SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SÁBADO, 04 DE DEZEMBRO DE 2021
ARTIGO

Ensino Médio – novo futuro

Fica-nos o questionamento se só as mudanças curriculares tornarão o colégio mais atrativo

Yan Navarro
Publicado em 21/10/2021 às 23:33Atualizado em 21/10/2021 às 23:37
Yan Navarro

Yan Navarro

Nos últimos meses, um assunto tem aparecido com bastante frequência para as famílias com filhos em idade escolar, sobretudo aqueles que estão finalizando o ciclo de ensino no Fundamental: o Novo Ensino Médio, consequência da reforma na Educação Básica expressa na Lei 13.415 de 2017, que promoveu alterações na Lei de Diretrizes e Bases (LDB), a fim de flexibilizar o currículo e tornar, aos olhos da corrente que defende as alterações, a escola mais atrativa.

O Governo Federal tem divulgado esse tema como uma benéfica inovação que trará maior autonomia para o estudante na escolha de seu percurso nesta etapa, prometendo também um salto na qualidade da educação. Cabe, portanto, analisarmos os problemas do “antigo” Ensino Médio que motivaram o desenvolvimento desse novo modelo. O debate partiu do princípio de que o atual formato apresentava baixa qualidade e altos índices de evasão escolar e reprovação, o que demonstrava a necessidade de torná-lo mais atrativo para os estudantes. Infraestrutura inadequada das escolas, necessidade dos jovens entrarem prematuramente no mercado de trabalho para auxiliar a renda familiar, violência doméstica, gravidez na adolescência e bullying são algumas das adversidades enfrentadas pelos jovens hoje e que podem perdurar mesmo com a reforma proposta caso ela não seja implementada adequadamente.

Dessa forma, fica-nos o questionamento se apenas as mudanças curriculares poderão tornar o colégio de fato mais atrativo aos alunos. Da maneira como está sendo estruturado esse novo modelo, creio que sim. O aumento da carga horária de 2400 horas para 3000 horas já mostra a intenção de aumentar a convivência dos estudantes com a comunidade escolar, o que também gera uma responsabilidade extra da escola, que deve ter um olhar maior de acolhimento para dar-lhes apoio e orientações.

O desenvolvimento dos projetos de vida parece-nos fundamental, pois será o momento de convidá-los à reflexão sobre o que se deseja e espera para o futuro. Para tanto, a instituição deverá criar espaços e tempos de diálogo com os estudantes, tornando-os protagonistas de suas escolhas, mostrando as possibilidades que podem se abrir, avaliando seus interesses e orientando-os. O desenvolvimento do projeto de vida dos alunos permitirá que eles sejam capazes de fazer escolhas responsáveis e conscientes, em diálogo com seus anseios e aptidões, mas, para isso, a escola deve também estar aberta a recebê-los, ouvi-los e guiá-los na escolha dos itinerários formativos.

De acordo com a Lei que cria o Novo Ensino Médio, os itinerários formativos são o conjunto de disciplinas, projetos, oficinas, núcleos de estudo, entre outras situações de trabalho, que os estudantes poderão escolher no ensino médio. As escolhas dos itinerários serão realizadas pelas redes de ensino considerando um processo que envolva a participação de toda a comunidade escolar, o que mostra a disposição de se ouvir e entender os mais envolvidos no processo. Dessa forma, a escolha da escola deve estar vinculada ao que o aluno anseia para seu futuro. Avalie os itinerários oferecidos e qual o real valor que a escola dará ao desenvolvimento dos projetos de vida.

Yan Navarro, Doutor em didáticas específicas pela Universidade de Valência, Espanha, e doutor em Geografia pela UERJ

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por