SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | DOMINGO, 26 DE SETEMBRO DE 2021
MERCADO DE TRABALHO

Indústria perdeu 1,4 milhão de empregos

Em 2013, melhor momento do setor, eram 9,029 milhões de trabalhadores

Agência EstadoPublicado em 22/07/2021 às 01:54Atualizado há 22/07/2021 às 01:57
Atividade de transformação responde ainda pela maioria esmagadora de empregos (Divulgação/CNI/José Paulo Lacerda)

Atividade de transformação responde ainda pela maioria esmagadora de empregos (Divulgação/CNI/José Paulo Lacerda)

As indústrias perderam 1,4 milhão de empregos de 2013 a 2019, o que representa 15% dos postos de trabalho do setor, mostram dados da Pesquisa Industrial Anual (PIA) - Empresa 2019, divulgada nesta quarta-feira, 21, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pesquisa mostra que o setor tinha 7,62 milhões de pessoas ocupadas no fim de 2019, considerando apenas os empregos formais. Em 2013, no melhor momento do emprego no setor nesta década, o contingente de trabalhadores formais chegava a 9,029 milhões.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), outra pesquisa do IBGE que inclui o mercado informal, mostram uma perda menor, de 662 mil postos de 2013 a 2019. O conceito de indústria da Pnad Contínua, porém, é amplo: uma costureira que borda para fora pode ser classificada nesse agrupamento.

Segundo a pesquisa atual, a atividade de transformação responde ainda pela maioria esmagadora de empregos da indústria: 7,4 milhões de postos. Esse segmento paga R$ 301,7 bilhões em salários e gera valor de R$ 3 trilhões. A receita líquida da atividade chegou a R$ 3,4 trilhões.

O Brasil gerou R$ 1,4 trilhão em valor da transformação industrial em 2019, resultado que reflete um valor da produção de R$ 3,3 trilhões (vendas e variação de estoque) deduzido de custos de R$ 1,9 trilhão das operações.

A indústria de transformação foi responsável por 90,1% da riqueza gerada pelo segmento industrial em 2019. O País tinha 306,3 mil empresas industriais ativas, com pelo menos uma pessoa ocupada, que empregavam um contingente de 7,6 milhões de pessoas e pagavam R$ 306,3 bilhões em remunerações, mostra a pesquisa.

A pesquisa do IBGE mostra ainda que a indústria registrou faturamento bruto total de R$ 4,8 trilhões em 2019, sendo 82,5% relativo à receita bruta da venda de produtos e serviços industriais. A receita líquida de vendas, por sua vez, foi de R$ 3,6 trilhões em 2019. As grandes companhias (500 ou mais funcionários) foram responsáveis por 67,4% da receita líquida naquele ano.

Entre 2010 e 2019, o salário médio mensal, medido em salários mínimos, recuou 6%, para 3,1 salários mínimos. Os maiores salários médios estavam na indústria extrativa (4,6 salários mínimos mensais) e não nas indústrias de transformação (3,1) em 2019.

Em 2019, o IBGE pesquisou cerca de 3.400 produtos e serviços industriais nas 32 mil empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas e suas 38,5 mil unidades locais industriais. O valor da receita líquida de vendas nas unidades locais industriais totalizou R$ 2,8 trilhões em 2019, antes dos efeitos da pandemia sobre a economia.

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por