SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEGUNDA-FEIRA, 29 DE NOVEMBRO DE 2021
PAINEL DE IDEIAS

Emburrecendo de novo

Esta comodidade tecnológica está cobrando um preço muito caro das novas gerações. É quase incompreensível para um jovem imaginar que a minha geração fez faculdade sem computador, sem celular, sem TV a cabo, sem Netflix, sem Windows ...

Toufic Anbar Neto
Publicado em 05/10/2021 às 23:52Atualizado em 06/10/2021 às 09:48
Toufic Anbar Neto

Toufic Anbar Neto

Um pesquisador norte-americano chamado James Flynn publicou há 50 anos estudos sobre a inteligência humana. Ele dizia que devido à nutrição mais adequada, aos avanços da medicina, aos ambientes mais estimulantes para desenvolver a inteligência e à educação aperfeiçoada, a tendência era de crescimento da inteligência, de geração em geração.

No entanto, há exatos dois anos escrevi sobre a primeira vez em que cientistas constataram a queda da pontuação obtida em testes de Q.I. (quociente intelectual) entre uma geração e outra mais nova. Os motivos aparentavam ser vários. Todos relacionados com a comodidade tecnológica. Ninguém memoriza mais nada. Diante de uma dúvida, digita lá no programa de busca e logo aparecem milhões de opções. Não se procura uma rota no mapa. Olha-se no GPS. Sem pensar. Tudo isso na palma da mão.

Esta comodidade tecnológica está cobrando um preço muito caro das novas gerações. É quase incompreensível para um jovem imaginar que a minha geração fez faculdade sem computador, sem celular, sem TV a cabo, sem Netflix, sem Windows, sem Google, sem You Tube, sem Spotify, sem Whatsapp, sem Instagram. Os mais novos não sabem o que é um e-mail e ignoram o Facebook, ambos usados apenas por idosos com mais de 25 anos.

Para piorar, recentes pesquisas confirmam esta tendência de queda do Q.I. entre os mais jovens e apontam novas causas para isso, além das já citadas. O maior vilão é o tempo excessivo de tela. Dito de outra forma, olhos grudados numa tela, seja de um celular, de um computador ou de uma televisão. Acreditam que estes fatores têm prejudicado o desenvolvimento cognitivo das crianças e adolescentes. Existe um número infinito de redes sociais e imagens instantâneas que roubam o tempo de leitura, de concentração e de melhor compreensão das coisas da vida. Não há mais reflexão. No seu lugar entra a emoção. Você expressa isso através de um clique num ícone expressando seu contentamento ou desagrado. No começo era só um polegar para cima e outro para baixo. Agora existem muitas variantes: sorriso, choro, cara de bravo, coração, etc.

Outro fator citado, talvez o mais destrutivo, é a polarização política. Houve um recrudescimento do fanatismo e da intolerância. Não se discutem mais pontos de vista. Não há mais contrastes de ideias e muito menos o aprendizado resultante do choque de opiniões. A formação de grupos onde há troca de certezas leva à uma homogeneidade de opiniões e posterior radicalismo. O mundo se tornou preto ou branco. Sem opção para outras cores.

A solução para a reversão da piora do Q.I. parece óbvia. Mais leitura, menos tela, melhores debates. Parece meio utópico. Anteontem o Whatsapp, o Facebook e o Instagram ficaram fora do ar. O mundo surtou e ficou mal humorado. A conta do emburrecimento já chegou!

TOUFIC ANBAR NETO, Médico cirurgião, diretor da Faceres, escritor e membro da Academia Rio-pretense de Letras e Cultura (Arlec). Escreve quinzenalmente neste espaço às quartas-feiras

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por