SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SÁBADO, 21 DE MAIO DE 2022
CARTAS DO LEITOR

Prato saudável

Publicado em 22/01/2022 às 00:04Atualizado em 22/01/2022 às 00:11

Por que um prato de comida colorido faz bem à saúde? Entenda porque variar a ingestão de diferentes alimentos pode te ajudar. Quem lembra da época de infância quando os responsáveis nos diziam que o prato era colorido e bonito? O foco sempre foi impulsionar a ingestão de verduras e legumes para os que menos gostavam. Mas porque um prato colorido é importante? As cores podem indicar a composição nutricional, auxiliando a montagem de menus balanceados.

Na correria do dia a dia, escolhemos sempre a opção mais fácil e barata, e na maioria das vezes é a opção mais barata. No entanto, a compra de verduras e legumes pode ter vantagens, quando colocadas na ponta do lápis.

Quando adotamos uma alimentação saudável e equilibrada, oferecemos ao nosso corpo todos os nutrientes necessários para que tenha energia suficiente e possa cumprir todas as funções de forma saudável, diminuindo os riscos de doenças graves. Para um cardápio equilibrado e uma alimentação saudável, estas cinco cores são primordiais: verde, amarelo/laranja, vermelho, roxo e branco.

O verde que é rico em clorofila e auxilia na desintoxicação. O amarelo ou alaranjado é fonte de carotenoides, além de prevenir o envelhecimento e o câncer. Os alimentos de cor branca são ricos em cálcio, vitamina A e potássio. Já os vermelhos, são riscos em licopeno, que auxilia na saúde do coração. O roxo é rico em uma substância chamada antocianina, que combate o envelhecimento e é bom para a saúde do coração.

A diversidade alimentar é muito importante e não se pode somente contar calorias e falar sobre carboidratos e gordura, mas precisamos de micronutrientes, que estão mais presentes nos vegetais, frutas e legumes. A alimentação comum como arroz, massa, batata, carne e feijão não é rica em nutrientes. Por isso é importante associar uma dieta rico em macro e micronutrientes, para que tenhamos uma diversidade alimentar oportuna para um desenvolvimento orgânico melhor.

O ideal mesmo é não chegar à obesidade, já que traz malefícios. O acompanhamento médico deve ser realizado para a segurança de sua saúde de hoje e amanhã. Além disso, faça da sua alimentação uma aliada para evitar o surgimento de doenças graves.

É importante salientar que o conteúdo deste e outros textos encontrados na internet, são de caráter informativo. O acompanhamento médico é importantíssimo para o tratamento adequado de qualquer doença, e garante a saúde de cada paciente para uma vida saudável a longo prazo.

Jorge Rezeck – médico no Hospital São Jorge e Clínica Unique Barretos e membro titular da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Contraceptivos

O artigo de Carolina Sales Vieira "Uma tragédia bem brasileira" (Folha, 20/1) deveria alertar o governo (federal, estadual e municipal) para a necessidade do planejamento reprodutivo, pois só os animais, por não terem o uso da razão, põem crias no mundo sem condições de sustento.

O texto me fez lembrar de uma frase que li, há mais de meio século, num bar da Noruega: “Façam amor, não façam crianças”. No Brasil faltam políticas públicas e orientações familiares para incentivar o uso dos vários tipos de anticonceptivos, pílulas, camisinhas, DIU (dispositivo intrauterino), entre outros, visto que não podemos contar com a abstinência sexual, conforme hipocritamente impõem chefes de igrejas.

Seria muito mais econômico para nosso País fornecer gratuitamente contraceptivos do que sustentar filhos de gente muito pobre. Trata-se de um fato, não de uma opinião ou parecer pessoal: é difícil encontrar, em nações culturalmente avançadas, famílias com mais de dois filhos.

Salvatore D’ Onofrio, Rio Preto

Economia

Os vários ciclos da economia se sustentaram no decorrer do tempo. Pensadores de vanguarda usaram vários métodos para dinamizar o mercado, principalmente no sistema capitalista. As respostas eram limitadas e os EUA tornaram-se império até recentemente, na primeira década do novo milênio.

Hoje, a metodologia macroeconômica se universalizou. A inteligência econômica passou a ser universalmente usada e as respostas, principalmente nos países emergentes, homogeneizaram com os países de ponta.

A guerra econômica perdeu seus protagonistas hegemônicos. A simetria econômica começou a delinear na nova panorâmica econômica. Antigamente, havia um desnível abismático.

Com o nivelamento econômico universal, surgiram novas crises na Europa e EUA. A filosofia capitalista exaure plenamente. O sistema financeiro, juntamente com o déficit públicos das nações, se aprofunda.

Agora, o problema é o crescimento. Reformas estruturais e conjunturais são necessárias. A principal delas é a educação. E para haver esse progresso é preciso um gigantesco plano de inclusão social, além de investimento estatal em infraestrutura.

O Brasil de 2022 tem plenas condições de crescer 3% do PIB. Isto é um bom começo, mas nosso potencial de crescimento é bem superior a isto.

Juarez Alvarega, Coqueiral-MG

Barulho

Sobre a faixa colocada em rua da zona norte ameaçando motoqueiros que fazem barulho com escapamento e empinam suas motos, se a faixa demonstra revolta de bandidos eu não sei, mas representa a revolta da gente: cidadãos de bem. Fica o alerta. Ao invés de investigarem quem colocou a faixa, intensifiquem a fiscalização e apreensão de motos e carros barulhentos. Ninguém aguenta mais. E faixas assim não aparecerão mais.

Evandro Lui – via Facebook

Barulho-2

Engraçado, agora os moradores que são culpados. Tem que pensar que tem crianças, pessoas idosas e muitas vezes pessoas doentes, mas infelizmente a culpa nunca é de quem incomoda e sim de quem está incomodado. A nossa lei é assim, infelizmente. Moro no Solo Sagrado e também passo por isso: motoqueiros vinte e quatro horas atormentando a vida de quem levanta cedo para trabalhar.

Andressa Perpetua Talhari Ribeiro – via Facebook

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por