SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUARTA-FEIRA, 18 DE MAIO DE 2022
CARTAS DO LEITOR

Vacinas

Publicado em 22/01/2022 às 20:14Atualizado em 22/01/2022 às 20:24

Foi por meio das vacinas que conseguimos erradicar a varíola, eliminar a poliomielite (paralisia infantil), o tétano neonatal, a rubéola congênita e controlar diversas doenças, como a coqueluche, a difteria, a meningite meningocócica, entre outras. O sarampo perdeu seu status de eliminado com a queda das coberturas vacinais. Esses fatos demonstram a eficácia das vacinas em promover proteção. Além disso, no decorrer das últimas décadas, após a aplicação de bilhões de doses, baseados nos dados nacionais e internacionais de monitoramento de eventos adversos, podemos afirmar que as vacinas são seguras e causam na grande maioria das vezes eventos adversos leves.

Apesar da agilidade no desenvolvimento, todas as vacinas licenciadas passaram obrigatoriamente por rígidos testes, desde a fase laboratorial até os estudos de fases 1, 2 e 3, que confirmam a segurança e eficácia em humanos. Os dados foram avaliados por especialistas independentes e entidades regulatórias e continuarão a ser monitorados na medida em que as vacinas forem aplicadas.

A possibilidade de desenvolver vacinas em curto espaço de tempo diante de uma emergência não devia ser motivo de desconfiança, mas de comemoração. Isso só é viável graças aos avanços de tecnologias que permitiram sequenciar em apenas uma semana o genoma do vírus e posteriormente aplicar esse saber no desenvolvimento de vacinas de diferentes plataformas.

Vacinas salvam vidas! Mantenha sua carteira de vacinação atualizada.

Diretoria da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)

Vacina segura

Uma pouca vergonha e um descrédito na medicina esses comentários a respeito da associação da reação da vacina contra Covid com a parada cardíaca em criança, já descartado. Quem quiser, não vacina. Mas devemos agradecer a Deus e à ciência que as vacinas estão poupando tanta gente

Já esqueceram do que passamos em 2020 e 2021, com tantas pessoas morrendo entubadas na UTI? Deixem de ser ignorantes e ficarem politizando a vacina pra defender Bolsonaro. A população brasileira agradece!

Ada Assis E Silva – via Facebook

Violência

Quando acontece crime como o que vitimou a funcionária de um supermercado em Rio Preto, assassinada pelo ex-marido, todas as mulheres morrem um pouco. Que triste.

Fernanda Peixe – via Facebook

Barulho

Quem teve esse ideia de colocar a faixa em rua da zona norte coibindo motoqueiro que faz barulho e que empina motocicleta, independente se é bandido, PCC, tomou uma iniciativa que o poder público deveria ter tomado: proibir esse tipo de escapamento. Na rua que moro tem dois com esse tipo de escapamento que quando passa, a cabeça chega a doer; maior falta de respeito povo sem noção e sem educação.

Daniel Vicente Garcia – via Facebook

2ª instância

A próxima bola da vez é a PEC da prisão em segunda instância, formalmente conhecida como PEC 199/19. Basicamente, ela prevê o início do cumprimento da pena de prisão após condenação em segunda instância (tribunais regionais).

A condenação em segunda instância foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal em 2019, após décadas da medida no país, com exceção do intervalo entre 2009 e 2016. A PEC promove releitura do princípio da presunção de inocência, que está previsto na Constituição Federal de 1988. Lá diz que uma pessoa só pode ser considerada culpada depois que não houver mais possibilidade de recurso contra a condenação, inclusive ao STF e ao STJ.

A Proposta quer antecipar a decisão de 2ª instância mudando esse conceito. Ela prevê que quando os tribunais julgarem a sentença como procedente está dada autorização para mandar o acusado ao cárcere. Mas isso não impede que o réu acesse o STF ou STJ para a revisão da condenação. Após uma manobra de partidos, a votação do relatório (que levou dois anos para ser construído) foi adiada.

O fato é que o atual modelo de condenação no Brasil não funciona muito bem. Deixa margem para os corruptos se livrarem com facilidade de suas penas, enquanto os mais pobres esperam anos por um julgamento. Assim como as outras PECs que foram discutidas em 2021, essa parece que também será uma novela e talvez só andará no próximo ano. Porém, precisamos ficar de olhos bem abertos.

Antonio Tuccilio - presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

Barulho-2

Precisa de uma lei municipal (não autorizar escapamento barulhento). Em Londrina no Paraná tem essa lei. As lojas já nem vendem por ser proibido. Nas ruas da Vila Maceno, aqui em Rio Preto, eles fazem muito barulho e minha filha se assusta.

Robson Da Silva Dos Santos – via Facebook

Capivaras

Esse comportamento das capivaras – invadindo residências – está estranho. Elas parecem sair do seu habitat por algum motivo. Direto estou vendo notícias de invasão de casas.

Jhonatas Garcia – via Facebook

Sequestros

Sobre a notícia do Diário da Região de que de que estão crescendo crimes que utilizam app de encontro para sequestro-relâmpago, espero atuação exemplar da Polícia nesse tipo de crime tão perverso. Sequestro é crime intolerável para qualquer sociedade civilizada.

Helenice Bianchi Bolini – via Facebook

Tragédias

Gente, eu não sei o que anda acontecendo com esse mundo. Você liga tv, só tragédia; Facebook, só tragédia. Estamos vivendo em um mundo onde não temos mais paz e nem segurança. Só deus pra salvar esse mundo tão conturbado que está.

Rafael Godoy – via Facebook

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por