SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUARTA-FEIRA, 06 DE JULHO DE 2022
NA COMPARAÇÃO COM MAIO

Monitor do PIB brasileiro aponta alta de 0,3% no mês de abril

O PIB alcançou aproximadamente R$ 2,988 trilhões de janeiro a abril

Agência Estado
Publicado em 22/06/2022 às 02:35Atualizado em 22/06/2022 às 09:09
Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,988 trilhões de janeiro a abril de 2022, em valores correntes (Divulgação)

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,988 trilhões de janeiro a abril de 2022, em valores correntes (Divulgação)

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve uma alta de 0,3% em abril ante março, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com abril de 2021, a atividade econômica teve expansão de 3,6% em abril de 2022.

“O crescimento de 0,3% do PIB em abril em comparação a março é o terceiro consecutivo, embora seja a uma taxa menor que as anteriores. A despeito do crescimento da agropecuária e da indústria, o setor de serviços parou de contribuir para o PIB da mesma forma que vinha contribuindo, principalmente devido à retração de comércio e transporte. Pela ótica da demanda, o consumo das famílias também cresce pelo terceiro mês consecutivo. O único segmento de consumo a retrair foi o de produtos duráveis, o que pode ser reflexo da elevação da taxa de juros e das incertezas com relação ao desempenho econômico e político no ano eleitoral”, afirmou Juliana Trece, coordenadora do Monitor do PIB - FGV, em nota oficial.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 2,988 trilhões de janeiro a abril de 2022, em valores correntes. A taxa de investimento da economia foi de 18,7% em abril de 2022.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

No trimestre encerrado em abril de 2022 ante o mesmo período de 2021, o PIB avançou 2,8%. Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias teve elevação de 4,8%, sustentado pelo componente de serviços (7,5%), bens não duráveis (2,1%) e bens semiduráveis (13,3%).

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) encolheu 5,2% no trimestre terminado em abril de 2022 ante o trimestre terminado em abril de 2021, resultado negativo influenciado pela queda de 10,7% no componente de máquinas e equipamentos.

As exportações aumentaram 1,5%, e as importações tiveram retração de 8,2% no trimestre até abril.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por