SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | TERÇA-FEIRA, 05 DE JULHO DE 2022
DIFICULDADES

Conferência vai discutir segurança alimentar em Rio Preto

Conferência em Rio Preto, com presença de representante da ONU, vai colocar a segurança alimentar em destaque; atualmente, a cidade tem 17 mil famílias em condição de extrema pobreza

Marco Antonio dos Santos
Publicado em 16/05/2022 às 20:36Atualizado em 17/05/2022 às 08:24
 (Guilherme Baffi 16/5/2022)

(Guilherme Baffi 16/5/2022)

Um a cada dez moradores de Rio Preto vive abaixo linha da pobreza, ou seja, tem renda menor do que R$ 210. São pessoas que enfrentam diariamente dificuldades para se alimentar. Para discutir políticas públicas para enfrentar a situação, a Prefeitura vai realizar no dia 26 deste mês, a 4ª Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional.

Pela metodologia estabelecida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são consideradas abaixo da linha da pobreza famílias em que a renda per capita chega a apenas R$ 210 por pessoa. Em situação de extrema pobreza, a renda por pessoa é menor do que R$ 105. Atualmente, são 17.027 famílias nessa situação na cidade, quase o triplo das 6.674 lares em 2016. É o maior número já registrado na cidade. Os dados são do Ministério da Cidadania.

Quem tem percebido esse aumento da pobreza mostrado nas estatísticas é a líder comunitária na Estância Santa Clara, extremo norte de Rio Preto, Denise Maria Ferreira, de 40 anos. Todo mês, por meio do grupo de voluntários denominado Meninas do Bem, distribui aproximadamente 100 cestas básicas por mês.

“Cada vez mais famílias vêm nos procurar para pedir uma ajuda, principalmente após a pandemia. Muita gente perdeu o emprego nesta crise. Não está fácil para ninguém”, disse.

Para ajudar as famílias carentes a enfrentarem esse momento, a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento aumentou nos últimos tempos de 600 para 1,6 mil o número de cestas básicas distribuídas por mês, mas a percepção no dia a dia aponta a necessidade de discutir formas de promover o resgate econômico destas pessoas, afirma o dirigente da pasta, Antonio Pedro Pezzuto Júnior.

“É um tema que tem que ser trabalhado de forma sistêmica. Não só o alimento, mas também a inserção destas pessoas com relação a oportunidade de trabalho e geração de renda, o que faz com que elas tenham convívio social mais estruturado”, diz o secretário.

Com o tema “Agricultura Familiar como agente de transformação na alimentação saudável e o caminho para a erradicação da fome”, a Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Comsea) vai reunir representantes da sociedade envolvidos e interessados no assunto, a fim de promover um debate amplo e democrático para construção das bases do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (PlanSan).

“A realização da conferência é fundamental para avançarmos nas discussões sobre alimentação e abastecimento no município. Ela vai trazer elementos para pensarmos soluções para enfrentarmos problemas como fome, desnutrição, obesidade, tendo a agricultura familiar como protagonista”, destaca o presidente do Comsea, Ricardo Augusto Diogo Sanches.

O Plano de Segurança Alimentar, a ser elaborado a partir das propostas trazidas pela Conferência, deverá propor projetos e ações que vão determinar a política pública a ser desenvolvida pelo município nos próximos anos.

À procura de exemplos

Um dos pontos altos da Conferência deverá ser a palestra com Rafael Zavala, representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, que falará sobre avanços no desenvolvimento sustentável do campo. A organização lidera esforços para a erradicação da fome e para o combate à pobreza.

Segundo o secretário de Agricultura e Abastecimento de Rio Preto, Pedro Pezzuto, a ideia de trazer um representante da FAO é para saber das experiências bem sucedidas de combate à fome espalhadas pelo mundo, para depois estudá-las e ver a viabilidade de implantação na cidade.

“O aumento de famílias que vivem abaixo da linha da miséria não é um problema só nosso, mas de todo o mundo. Porém, é nossa obrigação pensar soluções para os nossos problemas locais”, afirma o secretário.

Para a socióloga Alessandra Laurindo Silva, a conferência é uma ótima ideia, mas salienta que é necessário que os governos estadual e federal também elaborem políticas públicas de combate à pobreza e geração de renda. “Porque a retomada de emprego só é possível quando você tem uma política econômica federal que tem essa meta, seguida pelos estados”, explica a especialista. (MAS)

SERVIÇO

4ª Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional

Data: 26 de maio de 2022

Hora: 7h45 às 17h

Local: Instituto de Pesca, na avenida Aberlado Menezes

Acesso gratuito, com vagas limitadas

Inscrições e mais informações em www.riopreto.sp.gov.br/confsan

Programação inclui:

  • Apresentação do Programa Alimenta Rio Preto
  • Palestra de Rafael Zavala, representante da FAO Brasil
  • Leitura e Aprovação do Regimento da Conferência
  • Plenária para aprovação do relatório final

Alimenta Rio Preto

O Programa Alimenta Rio Preto é a política pública de Segurança Alimentar e Nutricional de Rio Preto, responsável por integrar o abastecimento alimentar do município, envolvendo o ciclo de atividades desde a produção no campo à mesa do cidadão. O programa é alicerçado nas compras públicas de agricultores familiares, que visam abastecimento de projetos como Alimentação Escolar, Banco Municipal de Alimentos e outros equipamentos que demandam gêneros alimentícios diversos

Funcionários do banco de alimentos de Rio Preto: frutas e legumes produzidos pela agricultura familiar são alguns dos itens distribuídos a famílias carentes (Guilherme Baffi 16/5/2022)

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por