SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 19 DE MAIO DE 2022
CARTAS DO LEITOR

Tragédia

Publicado em 10/01/2022 às 22:49Atualizado em 10/01/2022 às 23:52

Fiquei chocada ao ver as imagens daquele imenso bloco de pedras caindo sobre as lanchas de turistas, em Capitólio-MG. Estive ali em março de 2017, quando o turismo na região estava no início e notei a falta de segurança e fiscalização nos passeios que fiz. No alto dos cânions, as pessoas se arriscavam para fazer a melhor selfie, sem se importar com o risco de queda. Havia placas sinalizando o perigo, mas ninguém para coibir a aproximação.

O local de embarque/desembarque das lanchas fica em frente a um restaurante, cortado por uma rodovia de pista simples com curvas e muita perigosa, onde presenciei crianças atravessando sem a supervisão de adultos ou guias.

Após embarcar nas lanchas, o piloto mostra como colocar o colete salva-vidas, mas informa que o uso não é obrigatório. Pasmem. Lembro-me que das 12 pessoas, eu e mais 4 utilizamos o colete. Há um bar flutuante próximo da cachoeira onde é permitido as lanchas atracarem e permanecerem por 20 minutos, para que os turistas entrem na água ou subam nas pedras, para tirar fotos. Apenas neste local a água é morna, mas cheia de óleo dos motores das lanchas. Deveria ser proibido nadar ali. Vi pessoas fazendo churrasco na cachoeira, um local que deveria ser monitorado para evitar degradação. No ano passado, 3 pessoas morreram durante cabeça d’água no complexo das cachoeiras em janeiro e creio que em 2018, foram mais 2. Nada foi feito em prol da segurança dos turistas e hoje, uma tragédia maior ceifou 10 vidas e feriu outras dezenas.

Capitólio é um lugar espetacular, onde a beleza das cachoeiras, dos cânions e das plantas encantam nossos olhos e alegram o nosso coração.

Meus sinceros sentimentos às famílias enlutadas.

Mirian Lopes Ramos Marim, Rio Preto

Liberalismo

O livro Dom Quixote de La Mancha, foi escrito pelo espanhol Miguel de Cervantes no ano de 1605, na Espanha. O protagonista da obra é Dom Quixote, um cavaleiro andante, que se envolve em uma série de aventuras, mas suas fantasias são contrapostas pela dura realidade, ressaltando o descompasso entre o idealismo e a realidade.

O Liberalismo é uma filosofia política e uma doutrina econômica cuja característica principal é a defesa da liberdade individual, nos campos econômico, político, religioso e intelectual, contra as ingerências e atitudes coercitivas do poder do estado. A cada indivíduo deve ser garantido e respeitado “o direito de fazer o que quisermos com aquilo que nos pertence, desde que respeitemos o direito dos outros de fazer o mesmo”.

Resumindo, os brasileiros idealizam um estado liberal, que respeite a todos os pagadores de impostos, mas a realidade é muito diferente. É necessário limitar o poder do estado.

Votamos nos políticos talvez acreditando em suas promessas, aparentemente sinceras, mas depois acabam não se concretizando.

Pouco ou quase nada muda para melhor. A recente história brasileira escancara sempre um estado mais agressivo, ineficiente e cada vez mais pesado no bolso do trabalhador. Por que isso acontece?

Há um conceito de ciência política denominado de “A Lei de Ferro das Oligarquias” que explica esse comportamento. As Oligarquias Políticas são grupos organizados em partidos políticos que se valem da burocracia para defender seus privilégios e se manter no poder. Exatamente como no Brasil.

Por isso nos iludimos com salvadores da pátria, puros e honestos. A maioria quando chega ao poder, fará tudo para permanecerem no poder. Você acredita que alguém que lutou muito para conseguir o poder, irá deixá-lo em favor de outros? Claro que não!

Para não continuarmos acreditando em fantasias como Dom Quixote, ao votar é necessário conhecer o que os candidatos já realizaram no passado, de modo que seja possível acreditar nas promessas de realizações futuras. Se o político for a favor de pegar o nosso dinheiro para gastar na campanha política, a favor de ser reeleito eternamente e a favor do foro privilegiado, para se manter impune, não vote nele. Depois não adianta reclamar.

Atualmente poucos bons congressistas votarão a favor dos brasileiros. A grande maioria votará para manter e aumentar seu poder e os privilégios escandalosos que existe hoje.

No meio político, votar a favor do cidadão é denominado de “Voto Suicida”! O congressista que faz o denominado “Voto Suicida” são os melhores políticos e nos quais devemos votar.

Walter Henrique Bernardelli, Rio Preto

Câmara

Com referência às novas normas que a Câmara Municipal pretende impor para visitas e participações dos munícipes à nossa casa, casa do povo, a Câmara Municipal, tenho certeza que o seu presidente, vereador Pedro Roberto - eleito várias vezes por gostar e desejar estar sempre onde o povo está – concordar com essa ideia esdrúxula impertinente de afastar o povo justamente de sua casa.

Paulo Delabona, Rio Preto

Artigo

Confraternizo-me com sr. Eurípides A. Silva pelo excelente artigo (Velhice, publicado pelo Diário na edição de 8/1). Suas colocações pessoais e citações de autores, nossos velhos conhecidos, foram precisos. Focando a insensatez sobre o CID 11, que propõe estigmatizar Velhice como doença (olha a indústria farmacêutica nadando de braçadas), lembrei-me de Nelson Rodrigues. Interpelado em uma palestra, por um jovem, sobre como ele adquiriu tanta sabedoria com cultura e como fazer para chegar nisso, respondeu na lata: Envelheçam.

Wilson Daher, Rio Preto

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por