X
X

Diário da Região

01/10/2015 - 18h17min

Rio

Greenpeace protesta contra leilão de áreas exploratórias de petróleo na Amazônia

Rio

O grupo ambientalista Greenpeace realizou nesta quinta-feira, 1, um protesto contra a 13ª Rodada de leilões de áreas exploratórias pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), marcada para a próxima semana. No encontro dos rios Negro e Solimões, onde se forma o Rio Amazonas, em Manaus, o grupo abriu uma bandeira de protesto: "Deixem as fontes fósseis no chão", em referência à exploração de petróleo em terra na região amazônica. A 13ª Rodada de leilões da ANP, agendada para o próximo dia 7 de outubro, vai ofertar 266 blocos exploratórios, sendo sete áreas na Bacia Amazônica. Segundo o Greenpeace, as sete áreas vão afetar 15 unidades de conservação ambiental (UCs) na região e 19 terras indígenas (TIs). Pelos cálculos do Greenpeace, a exploração de petróleo e gás natural na região sul da Bacia Amazônica poderá afetar até 1,3 mil indígenas que habitam em quatro territórios indígenas: Trincheira/Bacajá, São Pedro, Padre e Miguel/Josefa. "As TIs e UCs são as modalidades de Áreas Protegidas que mais impedem o desmatamento da floresta. Os territórios indígenas, inclusive, apresentam os índices mais baixos de desmatamento do País. Colocar uma dessas áreas em risco é jogar com o futuro da Amazônia", afirma Thiago Almeida, em nota publicada no site da ONG. O Greenpeace considera o leilão um "duplo desastre", e pede seu cancelamento. "Além de um claro incentivo a fontes sujas e poluentes de energia, os blocos exploratórios em terra estão localizados sobre dez grandes bacias hidrográficas, entre elas as do Amazonas, Parnaíba, Recôncavo e Potiguar", informa o comunicado publicado no site da organização não governamental. A denúncia também alerta para a exploração de gás de xisto nas bacias do Parnaíba e Recôncavo, também contempladas no leilão. Para extrair o gás, é usada técnica de fraturamento hidráulico, que tem sido responsável pela rápida expansão da produção de óleo e gás nos Estados Unidos nos últimos anos. Entretanto, o procedimento é questionado por organizações ambientais pelo impacto causado. No Brasil, ainda não há regulamentação ambiental para a técnica, e há decisões judiciais que impediram atividades exploratórias de petróleo e gás com a técnica, no Paraná e na Bahia. A 13ª Rodada de Leilões está marcada para o próximo dia 7 de outubro, no Rio. Ao todo, 37 empresas de 15 diferentes países se inscreveram para participar da concorrência, segundo a ANP. Serão oferecidas áreas exploratórias no mar e em terra, em dez diferentes bacias no País. Os blocos ofertados compreendem áreas de novas fronteiras, regiões maduras e de produção em águas profundas.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso