizar atividades em prol dos seus familiares. É difícil padronizar sem prestar atenção na rotina desse cliente e sou da opinião que o maior erro é apenas seguir um padrão, já que a casa precisa ser o reflexo das suas necessidades”, diz o arquiteto Bruno Moraes.

Segurança no banheiro

Nesse banheiro, as barras de apoio e bacia Elite, da Celite, garantem segurança

É importante dar destaque para os banheiros, que devem ser adaptados cuidadosamente, prevendo a instalação de barras de apoio, piso antiderrapante no box e assento para banho. “Garantir segurança e autonomia é a máxima. Assim, muitas vezes as barras de apoio devem ser instaladas tanto na área do box, como no entorno da bacia sanitária e da bancada ou lavatório”, diz a arquiteta Camila Corradi e a designer de interiores Thatiana Mello.

Outro cuidado está com as bacias sanitárias - elas devem ser mais altas, para facilitar os movimentos de sentar e levantar. De acordo com a ABNT, a altura ideal precisa estar entre 43 cm e 45 cm do piso.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por