SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 19 DE MAIO DE 2022
CARTAS DO LEITOR

Justiça cara

Publicado em 19/01/2022 às 23:34Atualizado em 19/01/2022 às 23:37

Já virou rotina ler depoimentos de desprezo da Justiça brasileira por uma importante parcela da população. O pior é que, infelizmente, quem está no comando do Judiciário faz por merecer a crítica. Mas, como defender uma instituição que deixa corruptos e traficantes à solta?

Os problemas não param aí. Além de ser falha e muitas vezes prestar um serviço de baixa qualidade, Justiça brasileira é uma das mais caras do mundo. Nos últimos 30 anos, os magistrados brasileiros se transformaram em uma classe extremamente onerosa, com privilégios e benesses cada vez mais extravagantes. Além disso, a Justiça devora consideráveis recursos financeiros, muitas vezes garantidos sem nenhum controle.

Segundo os números disponíveis, a Justiça brasileira gastou mais de R$ 100 bilhões em 2020. Isso é o dobro do auxílio emergencial que será pago em 2022. São 433 mil funcionários e quase 18 mil juízes. Sabia que o custo do Judiciário equivale a quase 1,3% do PIB?

Isso significa que o Brasil gasta três vezes mais que a Alemanha, o país com o melhor sistema Judiciário da Europa.

Se isso não bastasse, a Justiça vai gastar R$ 3 bilhões na reforma dos seus prédios e na construção de novos. Parece que Suas Excelências não cabem nos atuais.

Todos os dias temos uma surpresa no Brasil. Prestar péssimos serviços à população e gastar o dinheiro do povo são sempre recompensados.

Antonio Tuccilio - presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)

Crianças

Depois de uma longa espera, além das polêmicas que não poderiam deixar de faltar, eis que finalmente a vacinação em prol das crianças na faixa etária de cinco a onze anos está sendo colocada em prática a todo no país, como prevenção contra a Covid-19,. Isto começa a se tornar realidade, e nem poderia ser diferente esse feito imprescindível.

Enquanto aqui estávamos à espera dessa realização, os Estados Unidos já anunciavam a vacinação em milhões de crianças, como meio mais eficaz de combate a uma possível proliferação da doença, o que deveria ter acontecido no Brasil tempos atrás, porque a perda de tempo é a maior inimiga e que contribui para o aumento do vírus do coronavírus.

Na última sexta-feira, 14, uma criança indígena foi a primeira a ser contemplada com a dose da vacina. Agora, é a vez dos pais ficarem atentos sobre as orientações de cada cidade, para saber quando poderão levar seus filhos aos postos, já que é indispensável essa presença física para o bem-estar das crianças brasileiras.

Ao longo desse período de espera, muitas "fak news" foram as responsáveis por boatos infundados e que não correspondiam à realidade dos fatos, fazendo com que muitas famílias deixassem de lado os cuidados que deveriam ser adotados de imunização em prol das crianças, o que seria uma falta imperdoável.

Dessa forma, tudo que envolve a pandemia aqui em nosso país, não deixa de evidenciar atos políticos de toda a natureza e que muitas vezes atrapalham situações que deveriam ser embasadas somente por pessoas altamente capacitadas para quaisquer informações e orientações, que são os médicos e outros especialistas da área de saúde.

Há de se esperar dias melhores e que sejam a expressão de novos tempos com a extinção total do vírus do coronavírus.

Alessio Canonice, Ibirá

Carnaval

Estamos assistindo as incoerências, inseguranças nas decisões de prefeitos em relação ao cancelamento ou não do Carnaval. A “folia do Carnaval” é um momento de festa, lazer, alegria de corpo e alma, principalmente do brasileiro. E o que podemos comemorar neste momento de doenças, de perdas e de medo, além do aspecto econômico?

Acredito que será uma incoerência com o momento que estamos vivendo. Esta avalanche de novos casos de covid é resultado, em parte, das festas de final de ano. Mas a questão que quero levantar é a questão das aulas. Como ficará o funcionamento das escolas neste período? Na minha visão de educadora, creio que as falhas e falta de planejamento estão imperando.

Ou será que a Secretaria de educação não tem noção do resultado de todo período com aulas virtuais, que não atingiram grande número de alunos, principalmente os de família de baixa renda?

Eu penso que tinha que ter tido aulas em janeiro em sistema de recuperação por professores contratados para este período. E o período de Carnaval, que não necessita dispensar os alunos, poderia ser feita também essa força-tarefa de recuperação da aprendizagem perdida. Educação, escola, aulas presenciais são prioridades, sra. secretária de Educação.

Sandra Mussi, Rio Preto

‘Mãos Sujas’

Na Itália, a Operação Mãos Limpas, que investigou e condenou políticos e empresários corruptos, aglutinou os envolvidos e seus defensores e acabou sendo desbaratada, com danosas consequências. No Brasil, juízes que sempre demonstraram contrariedade e ojeriza à Operação Lava Jato, imitando a atitude grosseira de um ministro de Estado, aproveitaram o grave momento da pandemia para abrir a porteira e deixar passar a boiada de todos os atos e firulas jurídicas para desqualificar os promotores e juízes que investigaram e condenaram, em mais de uma instância, políticos e empresários corruptos, que lesaram a Nação.

Está muito evidente que alguns componentes de corporações e representantes dos Poderes constituídos, associados em defesa de interesses pessoais e partidários, pretendem anular processos e condenações. A mídia independente e a população esclarecida não se podem omitir diante dessa descabida ação para proteger os culpados.

O corrupto e demagogo , condenado em três instâncias e o mentiroso e negacionista que prometeu combater a corrupção e atualmente desqualifica o ministro escolhido com essa proposta serão candidatos à presidência em 2022.

A escolha é da população , é preciso refletir antes de votar.

José Paulo Cipullo, Rio Preto

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por