X
X

Diário da Região

19/09/2015 - 00h00min

Soy Loco Por Ti

Basquete do América é a bola da vez

Soy Loco Por Ti

Johnny Torres Técnico Júlio Malfi conversa com o presidente Marino Manella
Técnico Júlio Malfi conversa com o presidente Marino Manella

O modesto time do América já fez história na elite do Campeonato Paulista. Mas quer e pode mais. Neste sábado, às 14h10, inicia a série melhor de cinco jogos do playoff de quartas de final contra o São José, no ginásio Lineu de Moura, em São José dos Campos, confiante e com moral pela vitória sobre o atual bicampeão Bauru. O duelo será mostrado ao vivo para todo o Brasil pela Rede TV.

O jogo bonito que mescla técnica, força, velocidade, criatividade e ousadia, principalmente pelo norte-americano Bennett, cestinha do Paulistão, com média de 22,5 pontos por partida, já chama a atenção de outros clubes do Brasil. Mas o que tem de tão especial em um time, cujo investimento mensal não chega a R$ 30 mil por mês? O “grosso” do salário dos jgoadores vem da bolsa auxílio-atleta do município, que não ultrapassa R$ 1,2 mil cada.

O presidente Marino Manella reforça esse valor com dinheiro de outros patrocinadores. Uma estrutura simples, mantida basicamente com recusos do projeto de lei de incentivo fiscal, obtido pelo clube há três anos. “É uma luta insana. A gente tem os projetos aprovados, mas é difícil o empresariado, os industriais participarem. Não entendem que não precisam pôr dinheiro, é só uma renúncia de impostos”, disse Manella.

 

Arte - Jogadores do América 1 Clique na imagem para ampliar

Um time de guerreiros, que além de uma base mantida de longa data, contou com a estrela de Manella na hora de importar reforços. Bennett, destaque da equipe, não é a primeira estrela apagada nos Estados Unidos que o Rubro fez brilhar. Rashaun veio em 2012 e hoje está no Basquete Cearense.

Kevin White brilhou no ano passado, mas teve de voltar à terra do Tio Sam. “Terei trabalho para manter o Bennett. Consigo tudo pela amizade. E olha que tem muita gente que quer vir jogar pra gente, uma lista de 29 nomes, até um peruano”, contou Manella. “Não tenho dinheiro para fazer loucuras, mas o que é combinado não é atrasado um dia, isso dá força ao atleta.”

Fundado em 16 de fevereiro de 2003, o América Esporte Clube também disputou o Paulistão em 2011 e 2013, mas sempre parou na fase de classificação. Antes, sempre pelo comando de Manella, o basquete foi um dos esportes amadores do América Futebol Clube. De 1979 a 1989 esteve na elite ewstadual, mas parou e voltou apenas em 1995, com uma equipe juvenil, formada para desenvolver, entre outros garotos, o neto Marininho e o pivô Damião, que compõem a equipe hoje.

Malfi ganha respeito e sonha com Seleção

Júlio César Malfi tem apenas 47 anos, mas já é “macaco velho” no basquete. Aos dez anos de idade, o menino esguio conviveu com a rejeição no time de sua cidade, o Pirelli Santo André. Não passou pela avaliação dois anos mais tarde novamente e, aos 14, na persistência, colheu os primeiro louros do trabalho. “Um técnico de atletismo fez uma equipe com os meninos que não haviam sido aprovados no Pirelli e fomos a uma edição dos Joguinhos em Poá, onde fui campeão e cestinha”, conta, orgulhoso.

 

Arte - Jogadores do América 2 Clique na imagem para ampliar

Passou pelo Diadema, Paulistano e, aos 18 anos, ainda jogando, foi chamado pelo Paulistano para iniciar sua carreira como técnico. “Fazia faculdade, jogava e era responsável pelas escolinhas do clube”, disse Malfi, que ainda rodou, já como treinador, por Ypiranga, Juventus e Hebraica, onde ficou por mais tempo, 14 anos. “ Fui técnico do mini ao adulto, disputei quatro ligas nacionais, sendo o técnico mais jovem da Liga. Estive na Seleção Brasileira Maccabi (de judeus) em dois mundiais, três sul-americanos e três pan-americanos”, emendou Malfi.

Também trabalhou no São Bernardo, Barueri, seleção paulista, Espéria e Poá. O currículo é longo, mas o trabalho em Rio Preto é marcante. “O seo Marino tenta me trazer desde 2010, nunca saí da Grande São Paulo. Sou grato pela oportunidade. Sempre disse que nossa equipe era de potencial, acho que tive a virtude de organizar e tirar o melhor de cada um”, disse Malfi. “Sonho é quando a gente é jovem, hoje tenho objetivo, creio que meu sistema de trabalho pode ser estudado pela Seleção”, finalizou.

 

 

 

>> Acesse aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso