X
X

Diário da Região

23/03/2015 - 12h00min

São Paulo

FGV revisa previsão do IPC-S de março de 1,7% para 1,4%

São Paulo

O alívio praticamente disseminado da inflação de alimentos no âmbito do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da terceira leitura de março levou o coordenador do indicador, o economista Paulo Picchetti, da Fundação Getulio Vargas (FGV), a revisar para baixo a projeção para o IPC-S fechado deste mês. A previsão passou de 1,70% para 1,40%, disse nesta segunda-feira, 23, o professor à reportagem. "Nas duas primeiras semanas, o índice acelerou e atingiu quase 1,5% na segunda leitura, e revisamos para 1,7%. Depois, entre a segunda e a terceira medições, a novidade é a desaceleração muito generalizada e em alguns casos até pronunciada em itens do grupo Alimentação", explicou. Na visão do economista, os preços dos alimentos podem estar enfrentando resistência para avançar principalmente por dois motivos: o clima adverso e a redução na demanda doméstica. "É uma mistura de consumo mais fraco e do clima atípico, que começou com seca (prolongada) e agora enfrenta período chuvoso mais forte. Não tem nada de comum no comportamento desses preços. É uma boa notícia nesse cenário de inflação elevada", avaliou. Entre a segunda e a terceira medição de março (últimos 30 dias terminados no domingo, 22), a classe de despesa de alimentos passou de 1,25% para 1,09%, influenciada por alguns produtos que estão desacelerando e até indicam quedas na próxima leitura do IPC-S, disse Picchetti. Ele citou como exemplo o tomate e a cenoura, que saíram de 14,47% e 16,68%, respectivamente para 9,98% (tomate) e 9,39% (cenoura), e estão cedendo nas pesquisas de ponta (mais recentes). "Outros itens do segmento de hortaliças e legumes também estão desacelerando", disse. Ao contrário do grupo Alimentação, os conjuntos de preços de Habitação (3,19%) e Transportes (1,42%) tiveram as maiores variações no IPC-S da terceira quadrissemana do mês, que ficou em 1,47% ante 1,49%. Os grupos foram influenciados, pela ordem, pelas taxas ainda elevadas de energia elétrica (18,36%) e gasolina (4,56%). No entanto, o economista ponderou que as altas já eram aguardadas, lembrando que, no caso da gasolina, o item já dá sinais de alívio. "A gasolina e o etanol (de 3,85% para 2,29%) estão desacelerando e, na ponta (pesquisas recentes), estão subindo bem menos, devendo dar contribuição adicional (junto com Alimentação) para um IPC-S menor no final do mês", afirmou.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso