SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 11 DE AGOSTO DE 2022
EDITORIAL

O valor do voto

Abster-se não é o caminho ideal, por mais que seja integralmente justificada a desilusão do eleitor com a política

Publicado em 06/07/2022 às 00:06Atualizado em 06/07/2022 às 00:20

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

EDITORIAL

O valor do voto

Abster-se não é o caminho ideal, por mais que seja integralmente justificada a desilusão do eleitor com a política

Publicado em 06/07/2022 às 00:06Atualizado em 06/07/2022 às 00:20

Um processo gradual, consistente e preocupante tem contaminado o humor do brasileiro nos últimos anos: a alienação eleitoral.

Dados coletados pelo Instituto Votorantim em bases da Justiça Eleitoral e sintetizados no estudo Alienação Eleitoral no Brasil Democrático revelam um aumento crescente no desinteresse do brasileiro pelo voto, sobretudo na região Sudeste. A alienação eleitoral leva em consideração a soma das abstenções passiva - quando o eleitor deixa de comparecer à votação - e ativa - o total de brancos e nulos. De 2006 a 2018, por exemplo, o índice saltou sete pontos percentuais nas eleições presidenciais e passou de 18% para 25%.

Em Rio Preto esse salto é ainda mais gritante. Considerando apenas o 1º turno das eleições para prefeito, a alienação eleitoral foi de 26,3% em 2012, chegou a 34,68% em 2016 e atingiu impressionantes 42,28% em 2020. Exatos 129.185 rio-pretenses deixaram de votar ou invalidaram seu voto no 1º turno das eleições municipais de 2020. O número é superior aos 111.525 votos obtidos por Edinho Araújo (MDB), primeiro colocado naquele pleito.

O aumento da desilusão do brasileiro com o processo eleitoral entre 2006 e 2018 é inverso ao que ocorreu entre 1998 e 2002, quando houve um forte processo de queda na alienação, marcado pela implementação das urnas eletrônicas e pela participação ativa de eleitores, o que derrubou o índice de abstenção.

Para o gerente-geral do Instituto Votorantim, Rafael Gioielli, o fenômeno da alienação eleitoral tem a ver com o quadro político. “A gente vivenciou nos últimos anos notícias muito críticas sobre políticos, sobre escândalo de corrupção, por exemplo. A evidência e a propagação de que existem desvios de função e de finalidade vão desengajando o eleitor”, afirma Gioielli, para quem o brasileiro não tem percebido valor no seu voto. Esse desencanto, segundo a professora de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Nara Pavão, é reforçado pela fragmentação política, a existência de partidos fracos e movimentos da chamada “antipolítica”.

A abstenção não é o caminho, por mais que seja integralmente justificada a desilusão do eleitor. É atribuída a Martin Luther King a frase: “O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons”. Traçando um paralelo com a questão eleitoral, privar-se do voto só fará com que os maus políticos se perpetuem no poder em todas as esferas.

Deixar de comparecer às urnas é abrir mão de escolher o futuro mais adequado, ou ao menos aquele que parece menos nebuloso. Ainda que as opções possam não ser as ideais, votar é o ato cívico máximo. Fugir a esse compromisso é negligenciar o “poder do povo”, que é o que a democracia representa.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por