SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | DOMINGO, 16 DE JANEIRO DE 2022
NO AGRONEGÓCIO

Seca e calor já causam perdas de R$ 45 bilhões nas lavouras brasileiras

A soja e o milho, principais grãos da pauta de exportações brasileiras, são as culturas mais atingidas.

Agência Estado
Publicado em 14/01/2022 às 01:27Atualizado em 14/01/2022 às 08:42
Plantação de soja danificada pela seca em propriedade de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul (Divulgação/Dirceu Segatto)

Plantação de soja danificada pela seca em propriedade de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul (Divulgação/Dirceu Segatto)

Enquanto centenas de cidades de Minas Gerais e Goiás enfrentam enchentes e inundações, a onda de calor e a seca castigam as lavouras e já deixam um prejuízo de R$ 45,3 bilhões nos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Nesta quinta-feira, 13, os termômetros passaram dos 40ºC em cidades como Quaraí, Uruguaiana e Bagé (RS), de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Das 20 maiores temperaturas registradas em 24 horas no Brasil, 18 foram em municípios do Rio Grande do Sul, e uma em Foz do Iguaçu, no Paraná (36,8ºC).

A soja e o milho, principais grãos da pauta de exportações brasileiras, são as culturas mais atingidas. Somente para os produtores gaúchos, as perdas podem ultrapassar R$ 19,7 bilhões, segundo estudo da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (Feco-Agro). As perdas equivalem a 27% do Valor Bruto da Produção (VBP) agrícola do Estado no ano passado, de R$ 73,5 bilhões. Foi um ano de produção excepcional. Em relação à média dos três últimos anos, o percentual da perda sobe para 41%.

No Paraná, as perdas nas lavouras de soja e milho são estimadas em R$ 22,5 bilhões devido à estiagem, e já causaram um impacto de 37% do valor da produção agrícola. Em 2020, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), o VBP atingiu R$ 60,4 bilhões, incluindo fruticultura e plantas ornamentais. O impacto é ainda maior se for considerada somente a produção de soja e milho, que atingiu valor de R$ 31,7 bilhões.

Em Santa Catarina, o valor bruto da produção agrícola foi de R$ 11,55 bilhões em 2020, incluindo frutas e tabaco, segundo a Secretaria da Agricultura. Só milho e soja renderam receita bruta de R$ 4,32 bilhões – este ano, o Estado já teve perda de R$ 1,5 bilhão.

Com perda de R$ 1,6 bilhão nas lavouras de soja, o Mato Grosso do Sul teve o menor impacto, já que o VBP dessa cultura foi de R$ 22,6 bilhões em 2020. No total, o VBP do agronegócio do estado, incluindo carne, madeira e cana-de-açúcar, atingiu R$ 65,13 bilhões, segundo a Secretaria da Agricultura.

O economista André Braz, do Ibre/FGV, disse que esses eventos climáticos devem pesar na inflação neste início de ano. "Esse calor extremo no Sul pode afetar as lavouras de ciclo mais longo, o que pode diminuir a contribuição da agricultura para conter a inflação de 2022”.

Ao menos 200 municípios gaúchos e as 79 cidades sul-mato-grossenses já decretaram situação de emergência.

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por