SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEXTA-FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2021
A PROTEÇÃO EM NÚMEROS

Vacina reduz em 28 vezes risco de morte pela Covid em Rio Preto

Letalidade entre os vacinados é de 0,1%, enquanto que, na população geral, chega a 2,8%

Millena Grigoleti
Publicado em 11/10/2021 às 19:54Atualizado em 12/10/2021 às 08:03
Vacinação em Rio Preto volta a partir de quarta-feira, 13, para aplicação de segunda dose e dose adicional (Johnny Torres/Arquivo)

Vacinação em Rio Preto volta a partir de quarta-feira, 13, para aplicação de segunda dose e dose adicional (Johnny Torres/Arquivo)

Segundo a Secretaria de Saúde de Rio Preto, as pessoas não vacinadas têm 28 vezes mais risco de morrer por Covid-19 na cidade do que aqueles que concluíram o esquema vacinal contra o coronavírus. Isso porque, de maneira geral, dentre os 97.549 pacientes contaminados pelo coronavírus, 2.794 morreram, o que representa uma taxa de letalidade de 2,8%. Entre os vacinados com a segunda dose (14 dias após ela), o risco caiu para 0,1%.

“Isso reforça ainda mais o fato de que a vacinação é a principal medida que impacta significativamente na redução dos óbitos. Ou seja, uma pessoa não vacinada possui risco 28 vezes maior de morrer que a pessoa vacinada com esquema completo”, diz Andreia Negri, gerente do Departamento de Vigilância Epidemiológica de Rio Preto.

Mortes entre pessoas vacinadas não desabonam em nada as vacinas nem apontam para sua ineficácia. Com qualquer imunizante, é normal que raros casos graves apareçam. “Quando falamos de óbitos de vacinados, é importante ressaltar que vários fatores interferem na evolução do quadro das pessoas, como idade, sequelas de doença pré-existente, podendo estar acamado ou com limitações de mobilidade e funções dos órgãos”, explica Andreia. “Além disso, temos também a presença de doenças crônicas como diabetes, doença cardíaca e obesidade, que são importantes condições com risco de morte em adultos jovens.”

Segundo Carolina Pacca, doutora em virologia e professora da Faceres, qualquer vacina é feita com essa intenção: diminuir casos graves e óbitos, não apenas a da Covid. “Agora com a campanha atingindo uma porção maior da população, está mostrando que é uma arma eficaz, assim como para outras doenças. A gente precisa continuar estimulando a população a se vacinar e tomar a segunda dose e a dose de reforço.”

De acordo com o Vacinômetro, Rio Preto tem 312.367 habitantes vacinados com as duas doses de Coronavac, AstraZeneca e Pfizer ou com uma dose de Janssen, o que corresponde a 66,5% da população de 469.173 habitantes. A média móvel de mortes por Covid-19, que já chegou a 20 por dia, agora está em um. A estimativa é que, quando a parcela da população vacinada chegar a 70%, a taxa de contágio do vírus caia ainda mais e seja possível conter a pandemia com mais força. Para muitos especialistas, esse é considerado o número da imunidade de rebanho, quando a grande maioria da população está protegida e o vírus não encontra espaço para circular.

A quantidade de casos, internações e óbitos só foi freada depois que a vacinação engrenou de fato. “As vacinas foram um sucesso enorme, atingindo exatamente o que nós gostaríamos. Num primeiro momento diminuindo o número de casos graves e óbitos”, explica Maurício Lacerda Nogueira, pesquisador e professor da Famerp que atua em conjunto com a Secretaria de Saúde no trabalho de conter a pandemia. “A partir do momento da vacinação, você vai diminuir a transmissão. Os resultados são excelentes, por enquanto estamos dentro do esperado, mas a pandemia não acabou ainda, temos um grande número de pessoas que precisam ser vacinadas. Essa vacina vai ter que atingir as crianças também”, pontua.

Cuidados devem seguir

Mesmo com as taxas que apontam para uma expressiva melhora da pandemia, os cuidados devem permanecer, como uso de máscaras e higienização das mãos. "Os vacinados tendem a ter sintomas mais brandos e achar que não é Covid, mas podem transmitir,” diz Maurício Lacerda Nogueira, pesquisador e professor da Famerp.

Quem ainda não tiver recebido a primeira dose contra o coronavírus pode fazer o cadastro em https://www.riopreto.sp.gov.br/vacinacovid/.

Desde sexta-feira, 8, a Saúde não divulga boletim epidemiológico. Desde que os casos começaram a cair expressivamente, a pasta anunciou que não atualizaria os casos aos finais de semana e feriados. Até sexta, Rio Preto contava 97.549 casos e 2.794 mortes pela Covid. Cento e seis pacientes estavam internados. (MG)

Vacinação em Rio Preto

Números

Doses aplicadas: 716.721

1ª dose

384.154 (81,8% da população)

2ª dose

300.816 (64,1% da população)

Dose única

11.551 (2,4% da população)

Soma dose única + duas doses

312.367 (66,58% da população)

Dose adicional

20.200 (4,3% da população)

 Doses aplicadas por marca

 

  • AstraZeneca: 41,83%
  • Coronavac: 39,31%
  • Pfizer: 17,19%
  • Janssen: 1,65%

Terça-feira, 12

Todos os postos de vacinação estarão fechados

Quarta-feira, 13

2ª dose

  • AstraZeneca: intervalo de 12 semanas entre doses
  • Coronavac: intervalo de 28 dias entre doses
  • Pfizer: intervalo de 8 semanas entre doses

Dose adicional

Trabalhadores da Saúde com pelo menos 6 meses de recebimento da segunda dose;

Idosos de 60 anos ou mais com pelo menos 6 meses de recebimento da segunda dose;

Adultos com alto grau de imunossupressão com pelo menos 28 dias de recebimento da dose única ou segunda dose

Locais

Unidades de saúde, equipamentos públicos – como a Defesa Civil – e shopping Cidade Norte: das 8h às 14h

Veja os endereços de todos os pontos de vacinação em www.riopreto.sp.gov.br/mapavacinas.

O que levar?

Para todos os públicos, é necessário apresentar documento de identificação com foto e CPF e comprovante de vacinação

Para os trabalhadores da saúde, é necessário apresentar ainda o comprovante de função, enquanto os adultos imunossuprimidos devem apresentar o atestado médico que comprove a condição

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por