X
X

Diário da Região

06/02/2015 - 09h16min

Rio

Preços administrados ajudam a pressionar IGP-DI de janeiro, diz FGV

Rio


Os preços administrados e os alimentos começaram o ano de 2015 pressionando o bolso dos consumidores. Tarifas de energia elétrica, ônibus urbano e cigarros registraram fortes reajustes em janeiro. Além disso, a sazonalidade provocou uma disparada nos preços de hortaliças e legumes. Os aumentos nas mensalidades escolares também contribuíram positivamente para o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que subiu 1,73% no mês passado no âmbito do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI). A taxa é mais do que o dobro do resultado de dezembro (0,75%).

Ao todo, seis das oito classes de despesas aceleraram na virada do mês, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Apesar disso, o índice de difusão, que mede a proporção de itens com taxa de variação positiva, foi de 70,71% em janeiro, ante 72,19% no mês anterior.

A contribuição de maior magnitude para o resultado partiu do grupo Habitação (0,70% para 2,01%). Nesta classe de despesa, a tarifa de eletricidade residencial avançou 9,41% em janeiro, contra alta de 2,65% em dezembro.

Também ganharam força os grupos Transportes (0,66% para 2,39%), Educação, Leitura e Recreação (0,89% para 4,15%), Alimentação (1,06% para 1,64%), Despesas Diversas (0,20% para 1,96%) e Comunicação (0,49% para 0,52%). Nestas classes de despesa, as maiores pressões partiram de tarifa de ônibus urbano (0,43% para 9,18%), cursos formais (0,00% para 9,19%), hortaliças e legumes (4,46% para 13,32%), cigarros (-0,07% para 3,34%) e mensalidade para TV por assinatura (-0,31% para 1,64%), respectivamente.

Em contrapartida, desaceleraram Vestuário (0,72% para -0,44%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,52% para 0,30%). Na primeira classe de despesa, as roupas ficaram 0,79% mais baratas, após aumento de 0,94% em dezembro. Na segunda, artigos de higiene e cuidado pessoal tiveram queda de 0,94% nos preços em janeiro, após aumento de 0,24% um mês antes.

Construção

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou, em janeiro, alta de 0,92%, bem mais do que a alta de 0,08% verificada em dezembro. A aceleração partiu tanto do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços (0,18% para 0,97%) quanto do custo da Mão de Obra (0,00% para 0,87%).

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso