X

Diário da Região

03/05/2015 - 00h28min

Virou realidade

Sonho da família Biasi recoloca Novorizontino na elite

Virou realidade

Wiliam Lima/Novorizontino Jogadores, comissão técnica e integrantes da diretoria do Novorizontino
Jogadores, comissão técnica e integrantes da diretoria do Novorizontino

Diz a lenda que a cidade de Novo Horizonte voltou a ter um clube de futebol graças a um daqueles mistérios do além. Numa madrugada no começo de 2010, Jorginho Biasi teria saltado da cama após sonhar com o falecido pai, Jorge Ismael de Biasi. Chorando, Biasi pedia pelo retorno do Tigre. Desesperado, Jorginho procurou o primo Roberto Biasi e contou a história. O mais curioso ainda é que Roberto, um mês antes, também havia tido o mesmo sonho. 

Por conta desse clamor, no dia 1º de março daquele ano, os primos fundaram o atual Grêmio Novorizontino. "Fundador do clube, o Jorge pai sempre foi muito apaixonado pelo Novorizontino, então, eu e o Jorginho olhávamos o estádio, tudo aquilo fechado e estragando com o tempo, dava uma tristeza", contou Roberto. O antigo Grêmio Esportivo Novorizontino, administrado por Jorge Ismael de Biasi e vice-campeão paulista de 1990, fechou as portas em 1999. 

Desde então, a família Biasi foi procurada por empresários interessados em arrendar o estádio e reativar o clube. Jorginho, cansado de ouvir propostas, resolveu conversar com Roberto, além de primo e sócio na Usina Estiva, sobre um novo Novorizontino, e contou com a ajuda dos ex-jogadores Genilson, Luis Carlos Goiano e Alessandro Cambalhota. O atual Grêmio Novorizontino retornou em 2010, com novo CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) e livre de ações trabalhistas, deixadas pela má-administração de Marco Antonio Chedid.

Dono do Bragantino, Chedid aproveitou o desgosto de Jorginho, com o pai doente em 1994, arrendou o Novorizontino e abandonou logo quando foi eleito deputado federal. "Resolvemos voltar apenas com o intuito de revelar jogadores. Nos filiamos à Federação Paulista de Futebol, pagamos R$ 510 mil para isso e fizemos uma reforma no estádio Jorjão", informou Jorginho. "A torcida abraçou a causa desde a quarta divisão e surgiu aquela vontade de voltar a brigar por acessos", acrescentou. 

"Eu fiquei muito emocionado no sábado (vitória de 1 a 0 sobre o Mirassol), porque o jogo estava empatado, aos 40 minutos do segundo tempo, eu tirei da carteira uma foto do meu pai, beijei e o gol do acesso saiu em seguida", contou Jorginho. Os objetivos foram conquistados. Neste ano, o Tigre recebeu da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) o certificado de Clube Formador. 

Menos de 30 clubes no País possuem esse selo de qualidade. Para consegui-lo, é preciso cumprir uma série de exigências. É a garantia para o clube ser indenizado se perder um atleta de 14 a 16 anos para outra agremiação. Além de colocar atletas de sua base em clubes como Grêmio-RS, Corinthians e Fluminense, o time profissional do Novorizontino saltou da quarta divisão, em 2012, à elite estadual nesta temporada.

 

Técnico Guilherme Alves Técnico Guilherme Alves

Técnico 'amigão' crava nome na história

Estudioso do futebol e 'amigão' dos seus comandados, o técnico Guilherme Alves montou um elenco competitivo, capaz de conquistar o acesso ao Paulistão, deixando para trás os tradicionais São Caetano e Guarani, e com uma folha salarial inferior a dos principais concorrentes. O Tigre, desde a Série A-3 do Paulista, exibiu alguns achados no elenco. Pereira, destaque no título do A-3 e também nesta Série A-2, é um desses exemplos, assim como o meia Rayllan, que foi resgatado no Potiguar de Mossoró-RN para o estadual. 

"O Pereira me chamou atenção quando estava no Marília. Fiquei receoso porque ele ainda não tinha despontado. Aí fui ver o seu comportamento fora de campo, um cara excepcional, trabalhador", disse Alves, que também foi o responsável pelo título da Série A-3 no ano passado. "Eu vejo jogos todos os dias, de todos os Estados. Quando não estou em casa, procuro gravar." Rayllan é um caso mais curioso. O jogador se diz "resgatado" por Alves e Jorge Rauli, auxiliar técnico. 

Depois de ir bem no Brasileirão com o Atlético-GO, de 2012, seus empresários recusaram uma proposta do Palmeiras, e Rayllan, frustrado, caiu de rendimento. Da possibilidade de defender o Palmeiras, Rayllan foi parar no Feira de Santana-BA e, por fim, no Potiguar. "Quando as coisas boas não acontecem, porque alguém atrapalha, ficamos muito frustrados. O Guilherme e o Rauli foram "paizões", acreditaram em mim e recebi sondagens de clubes da Série B e outra do exterior", afirmou o meia Rayllan.

 

Genilson Santos Presidente Genilson Santos tem planos ambiciosos para o Tigre

Objetivo é disputar o Brasileiro

Com o acesso ao Paulistão de 2016 garantido, o próximo passo, segundo o presidente do Novorizontino, Genilson da Rocha Santos, é garantir uma vaga no Campeonato Brasileiro da Série D do ano que vem. "Vamos fazer de tudo, agora, para chegar ao Brasileiro. Todo clube precisa de um calendário anual", afirmou o presidente. Para conquistar seu espaço no futebol nacional, o Tigre precisará fazer uma boa campanha em seu primeiro Paulistão. O técnico Guilherme Alves é mais comedido. 

"O Paulistão vai ser muito trabalhoso, porque nunca disputamos e precisamos ter o máximo de cuidado para não bater e voltar. O primeiro passo é evitar o rebaixamento. Dificilmente vamos chegar e surpreender, olha o Corinthians, o quanto participou da Libertadores antes de ser campeão", disse Alves. O planejamento para o Paulistão de 2016 está traçado. Comissão técnica e diretoria devem oficializar a renovação do contrato, entre maio e junho, e consequentemente dar início na montagem do elenco.

Ambientado em Novo Horizonte, depois de dois acessos, Alves declarou interesse em continuar, mesmo com a possibilidade de receber uma proposta de qualquer divisão do Brasileiro. "Esse acesso foi planejado em junho de 2013, seis meses antes do Novorizontino estrear na Série A-3 de 2014. O Genilson e o Goiano foram em casa me convidar e, em julho de 2013, começamos a montar o elenco que subiu ao A-2 em 2014", disse Alves. 

"Já deste elenco que subiu ao A-2,eu havia pedido a contratação do Cléo Silva durante a Série A-3 do ano passado." Outra tática na preparação para o campeonato será visitar e tirar algumas lições de clubes bem-sucedidos. Antes de começar o A-2, o Tigre buscou conhecimento no Mirassol. "Para o Paulistão devemos visitar Ituano, Red Bull e Ponte Preta", contou Genilson. 

 

Taís Santos Taís Santos conta que vendeu 100 camisas antes de jogo decisivo

Time custa R$ 200 mil por mês

Financeiramente, manter um clube no Interior é inviável, segundo a família Biasi. Ela quem bancou a folha salarial, de R$ 200 mil por mês neste ano, e os demais gastos da equipe. A receita exclusiva do Novorizontino, além da verba da Usina Estiva, é da própria torcida. A média de 4.137 pagantes por jogo no estádio Jorge Ismael de Biasi proporcionou uma renda bruta de R$ 391 mil.

Novo Horizonte, de fato, é apaixonada pelo seu clube. Basta um passeio pela cidade e logo é possível se deparar com torcedores uniformizados. "Antes do jogo decisivo contra o Mirassol, vendemos 100 camisas. A procura aumentou com o acesso e acabaram os tamanhos menores", disse a vendedora Taís Maria Pereira dos Santos, da loja Billy.

Outra fonte de renda é a publicidade na camisa, que gera R$ 100 mil por mês, incluindo o patrocínio da própria Usina Estiva. "O Novorizontino será rentável quando a nossa molecada começar a dar frutos. Daquele time vice-campeão de 1990, por exemplo, 70% eram das categorias de base", recorda Jorginho Biasi. Nesse ano, o Tigre disputa os Paulistas Sub-15 e Sub-17 e, no ano que vem, entrará no Sub-20. O presidente Genilson Rocha Santos acredita que as categorias de base começarão a dar retorno, a partir de 2017. 

 

 


 

>> Leia aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso