SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEXTA-FEIRA, 03 DE DEZEMBRO DE 2021
MARKETING

Rebranding: como as marcas mudam, mas sem perder a essência

Empresas sólidas no mercado investem em reformulações - sem perder a essência - para se manter ativas

Da Redação
Publicado em 02/10/2021 às 23:13Atualizado em 03/10/2021 às 07:32
Business people meeting to discuss the situation on the marketing.

Business people meeting to discuss the situation on the marketing.

Mudanças acontecem na sociedade em uma velocidade cada vez mais rápida e em um curto espaço de tempo. E com o mercado comercial não é diferente. Os desafios para manter um nome em evidência se atualizam constantemente. Para acompanhar essa aceleração e continuar a atrair a atenção do público, as empresas precisam criar estratégias para se destacar em meio à concorrência. Uma das opções que investiga as novas necessidades e elabora estratégias é o rebranding, ou em português, reformulação.

Para entender o conceito da reformulação de marcas é necessário compreender primeiramente o que é branding e o funcionamento do processo comercial. Segundo Junior Parra, CEO da Marsala Marketing, vender apenas produtos não é mais suficiente para o mercado. Além do item ou serviço, as marcas precisam vender um propósito. “Isso acontece desde a revolução digital. Os consumidores não querem apenas um produto, eles querem saber o que essa marca traz de benfeitoria para a sociedade ou para um público em específico, se essa marca é sustentável e se tem um cunho social importante. Tudo isso faz parte do branding”.

O branding, então, é um conjunto de estratégias pensadas para o crescimento de uma marca. O rebranding acontece depois de certo tempo de existência da marca, quando, apesar de sólida no mercado, ela tem a necessidade de se atualizar e reformular suas estratégias. Leonardo Augusto Bocalon, diretor comercial do Grupo Zanon, explica o principal quesito que leva às empresas a fazerem um rebranding. “Pessoas e empresas mudam com o tempo, então é preciso elaborar novos conceitos para elas se conectarem com os clientes e se manterem ativas no mercado”, diz.

Empresas como Grupo Immper, de Rio Preto, e Ponto, antigo Ponto Frio, fizeram mudanças importantes em suas identidades visuais e até nos negócios por meio do rebranding (Reprodução)

Quando uma marca passa por uma reformulação, em um trabalho conjunto com um especialista em marketing, ela avalia questões como posicionamento de mercado, público-alvo, produto ou serviço, o que esse público espera e como ela associará a parte comercial dentro dessa nova roupagem.

As mudanças mais visíveis são as gráficas, como a reelaboração de logos e design. “Uma das estratégias é trazer essa atualização, sem retirar a essência da marca, porque ela já está consolidada. Trazemos as cores e elementos que já remetiam à marca, mas de forma renovada. É uma nova roupagem ao que já existe”, diz.

Parra explica que esse processo é cada vez mais comum devido ao desejo das marcas de abraçarem as novas demandas do século 21. “No rebranding fazemos um remapeamento sobre o que essa marca quer atingir, de que forma quer transmitir isso e, principalmente, qual o propósito dessa empresa: o que essa marca quer trazer para o mundo de agora?”.

(colaborou Júlia de Britto)

Empresas buscam reposicionamento

Bruno Malvezi, diretor-executivo do Grupo Impper, ao lado da nova logo

Com a pandemia, muitas marcas se propuseram ao processo de rebranding, incluindo marcas conhecidas em todo o Brasil. Um dos casos mais recentes é o da empresa Ponto Frio, que depois da reformulação passou a se chamar Ponto.

A marca inovou elementos como a fonte da logo, o conceito e até a aparência de sua mascote, o pinguim. Júnior Parra, CEO da Marsala Marketing, explica que a mudança do Ponto Frio foi muito comentada nos meios de comunicação pelo fato de ser uma empresa com mais de 70 anos que realizou uma mudança muito grande. “Essa mudança de tirar o ‘frio’ e deixar só o ponto traz uma objetividade muito grande”.

Uma das empresas rio-pretenses que se reposicionou recentemente foi o Grupo Impper. No processo, a marca anteriormente chamada de Impperial Empreendimentos manteve alguns elementos, como o leão vermelho que acompanha seu nome. Mas seus serviços foram segmentados, dando origem às marcas Impper Empreendimentos, Impper Tech e Impper Vendas, que formam o atual grupo Impper. “Esse rebranding mudou 100% da comunicação do grupo. Foram alterados desde o nome, o design da marca e os pontos de contato, além de uma mudança interna nos processos e, principalmente, uma renovação do propósito”, explica.

Segundo Bruno Malvezi, diretor-executivo do Grupo Impper, o novo momento da empresa e o dinamismo do mercado imobiliário, aliados à construção de novas unidades de negócios, motivaram a nova arquitetura de marca do grupo. “A contratação de profissionais especializados foi essencial para traduzir os valores e o propósito da empresa, trazendo a força visual e verbal necessárias”.

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por