X
X

Diário da Região

31/07/2016 - 00h00min

Saúde

Técnica usa luz do sol para tratar lesões pré-cancerígenas da pele

Saúde

Johnny Torres 22/7/2016 A nova técnica deixou otimista o motorista Edmilson da Silva, que há quatro anos descobriu um câncer de pele e foi submetido a três cirurgias. “As lesões voltaram e estou com bastante esperança no tratamento”, diz. Na foto, a dermatologista Camilla França Motta aplica a medicação no paciente antes da exposição à luz solar
A nova técnica deixou otimista o motorista Edmilson da Silva, que há quatro anos descobriu um câncer de pele e foi submetido a três cirurgias. “As lesões voltaram e estou com bastante esperança no tratamento”, diz. Na foto, a dermatologista Camilla França Motta aplica a medicação no paciente antes da exposição à luz solar

O sol, considerado o principal vilão quando o assunto é câncer de pele, virou o aliado mais recente para prevenir a doença e tratar esse tipo de lesão. O novo tratamento, uma terapia fotodinâmica que recebeu o nome de DayLight (do inglês luz do dia), associa o medicamento aminolevulinato de metila com a luz solar. 

A técnica foi apresentada recentemente no Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica pela médica dinamarquesa Merete Hædersdal e tem sido destaque em congressos de dermatologia como no Meeting da Academia Americana de Dermatologia, realizado no começo de março, em Washington, nos Estados Unidos. 

A terapia fotodinâmica nada mais é que uma reação química ativada por luz, usada para destruição seletiva de um tecido, e requer um agente fotossensibilizante no tecido-alvo, uma fonte de luz e oxigênio. Os agentes fotossensibilizantes são o ácido 5-aminolevulinico e o metilaminolevulinato. É utilizada principalmente para tratamento de ceratoses actínicas (lesões que podem se tornar câncer de pele) e para tumores superficiais e lesões superficiais múltiplas. 

O método consiste na limpeza da pele, aplicação do produto fotossensibilizante com oclusão da pele e posterior exposição à luz, levando a uma destruição seletiva da célula cancerígena. É considerado um tratamento seguro e eficaz e sem os problemas inerentes a uma cirurgia convencional para tratamento de tumores. 

Uma das vantagens do novo tratamento é a redução do tempo, número de sessões e maior conforto para o paciente. “Antes, em vez da luz solar, utilizávamos um laser, que é um tratamento eficaz e que até pode ser associado, mas em alguns casos pode ser demorado e de difícil utilização para áreas grandes do corpo”, explica a dermatologista Camila França Motta.  

“É uma nova técnica que vem obtendo resultados fantásticos, sem necessidade de equipamentos, o que representa menor custo e mais praticidade para o paciente”,  diz o dermatologista Alexandre Filippo, presidente do Congresso da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

“A terapia não serve para tratar o câncer de pele já instalado”, avisa a dermatologista Maria Claudia Almeida Isso, professora de dermatologia da Universidade Federal Fluminense (UFF). É usada para tratar as lesões pré-cancerígenas superficiais (queratose actínica) ou malignas superficiais, uma vez que a luz não consegue penetrar profundamente quando o câncer está instalado. “Os resultados revelaram que o método é indolor e apresenta regressão ou praticamente ausência de lesões no pós-tratamento. O tratamento deve ser sempre orientado e supervisionado por um dermatologista, que fará o diagnóstico correto e dará orientações necessárias ao paciente a fim de que os resultados sejam os mais satisfatórios”, explica a dermatologista Josiane Lopes Simão Cocenza, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

BE1213

Luminosidade é fundamental

- Não é preciso ficar exposto ao sol e sim à luminosidade de uma sombra de  árvore ou na varanda de casa, por exemplo. Isso significa que não pode ser em um dia nublado ou chuvoso. “Após essa exposição à luz solar, o paciente retorna ao médico para remover a medicação e receber orientações de hidratação da pele e outras orientações, como a previsão de uma vermelhidão na área tratada por cerca de dois dias após o tratamento”, explica João Roberto Antonio. São citados resultados de uma boa taxa de cura para regiões onde a pele tem muitas lesões pré-cancerosas aparentes ou não. O paciente é reavaliado mensalmente e, se necessário, pode ser realizada uma nova sessão após três meses

Procedimento já existe em Rio Preto

A nova técnica já está sendo utilizada por especialistas em Rio Preto. “A terapia fotodinâmica com luz do dia consiste na aplicação da medicação na área afetada por um médico especializado e, após 30 minutos de espera, o paciente deve ficar exposto à luz do dia por duas horas e no máximo três horas”, diz João Roberto Antonio, professor emérito de dermatologia da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp), chefe do Serviço de Dermatologia do Hospital de Base.

Estudos comparativos entre a terapia fotodinâmica convencional com o uso do laser, utilizado no Brasil desde 2006, e a que utiliza a luz do dia estão sendo feitos na Famerp. Embora os custos na rede privada sejam considerados altos, vários hospitais hoje oferecem o tratamento gratuito na rede pública.

Simples e indolor

O procedimento é mais simples e praticamente indolor, enquanto na terapia fotodinâmica convencional são necessários meios de controle da dor durante a aplicação do led. “Após a aplicação do produto, o paciente deve ficar exposto ao sol ou em áreas sombreadas (se necessário), durante duas horas, em temperaturas acima de 10 graus, exceto em dias de chuva”, explica a dermatologista Camila França Motta, que já utiliza a terapia para tratamento dos pacientes em Rio Preto. 

Qualquer área pode ser tratada com o novo método, desde a pele fina da face, colo, mãos braços e até mesmo o couro cabeludo, que são áreas que costumam ser mais propensas ao desenvolvimento do câncer de pele devido à maior exposição solar. 

Outra vantagem do 'DayLight' é que, além de tratar o câncer de pele, ele previne lesões pré-cancerígenas que costumam aparecer ao redor de uma lesão já removida cirurgicamente e também o carcinoma basocelular. “E mais: em alguns casos, o tratamento pode promover resultados estéticos, como redução de manchas e de pintas, uniformizando o tom de pele do paciente”, complementa.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso