SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | TERÇA-FEIRA, 09 DE AGOSTO DE 2022
SAÚDE

Hospitais de Rio Preto vão ser referência no tratamento de casos graves da nova varíola

Hospital da Criança e Maternidade (HCM), Hospital de Base e o Hospital Estadual João Paulo 2° funcionarão como unidades de referência no tratamento de casos graves da doença.

Rone Carvalho
Publicado em 06/08/2022 às 11:44Atualizado em 06/08/2022 às 11:51
Vítimas foram intubadas e internadas em estado grave no Hospital de Base (Hamilton Pavam/Arquivo)

Vítimas foram intubadas e internadas em estado grave no Hospital de Base (Hamilton Pavam/Arquivo)

Três hospitais de Rio Preto vão ser referência no tratamento de casos graves da varíola do macacos (Monkeypox). A informação foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde ao Diário. Hospital da Criança e Maternidade (HCM), Hospital de Base e o Hospital Estadual João Paulo 2° funcionarão como unidades de referência no tratamento de casos graves da doença.

Também integrará a rede a unidade do Instituto Adolfo Lutz de Rio Preto, que ajudará na identificação do vírus, por meio de exames laboratoriais. Segundo a Saúde, o Lutz fará toda a vigilância genômica dos casos no Estado, acompanhando o comportamento da doença com a análise do vírus em circulação em São Paulo.

“Este conjunto de ações desenvolvidas pelas equipes das duas Secretarias de Estado (Saúde e Ciência) é fundamental para o enfrentamento da doença em São Paulo. São diretrizes importantes e que auxiliam toda a rede de saúde e a população, evitando agravamentos pela doença e a ampliação da transmissão em São Paulo”, disse o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Além dos três hospitais de Rio Preto, o plano de enfrentamento da doença inclui outros 90 unidades do Estado. Ao todo, as 645 cidades de São Paulo já contabilizam 1.404 casos confirmados da Monkeypox, sendo que quatro são no Noroeste Paulista: três em Rio Preto e um em Bady Bassitt.

Nesta sexta-feira, dia 5, a Secretaria de Saúde de Rio Preto confirmou o terceiro caso da nova varíola na cidade. Trata-se de um homem de 39 anos, que tem histórico de viagem para São Paulo e está sendo monitorado pela Vigilância Epidemiológica. Segundo a pasta, os sintomas começaram no dia 27 de julho e o resultado positivo para a doença saiu na quinta-feira, 4 de agosto.

Os outros dois casos - dois homens, de 33 e 34 anos, residentes de Rio Preto -, foram confirmados pela Secretaria no início da semana. De acordo com a pasta, o paciente de 33 anos começou a apresentar os sintomas dia 23 de julho. O outro homem teve início dos sintomas no dia 26 de julho.

Em Bady Bassitt, o paciente é do sexo masculino, de 33 anos, chegou a passar por tratamento no Hospital de Base, mas já recebeu alta. Segundo a prefeitura, ele apresentou os primeiros sintomas da doença após ter retornado de uma viagem à Argentina.

Apesar de ser chamada de varíola dos macacos, não há participação de macacos na transmissão para humanos. A nova varíola é transmitida por contato próximo ou íntimo como uma pessoa infectada ou por contato com objetos, tecidos e superfícies que foram utilizadas na pele de pessoas infectadas, como alicates de unha, por exemplo.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por