SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | TERÇA-FEIRA, 21 DE SETEMBRO DE 2021
ESCUTA

Projeto de Irapuã dá voz a narrativas de mulheres negras

Websérie do Sesc Catanduva é o primeiro fruto do projeto da psicóloga

Harlen FelixPublicado em 22/07/2021 às 22:53Atualizado há 23/07/2021 às 07:52
Thainá da Costa Silva é a criadora do projeto Mandisa, dedicado à escuta de narrativas de mulheres negras (Maju Malavaes/Divulgação)

Thainá da Costa Silva é a criadora do projeto Mandisa, dedicado à escuta de narrativas de mulheres negras (Maju Malavaes/Divulgação)

Psicóloga com atuação na área de assistência social e militante do movimento de mulheres negras na região de Catanduva, Thainá da Silva Costa, de 24 anos, moradora da cidade de Irapuã, exerce a oralidade ancestral que pauta a cultura africana por meio do projeto Mandisa, em que colhe narrativas na busca por entender e revelar o feminino pelo viés da negritude.

A partir das histórias de inúmeras mulheres negras que teve a oportunidade de ouvir enquanto profissional que atua em centros de referência em assistência social, os “cras”, Thainá percebeu o quanto as performances individuais dessas mulheres representavam uma performance coletiva, marcada - histórica e estruturalmente - pela resistência à opressão de uma sociedade machista, misógina e racista.

"Além desse contato direto com mulheres negras que a minha atuação nos ‘cras’ me proporcionou, também investigava o significado do trabalho para essas mulheres em meu mestrado, que realizo na Unesp de Assis. Comecei a produzir essas narrativas em março deste ano. Sempre li muito e sempre gostei de escrever, e passei a me dedicar a isso de forma mais pontual, mantendo um fluxo de escrita diária”, conta ela, que, a partir do perfil criado para o Mandisa no Instagram (@mandisa_narrativa) e outras mídias sociais, produziu uma websérie de quatro capítulos para o Sesc Catanduva.

O último capítulo de “Mandisa: Narrativa de Mulheres Negras” vai ao ar nesta sexta-feira, 23, no Youtube, com a participação da vereadora em exercício Taise Braz (PT), a primeira mulher negra a ocupar uma cadeira no Legislativo de Catanduva.

Segundo Thainá, o último capítulo fecha uma narrativa histórica, que investigou a condição da mulher negra no Brasil desde a colonização, de forma a exaltá-la na celebração de mais um Dia da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha (25 de julho). “No primeiro capítulo, explicamos o significado dessa data. Depois, tendo a participação da pedagoga Carla Ferreira, abordamos a história de resistência de mulheres negras, e suas representações sociais em instâncias como a família, o samba e a política. O terceiro capítulo foi dedicado à Tereza de Benguela [líder quilombola], cuja memória é celebrada com o Dia da Mulher Negra no Brasil. Já o último capítulo traz essa resistência feminina e negra para o presente, culminando nessa vitória histórica de Taise [Braz] na Câmara de Catanduva”, explica.

A websérie conta com participação especial da atriz Thayná Carvalho, que faz a leitura de textos de autoria da criadora de Mandisa. Ela também assina a direção e a produção executiva. Já a produção de mídia é de Gabrielle Mázaro e a produção audiovisual, da Whisper Produções (Maju Malavaes e Vine Spina). “Acho que o audiovisual dá uma outra dimensão para esse discurso que trago nos textos. A Thayná empresta seu corpo, sua voz, para aquelas mulheres e suas narrativas”, comenta Thainá.

A experiência de Mandisa tem permitido a psicóloga e militante se conectar com mulheres negras de diferentes regiões do País. “É o que mais tenho gostado: receber mensagens de mulheres de todos os cantos do Brasil agradecendo pelo trabalho que faço. Algumas são fortes, relacionadas ao orgulho de ser negra e ser mulher. De algum modo, todas essas vivências se unificam com Mandisa e se exponenciam de uma forma só.”

A equipe por trás da websérie 'Mandisa: Narrativa de Mulheres Negras', no Youtube do Sesc Catanduva (Maju Malavaes/Divulgação)
 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por