X

Diário da Região

03/05/2015 - 00h03min

Turismo

No reino de Thai

Turismo

Agência O Globo Noviços: cerimônia em que meninos viram monges, durante as férias escolares
Noviços: cerimônia em que meninos viram monges, durante as férias escolares

A imagem de um país exótico e pouco desenvolvido, envolto em recente golpe militar, coberto de templos e de praias paradisíacas se desfaz imediatamente, quando você pousa no moderníssimo Aeroporto Internacional de Bangcoc Suvarnabhumi e ouve uma delicada saudação da comissária: "Bem-vindos ao Reino da Tailândia!"

Já são duas agradáveis surpresas e você ainda nem desembarcou do avião - aliás, um Airbus A380, o maior avião comercial do mundo e que não voa para o Brasil, porque nossos aeroportos não têm capacidade para o desembarque. O fato é que logo você vai descobrir que a Tailândia é um país de contrastes extremos. 

Contrastes extremos

Budista, o atual rei Rama 9º é o monarca que reina há mais tempo e o chefe de Estado mais antigo em serviço em todo o mundo: Phumiphon Adunyadet (seu nome significa "força do incomparável poder da terra") ascendeu ao trono tailandês em 1946. Para se entender o país, é muito importante saber isso, pois 94% de seus cidadãos são budistas (apenas 4% são muçulmanos e 2%, cristãos) e quase todos devotados a seu rei.

E apesar de ter um sistema de governo bem parecido com o inglês, ali não há uma "rainha da Inglaterra", ou seja, uma pessoa querida, mas sem poderes: aos 87 anos, ele é tido como um anjo que anda entre seu povo. Os adjetivos que Rama 9º recebe poderiam encher páginas e páginas: genial, poliglota, cientista, desportista, humanitário, músico brilhante. Nas casas e estabelecimentos comerciais, sempre há pelo menos uma foto do rei. Nas ruas, outdoors, flâmulas em postes e bandeiras da monarquia são mais comuns que tuk-tuks.

E não são fotos em pose oficial. Phumiphon Adunyadet parece mais um membro da família de cada um: as fotografias são de seu casamento, do monarca falando no walkie-talkie, passeando de camisa florida e até do suor pingando da ponta do nariz real. Usando como base a capital Bangcoc e como guia três famosos filmes hollywoodianos ("O rei e eu", "A ponte do Rio Kwai" e "Se beber, não case 2"), dos quais os tailandeses têm orgulho - é possível dar uma ideia do que tem sido esse país de contrastes, ao longo dos últimos três séculos.

Meninos monges por um mês

Outra dica é visitar o templo aos sábados, às 9h, para participar da reza dos monges. Caso dê sorte, é lá que ocorrem as solenidades em que noviços se transformam em monges. Por tradição, todos os meninos entre 12 e 19 anos viram monges pelo menos por um mês. É uma linda e emocionante cerimônia que o visitante pode acompanhar, em sua maior parte, junto às famílias dos meninos.


Intocável, Sunanda morreu

Em um canto do jardim, há um local dedicado à tristeza. É onde fica um obelisco em memória da rainha Sunanda Kumariratana, a preferida do rei, que morreu grávida em um naufrágio no caminho entre Bangcoc e o Palácio de Verão. A curiosidade é que ela não foi salva pois não era permitido que os plebeus tocassem em membros da família real. Após o acidente, o monarca aboliu esse decreto.

Em 1767, Ayutthaya fora saqueada e destruída pelos exércitos da Birmânia (hoje, Myanmar). Foi aí que o Reino de Sião teve de procurar uma nova capital, escolhendo Bangcoc. As marcas da invasão estão por todos os lados, seja no antigo Palácio Real, quase transformado em pó, ou na decapitação em série das estátuas de Buda, transformadas nas imagens do Buda-sem-cabeça. No Wat Mahathat, a ruína mais bonita da antiga capital é uma cabeça de Buda, agora envolta em raízes gigantes de uma árvore.

Em Bangcoc, o Grande Palácio Real foi construído numa área de quase 220 mil metros quadrados e cercado por 1.900 metros de muros, tudo isso de frente para o rio Chao Phraya, o "rio dos reis", que corta a cidade. Trata-se de um complexo de prédios, galerias, pavilhões, jardins e pátios. O local foi residência oficial dos governantes até 1946, quando o atual rei assumiu o poder e decidiu se mudar para o Palácio Chitralada. Ainda assim e apesar do grande movimento turístico, várias partes do complexo estão fechadas ao público, por ser usadas como escritórios do governo e locais para cerimônias reais.

Uma vez lá dentro, um dos lugares que mais chamam atenção é o Templo do Buda de Esmeralda, ou Wat Phra Kaew, uma capela real, toda decorada de dourado, num estilo semelhante ao do templo destruído em Ayutthaya. Como destaque, a pequena estátua de Buda, feita em jade, que data do século 14. É um dos poucos prédios em que se pode entrar. A área do templo também compreende três pagodes budistas, um deles grande e dourado, em espiral, a Golden Pagoda. 

Século 19 - 'O rei e eu'

Na segunda metade do século 19, Rama 4 sentiu a pressão do expansionismo ocidental, abraçou suas inovações e iniciou a modernização do reino, tanto em tecnologia como em cultura. Para dar prosseguimento a esse processo, chamou uma professora inglesa para seus filhos. Essa história deu origem ao filme "O rei e eu", de 1956, com Deborah Kerr e Yul Brynner, e teve outra versão em 1999, com Jodie Foster e Chow Yun-fat. 

Seu filho Rama 5º, aluno da inglesa Anna Leonowens, nos legou o que são hoje dois dos principais destinos turísticos do país: o Palácio de Verão, em Ayutthaya, e boa parte do Grande Palácio Real, em Bangcoc. Altamente comentado pelos guias, os filmes nunca foram exibidos no país, pois a forma de tratamento dada ao rei e aos costumes locais foi considerada muito desrespeitosa pelos mandatários.

O Palácio de Verão fica em Ayutthaya, cidade que por 400 anos foi capital da Taiândia (quando o país era conhecido como o Reino de Sião) e hoje é patrimônio mundial da Unesco. A 80 km de Bangcoc, a construção é um conjunto de prédios em diferentes estilos, rodeados por jardins extremamente bem cuidados. O único pavilhão em estilo tailandês é também a marca registrada do local. Fica no meio de uma lagoa e tem a estátua de Rama 5º, de pé, vestindo uniforme militar. 

O edifício mais interessante do complexo é a residência de estilo chinês construído na China e doado ao rei pela Câmara de Comércio da China, em 1889. Você deve remover seus sapatos para entrar e desfrutar do ébano e interior de laca vermelha. Outro belo prédio é o Phra Thinang, de estilo neoclássico, que foi a residência de Rama 5º. Estão disponíveis para visita apenas três aposentos: as salas do trono, de visitas e jantar. Para entrar, mulheres precisam usar saia, mas há cangas disponíveis lá fora.

Século 20 - 'A ponte do rio Kwai'

O segundo filme mais comentado pelos guias e que transformou Kanchanaburi, a 123km de Bangcoc em uma atração turística foi "A ponte do Rio Kwai". O filme anglo-americano, de 1957, estrelado por Alec Guinness e William Holden, ganhou sete Oscar, mas por essas coisas que só acontecem na Tailândia, foi rodado no Sri Lanka. 

Uma passagem em plena selva

O filme 'A ponte do rio Kwai' tem como pano de fundo a Segunda Guerra Mundial, em que prisioneiros britânicos recebem o encargo dos japoneses de construir, em plena selva, uma ponte de transporte ferroviário sobre o rio Kwai. O coronel Nicholson, que está à frente dos prisioneiros, é o oficial britânico que procura uma forma de elevar o moral de seus homens. 

Vê a ponte como uma forma de conseguir seu intento, fazendo com que eles se ocupassem na construção e assim se sentirem orgulhosos da obra e de si mesmos. Por sua vez, o major americano Shears, prisioneiro no mesmo campo, só pensa em fugir. Ele atinge seu objetivo, mas contra sua vontade volta algumas semanas depois, guiando um comando inglês, para destruir a ponte no instante em que o primeiro trem a atravessasse. Assim, anulariam a rota de transporte de armas dos japoneses, que pretendiam invadir a Índia.

Na realidade, a Ferrovia da Birmânia - também conhecida como a Ferrovia da Morte, Estrada de Ferro Thai-Burma - que tem 415 km de extensão entre Bangcoc, Tailândia e Rangum (em Myanmar), foi construída pelo Império do Japão durante a Segunda Guerra, para dar suporte às suas tropas na Campanha da Birmânia. Os trabalhos forçados de 180 mil trabalhadores asiáticos e cem mil prisioneiros de guerra aliados foram usados em sua construção. Destes, cerca de 90 mil asiáticos e 16 mil prisioneiros (britânicos, australianos, holandeses e americanos) morreram como resultado direto do projeto. A impressionante obra foi concluída em apenas um ano e três meses 

Sem medo dos precipícios

Em Kanchanaburi se pode visitar a ponte, onde passam trens até hoje, e o cemitério, onde estão enterrados os soldados aliados. Mas o local mais interessante da visita é o Hellfire Pass, distante 80 km da cidade. Lá, os australianos ergueram um moderno museu, contando a história da ferrovia. O local foi escolhido por ficar ao lado da tarefa mais difícil de ser vencida na construção: a criação de um canyon, na montanha, para a passagem do trem.

Com 500 metros de extensão e 26 metros de profundidade, os prisioneiros foram obrigados a remover a rocha, usando picaretas martelos e as próprias mãos. Dos mil soldados australianos e britânicos que levaram 12 semanas para abrir caminho na montanha, 700 morreram.

O ideal é passar a noite na região. Então, aproveite a manhã seguinte para fazer um passeio mais leve, por assim dizer. Encontrar elefantes. A região oferece vários campos desses animais, que são atração em todo o país. Os pacotes incluem a oportunidade de entrar no rio com eles e lhes dar banho, além de shows de filhotes. 

Século 21 - Se beber, não case! 2

O único dos três filmes efetivamente rodado no país foi "The Hangover - part II / Se beber, não case! 2". Nele, os amigos Phil (Bradley Cooper), Alan (Zach Galifianakis), Stu (Ed Helms) e Doug (Justin Bartha) seguem para a Tailândia, onde Stu iria se casar com uma tailandesa. Mas na despedida de solteiro em Bangcoc, eles perdem o irmão da noiva. Assim, a questão dos tailandeses agora é com a locação. Por qualquer lado que passem da State Tower, o terceiro prédio mais alto do país com 68 andares onde fica o hotel Lebua, eles dizem "aqui Hangover". 

Com linda vista da cidade, fica ali o restaurante ao ar livre mais alto do mundo, o Sirocco, onde o jantar custa US$ 150 por pessoa, além da bebida. Mas se não quiser gastar demais, o turista pode subir para tomar um drinque e ver a paisagem. A bebida mais barata custa em torno de US$ 10. Só que, se formos contar com a vista, que está incluída, fica mais barato do que subir o Corcovado. 

No hotel e no restaurante, foi rodada apenas uma pequena parte do filme. A área mais interessante está na Soi Cowboy, uma travessa de 200 metros de extensão, onde ficam diferentes bares de shows eróticos exóticos com prostitutas uniformizadas na porta. Tudo muito curioso, mas fora dali, as mulheres da cidade dizem não saber o que é Soi Cowboy e os homens juram que já ouviram falar, mas que desconhecem onde fica o lugar. É como se Amsterdã negasse a Red Light Street, e os cariocas ignorassem as boates de Copacabana.

Os shows são internacionalmente conhecidos pela técnica de pompoarismo praticada por mulheres. Se você nunca ouviu falar: ela se baseia no controle da contração e do relaxamento dos músculos vaginais. Já que estamos falando de cinema, a técnica ficou muito conhecida depois de "Priscila, a rainha do deserto (1994)", filme australiano em que, ao atravessar o país, o trio de travestis encontra uma tailandesa que arremessa bolinhas de pingue-pongue pela vagina, durante um show num bar. Por falar em comida, outra atração na Tailândia é a gastronomia. Um programa para quem tem uma manhã livre é aprender a fazer pratos do país. 

No Blue Elephant Cooking School & Restaurant, a dona de uma de rede de 12 restaurantes ao redor do mundo, Nooror Soamany Steppe, dá aulas pessoalmente a grupos de até 20 alunos. Tudo começa com a ida da turma ao mercado para conhecer e comprar os produtos que serão usados para confeccionar os quatro pratos que serão ensinados.

Ao regressar, inicialmente o grupo assiste à apresentação da chef. Dali, parte para a cozinha, onde cada um prepara seu prato em sua própria estação de trabalho. No fim, todos almoçam o que fizeram, além de pratos do restaurante. O programa custa US$ 100, e você sai de lá com o certificado e um avental.

Dia nacional de luta... muay thai

"Perigo em Bangcoc" (2008) é um filme estrelado por Nicolas Cage, no papel de assassino profissional, daqueles que não merecem o tempo gasto diante da tela. Mas mostra porque a Tailândia parece um destino perfeito para cinéfilos de filmes de ação: locações marcantes e muito combate. A razão disso é o muay thai, a arte marcial tailandesa, de mais de 2 mil anos. A luta é o esporte mais popular do país, com arenas exclusivas e lutas diárias em Bangcoc. 

Buakaw Por Pramuk é uma celebridade nacional, desde que venceu o K-1 (similar japonês do UFC). Um dos maiores lutadores da história foi Nhai Khon Tom, um guerreiro do período do Rei Pra Chao Sua ou "Rei Tigre", como era mais conhecido. Diz a lenda que ele foi capturado por birmaneses durante um dos muitos conflitos entre os dois povos. Mas lhe prometeram liberdade se ele derrotasse 12 lutadores birmaneses, o que - claro - aconteceu. 

Pela façanha, em 17 de março é comemorado o Dia Nacional do Muay Thai, com vários eventos pelo país. O principal é o Festival de Ayutthaya, onde, só este ano, 1.200 lutadores de todo o mundo (sendo 38 brasileiros) prestaram homenagem à luta e a seus mestres. A festa tem combates, desafios (quebra de tronco de bananeiras aos chutes), tatuagens feitas com espetos, dança, música e um espetáculo de luz e som sobre uma batalha do Rei Tigre com elefantes e guerreiros. 

PROGRAMA-SE

Como chegar:

:: A KLM, TAP e a Etihad têm tarifas a partir de R$ 5.570. Os preços foram pesquisados para início de maio e já incluem taxas.
 
Onde ficar:

:: Bangcoc 
Chatrium Riverside Hotel: Diárias a partir de US$ 74. 28 Charoenkrung Road, em Bangkholame. chatrium.com

:: Ayutthaya
Iudia on the River: Diárias a US$ 75. Em 11-12 U-Tong Road, Pratuchai. iudia.com

:: Kanchanaburi
X2 River Kwai Hotel: Em Nongya Muang. Diárias a US$ 170. x2resorts.com
 
Onde comer:

:: Bangcoc
Joe Louis Thai Cuisine: No Asiatique The Riverfront Shopping. 2.194 Charoenkrung Road, em Wat Prayakrai.

:: Blue Elephant Restaurant: 233 South Sathorn Road, Kwaeng Yannawa. blueelephant.com
Issaya: 4 Soi Sri Aksorn, Chua Ploeng Road. issaya.com

:: Sala Rattanakosin: 39 Maharat Road, Rattanakosin Island, às margens do rio Chao Phraya.
salaresorts.com
 
Passeios:

:: Kanchanaburi
Thaweechai Elephant Camp:
Em Muang District. taweechaielephantcamp.com
Elephant Nature Park: Na província de Chiang Mai.t elephantnaturepark.org

Bangcoc
:: Bangkok Oasis Spa: Em Sawasdee, Sukhumvit. oasisspa.net 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso