X
X

Diário da Região

06/10/2015 - 12h00min

Lima

FMI corta previsão de crescimento do Brasil de -1,5% para -3% em 2015

Lima

O Fundo Monetário Internacional (FMI) voltou a cortar as previsões de crescimento para o Brasil e o País deve ter um dos piores desempenhos entre as maiores economias mundiais em 2015 e 2016, de acordo com o relatório "Panorama Econômico Global" divulgado nesta terça-feira, 6, em Lima. Para este ano, a previsão foi cortada de queda de 1,5%, do que relatório divulgado em julho pelo Fundo, para recuo de 3% no documento desta terça. Em 2016, a estimativa passou de crescimento de 0,7% para retração de 1%. O Brasil foi, entre as principais economistas mundiais, a com maior corte das projeções na comparação com o relatório do FMI de julho. Em 2015, só o Produto Interno Bruto (PIB) da Rússia deve encolher mais que o do Brasil, com queda de 3,8%. Já em 2016, o Brasil deve ter o pior desempenho considerando os maiores mercados. Para a economia russa, a previsão é de recuo de 0,6% no PIB em 2016. "Na América Latina, a crise no Brasil foi mais profunda do que o esperado", ressalta o documento. Desde 2012 o FMI vem reduzindo as previsões para o PIB brasileiro a cada nova atualização. O FMI destaca no relatório que os índices de confiança dos empresários e consumidores brasileiros continuaram a piorar, "em grande parte por conta da deterioração das condições políticas" no Brasil. Com isso, o investimento está se desacelerando de forma rápida, afirma o documento. Para o FMI, o necessário ajuste macroeconômico no país está pressionando negativamente a demanda doméstica. A piora da economia brasileira, afirma o documento, está afetando outros países da América Latina, pelo tamanho e importância do país na região e sua interconectividade por meio, por exemplo, do comércio. Nesse cenário, a América Latina deve ter um novo ano de crescimento decepcionante e abaixo da tendência. Em 2015, a região deve se contrair 0,3% e no ano que vem, a previsão é de expansão de 0,8%. A inflação no Brasil, prevê o FMI, deve chegar a 8,9% este ano, superando o teto da meta do Banco Central, refletindo o reajuste de preços administrados e a desvalorização do real. A expectativa dos economistas do Fundo é que os preços convirjam para perto do centro da meta nos próximos dois anos. Para 2016, a previsão do FMI é de inflação de 6,3%. Na taxa de desemprego, a estimativa apresentada no relatório é de que o indicador fique em 6,6% em 2015 e 8,6% em 2016. Ainda no relatório, o FMI volta a recomendar que o Brasil tome medidas para melhorar o ambiente de negócios, incluindo reformas estruturais em setores como educação e trabalho.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso