SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEXTA-FEIRA, 19 DE AGOSTO DE 2022
PAINEL DE IDEIAS

É pau, é pedra

Nos últimos anos, a Rio Preto de lá também teve outro episódio de importância histórica: inspirou o maestro Tom Jobim durante uma de suas estadas no sítio Poço Fundo

JOSÉ LUÍS REY
Publicado em 02/07/2022 às 16:13Atualizado em 02/07/2022 às 16:47
José Luís Rey (Reprodução)

José Luís Rey (Reprodução)

São José do Rio Preto, assim chamada por juntar o nome de seu santo padroeiro com o nome do rio de águas turvas que a corta ao meio, teve que mudar de nome, em 1987, quando o sonho de emancipação de seus pioneiros finalmente se concretizou. Ao ganhar o status de município, perdeu o direito ao nome, que já era utilizado por um município mais antigo, localizado no distante noroeste paulista.

A opção foi transformar-se em São José do Vale do Rio Preto, próspera comunidade de vocação rural incrustada como uma joia na bela região serrana do Estado do Rio – adornada por uma topografia acidentada, de onde pendem longas quedas d´água que parecem filetes de diamantes jogados displicentemente sobre as encostas íngremes. Essa nossa cidade xará, antigo distrito de Petrópolis, manteve-se na placidez da exuberância desse cenário natural até poucos anos atrás, quando foi duramente castigada pela fúria dos deslizamentos de terra e pelo transbordamento do rio que lhe deu o batismo.

Tal como na nossa Rio Preto paulista, foram também as famílias mineiras que desbravaram as terras de lá e era por uma das estradas que cortavam a região do sertão do rio Preto que o jovem alferes Joaquim José da Silva Xavier costumava passar, em suas idas e vidas para o Rio de Janeiro. Um dia, no caminho, conheceu a formosa Ana Rosa e desse relacionamento nasceu um filho, José Paulo de Oliveira – um legítimo rio-pretense que, por razões óbvias, não recebeu o nome do pai.

Muitos descendentes de Tiradentes deram curso, em relacionamentos conjugais, a ramificações da família Oliveira e isso acabou dando à Rio Preto de lá três prefeitos tetranetos do heroico inconfidente.

Lá, os trilhos do trem chegaram quase 30 anos antes de chegarem à cidade homônima, do noroeste paulista. A proximidade da nobreza com a elite latifundiária dos barões do café fez nascer precocemente uma linha de trem serpenteando o rio Preto.

Foi por essa estrada que, em 1887, a família Imperial – Pedro II à frente – viajou até São José do Rio Preto. Por ali, o imperador elegeu o reduto secreto que costumava frequentar em companhia de sua cortesã favorita.

Nos últimos anos, a Rio Preto de lá também teve outro episódio de importância histórica: inspirou o maestro Tom Jobim durante uma de suas estadas no sítio Poço Fundo. Sentado na varanda de uma casinha que lhe permitia apreciar a mágica de uma chuva torrencial que empapava o lugar num dia qualquer do mês de março, ele transformou em poesia as coisas que via rolando pela enxurrada – a lama, sapos e rãs, um caco de vidro, paus e pedras, os reflexos da luz da manhã. Dizem, nesse dia, o também maestro João Gilberto, em visita ao sítio, ficou encravado com o carro na lama.

E assim sucedeu que a nossa cidade xará na serra fluminense ajudou na criação da letra de “Águas de Março”.

JOSÉ LUÍS REY, Jornalista em Rio Preto. Escreve quinzenalmente neste espaço aos domingos

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por