SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | DOMINGO, 22 DE MAIO DE 2022
Segurança Pública

PMs de Rio Preto terão câmera na farda até o final do ano, diz novo comandante

Novo comandante da Polícia Militar na região de Rio Preto, coronel Carlos Enrique Forner assumiu o posto nesta quinta-feira, 12

Marco Antonio dos Santos
Publicado em 12/05/2022 às 15:07Atualizado em 12/05/2022 às 16:13
Novo comandante do CPI-5, coronel Carlos Enrique Forner assume o cargo em Rio Preto (Marco Antonio dos Santos 12/5/2022)

Novo comandante do CPI-5, coronel Carlos Enrique Forner assume o cargo em Rio Preto (Marco Antonio dos Santos 12/5/2022)

O novo comandante da Polícia Militar na região de Rio Preto, coronel Carlos Enrique Forner, 48 anos, assumiu o posto nesta quinta-feira, 12 e anunciou que os policiais militares da região de Rio Preto receberão câmeras na farda até o final do ano.

"Virão em breve. Acredito que até o final do ano teremos para a região. Inclusive, lá na Capital, eu faço parte do projeto de implantação das câmeras. Temos um cronograma de que vão chegar na região até o final do ano. Pelo menos um aporte que seja suficiente para atender um batalhão da região", diz o oficial.

Agenda

Forner chegou a Rio Preto na noite de quarta-feira, 11, e, na manhã desta quinta, 12, cumpriu sua primeira agenda oficial ao participar do 33º aniversário do 4º Batalhão da Polícia Ambiental de Rio Preto, com a presença do prefeito Edinho Araújo (MDB) e o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Carlão Pignatari (PSDB).

Vindo da Capital para Rio Preto, Forner assumiu o Comando do Policiamento do Interior (CPI-5) no lugar do coronel Fábio Cândido, que foi transferido para o Comando do Policiamento da Capital (CPC).

No período da tarde desta quinta, ele marcou uma reunião com todos os comandantes de batalhões da região do CPI-5, que abrange 96 cidades.

A cerimônia de transferência de cargo está prevista para acontecer na próxima semana, mas a data ainda não foi marcada.

Coronel Forner com o prefeito Edinho Araújo (MDB) e o presidente da Alesp, Carlão Pignatari (PSDB), durante solenidade em Rio Preto (Ivan Feitosa/Prefeitura de Rio Preto)

Conversa com o antecessor

Questionado sobre os conhecimentos sobre os problemas da região, o novo comandante revela já ter conversado com o antecessor para se atualizar.

"Conversei muito com o comandante que me antecedeu, coronel Fábio. Tivemos oportunidade de conversar bastante sobre a região. Minha ideia é dar continuidade aos excelentes trabalhos iniciados por ele, muitos já consolidados. São políticas de segurança pública excepcionais", afirmou.

"Quero trazer, se possível, algo de inovação para a região. Algo na parte tecnológica, para modernizar ainda mais aqui e dinamizar a percepção de segurança da população, não só atender as ocorrências, mas que a polícia se faça perceber. Esse é o meu maior objetivo neste comando", acrescentou o oficial.

Operação Sufoco

Com relação à Operação Sufoco, lançada na semana passada pelo governador Rodrigo Garcia (PSDB) e o comandante-geral da PM, coronel Ronaldo Miguel Vieira, para combater o aumento de crimes patrimoniais, Forner afirma que a chegada das ações na região de Rio Preto depende de um cronograma.

"Preciso conversar com o pessoal da divisão operacional. Temos um cronograma no estado, com foco inicial na Capital. Preciso ainda me inteirar sobre as datas, mas, com certeza, essa operação será desencadeada, muito em breve em todos os rincões do estado", completou.

O novo comandante afirma que sua meta é melhorar todos os indicadores criminais na região, com foco no combate aos roubos, além de aumentar o contato da PM com proprietários rurais para evitar ações das quadrilhas especializadas em furtos de gado, defensivos e equipamentos agrícolas.

Armas à população

Sobre a tese defendida pelo coronel Fábio Cândido, do direito da população se armar, Forner se pronunciou de forma cautelosa. "Temos que ter absoluto controle com relação a isso. É óbvio que existe, hoje, uma política de desarmamento. Isso sempre foi uma tônica, não só do governo estadual, como em todas as searas, onde a gente precisa desenvolver a ideia, de que, se nós temos uma polícia segura, que faz a questão da segurança pública, o cidadão não precisa se preocupar, a priori, em ter ele um instrumento de segurança. Até por conta de a gente aumentar os desvios deste armamento para a criminalidade. Entendo que, óbvio, quem tem a sua arma devidamente registrada, cadastrada, não há o que se falar, mas não podemos fomentar o aumento disso. A polícia tem que fazer esse papel e é essa nossa intenção", diz oficial.

Estretégia

O coronel descarta a criação de um novo batalhão na região de Rio Preto, mas diz que tem a intenção de completar o efetivo de policiais nas cidades que têm déficit, trazendo pessoas da Capital para o interior.

Forner diz que continuará com a estratégia de treinamento constante da PM na preparação contra ataques de quadrilhas especializadas em ataques a bancos, chamadas como "Novo Cangaço", que causaram pânico em Araçatuba, por exemplo.

"Vamos buscar, agora, um plano de contingência policial para nos organizarmos, para sempre que tivermos uma detecção de uma ação criminosa desta natureza, toda a polícia agir de forma contundente para desbaratar a organização criminosa. Temos possibilidade com apoio técnico do Baep (9º Batalhão de Ações Especiais da Polícia Militar de Rio Preto), e, se eventualmente precisar, trazer reforços da Capital para atuar de forma mais incisiva", diz o novo comandante.

"Por ora, o que vamos buscar é uma reorganização da nossa força policial para, se houver necessidade, nos mobilizarmos para enfrentar essas organizações criminosas. Deus nos ouça que não aconteça em nossa região", conclui Forner.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por