SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEXTA-FEIRA, 12 DE AGOSTO DE 2022
Literatura

A presença do índio nas canções de Almir Sater

Em sua dissertação de mestrado pela UFMS, o tanabiense Flávio Faccionio pesquisa as representações do índio nas músicas do artista sul-mato-grossense

Harlen Félix
Publicado em 28/01/2019 às 21:30Atualizado em 07/07/2021 às 08:07
O tanabiense Flávio Faccioni durante o ciclo de aulas realizado em La Paz no início do mês (Divulgação)

O tanabiense Flávio Faccioni durante o ciclo de aulas realizado em La Paz no início do mês (Divulgação)

"Lembro de um velho índio contando histórias | De glórias e tragédias que não vivi | Quando das estrelas vieram deuses | E seus sinais estão por aí..."

No rádio do carro, Almir Sater cantava "Serra de Maracaju" enquanto o então estudante de Letras Flávio Faccioni voltava para Três Lagoas (MS) com a professora Claudete Cameschi de Souza, depois de visitar mais uma comunidade indígena, desta vez na cidade de Barra do Garças (MT). "Ele (Almir Sater) está cantando a história dos povos indígenas do Mato Grosso do Sul", disse a professora ao aluno, que é natural de uma cidade do interior paulista cujo nome significa "rio das divinas borboletas" em tupi-guarani: Tabani.

A viagem, feita em 2017, e principalmente a canção do cantor e compositor sul-mato-grossense, acabaram influenciando Faccioni na escolha do tema de sua dissertação de mestrado, iniciado, em 2018, na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), a mesma instituição em que ele concluiu sua graduação em Letras.

"Serra do Maracaju" é uma das três músicas eternizadas pela voz de Almir Sater que fazem parte da pesquisa do tanabiense em torno das representações indígenas nas canções do artista sul-matro-grossense, uma das grandes referências do folk brasileiro. As outras são "Sonhos Guaranis" e "Kikiô", cuja letra é do compositor Geraldo Espíndola.

"Para a minha dissertação, que envolve a análise de discurso, estou pesquisando como os índios são retratados nas músicas compostas e interpretadas por Almir Sater. Nas três canções escolhidas, é possível observar a memória das tradições indígenas, sobretudo aspectos ligados à oralidade", comenta Faccioni, que teve a oportunidade de entrevistar o próprio cantor e compositor em junho do ano passado.

Desde a sua graduação, o tanabiense já teve contato com inúmeras aldeias indígenas no Brasil e em países como Argentina, Paraguai e Bolívia, de onde ele acaba de chegar depois de comandar um ciclo de aulas em La Paz, realizado no Centro Cultural Brasil-Bolívia. "Tive a oportunidade de ensinar a língua portuguesa a uma turma de bolivianos utilizando as músicas de Almir Sater. São pessoas que têm interesse em conhecer e estudar no Brasil", explica Faccioni, que, em algumas visitas feitas a povos indígenas, foi caracterizado como Dr. Torresmo, palhaço que ele interpreta desde quando morava em Tanabi.

O tanabiense, que conta com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), começará a escrever a sua dissertação neste ano. "Ainda não cheguei às conclusões de minha pesquisa, mas espero que esse trabalho colabore na valorização da cultura dos povos originários de nosso País."

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por