X
X

Diário da Região

24/05/2016 - 01h58min

Saúde

Diga adeus à calvíce

Saúde

Guilherme Baffi O cirurgião plástico rio-pretense Paulo Miranda faz uma avaliação minuciosa após transplante capilar do paciente Junior Mozardo
O cirurgião plástico rio-pretense Paulo Miranda faz uma avaliação minuciosa após transplante capilar do paciente Junior Mozardo

Fantasma para muitos homens, a calvície, um problema que afeta muito mais eles do que elas, pode ser combatida de forma eficaz por meio de um método chamado microtransplante capilar, que usa a técnica Follicular Unit Extraction (FUE) - ou mais popularmente conhecida como transplante fio a fio. O procedimento pode ser realizado em qualquer pessoa a partir dos 20 anos de idade.

De acordo com o cirurgião plástico Paulo Miranda, de Rio Preto, especialista em transplante capilar, pelo menos 10% desses homens (e mulheres também) podem ter o problema da calvície resolvido por meio desse tipo de cirurgia. O microtransplante é uma cirurgia plástica onde são recolocados os fios de cabelos transplantados do próprio paciente de uma área à outra. "Ao retirar os folículos capilares das regiões posterior e lateral, eles trazem consigo suas características embriológicas, não sofrendo ação hormonal.

Com isso, conseguimos transplantar cabelos que não serão rejeitados, não irão sofrer ação hormonal e, por conta disso, não vão cair", explica Miranda. Segundo o médico, a cirurgia é feita em ambiente hospitalar, com anestesia local e sedação. "As unidades foliculares são retiradas uma a uma da área doadora, na nuca, e posteriormente transplantadas para a área receptora, de acordo com uma estratégia (desenho da linha anterior) pré-definida em conjunto com o paciente. O paciente é liberado no mesmo dia, com curativo, e retorna no dia seguinte à clínica para retirá-lo." 

O cabelo transplantado é retirado de uma área geneticamente não suscetível a calvície, logo, esses cabelos crescem de forma indeterminada e não caem mais. "A calvície é uma 'doença' genética e progressiva, e o paciente deve fazer em conjunto com o transplante um tratamento clínico para seu controle, evitando assim uma perda futura nas áreas não transplantadas, o que levaria à progressão da calvície nesses locais", alerta. 

Resgate da autoestima

Junior Mozardo é professor de educação física e proprietário de uma academia em Auriflama. Desde a adolescência, esteve envolvido com fisioculturismo, portanto, sempre ligado com a aparência corporal. "A partir dos 28 anos, ele evoluiu com calvície androgenética, o que lhe trouxe muito desconforto, pois sua aparência facial não condizia como a corporal, muito mais jovem. O transplante trouxe de volta a autoestima perdida com a calvície, uma aparência muito mais jovem, saudável e compatível com sua atividade", diz o cirurgião Paulo Miranda.

Mozardo confirma que a calvície precoce o incomodava. "Dizer que calvície não incomoda é não dar o braço a torcer. Tenho certeza que se você perguntar para qualquer careca se ele gostaria de ter os cabelos de volta a resposta será sim."
Há pouco mais de um ano, o professor de educação física de Auriflama decidiu fazer o transplante capilar e não se arrepende. "Foi uma cirurgia supertranquila. O pós-operatório também. Eu sou considerado um caso de sucesso. 

Fiz apenas uma sessão e consegui bons resultados. Vou te dizer: o cabelo volta mesmo a crescer. Tenho até um topete", conta rindo. Mozardo lembra que, após a cirurgia, ficou alguns dias em casa e depois retornou normalmente ao trabalho. "Eu fiz a cirurgia em uma quarta-feira, na sexta o médico retirou a faixa que estava na minha cabeça e na segunda eu estava trabalhando", explica o professor. "Tive mais dois retornos, mas coisa de um mês após a cirurgia, só para o médico ver como estava. Hoje levo uma vida normal e satisfatória", completa. 

Transplante fio a fio

Graças aos avanços tecnológicos, o microtransplante capilar não deixa mais que a pessoa fique com aquele aspecto de 'cabelo de boneca', como era feito antigamente, com a recolocação de tufos de cabelos. Com o auxílio de um equipamento específico, é possível retirar e transplantar fio a fio os cabelos de uma área para colocar na outra. O cirurgião Paulo Miranda explica que mesmo se caírem alguns fios a raiz permanecerá, desta forma, os cabelos irão crescer normalmente, a partir do segundo mês, em torno de 6 a 9 milímetros por mês.

A queda só será acentuada caso o paciente seja acometido por doença rara no couro cabeludo ou submetido à quimioterapia. "O microtransplante capilar é praticamente indolor, em geral, feito com anestesia local e sedação, e no pós-operatório são usadas medicações analgésicas comuns por no máximo dois dias. O procedimento pode durar até oito horas. É indicado para pacientes a partir dos 20 anos", explica Miranda. "Antes desta idade, o recomendável é que o indivíduo passe por avaliação diagnóstica com um dermatologista para orientar um tratamento medicamentoso", completa. O cirurgião plástico Waldemar Lopez Ferraz Neto explica que existem inúmeras vantagens de optar pelo implante fio a fio. 

"O método menos invasivo, com recuperação mais rápida, não necessita de sutura da área doadora. As cicatrizes menores na área doadora são mais fáceis de camuflar, permitindo cortes de cabelo mais curtos, além de ser uma ótima opção para quem não tem uma boa flexibilidade no couro cabeludo e, por isso, não pode fazer a técnica convencional de retida de faixa de cabelo (FUT)", orienta. Ferraz Neto afirma que os folículos implantados não necessitam de nenhum cuidado especial. "Somente cuidados gerais, que devem ser tomados para todos os folículos: evitar estresse, ingestão de androgênios, fumo e álcool." 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso