X
X

Diário da Região

28/01/2016 - 21h45min

Brasília

Fazenda diz que expansão do crédito consignado ao longo dos anos é inegável

Brasília

Já iniciando a defesa para a medida provisória que autoriza a utilização de 10% do saldo da conta vinculada e da totalidade da multa rescisória no âmbito do FGTS como garantia adicional contra inadimplência, o Ministério da Fazenda publicou uma nota em que afirma que houve um salto no estoque de crédito consignado, que passou para R$ 274 bilhões em dezembro de 2015, com crescimento médio anual da ordem de 30% desde 2004. A Fazenda afirma ainda que as taxas de juros médias têm se situado entre 25% e 30% ao ano e classificou o número como baixas, "sobretudo se comparadas a outras modalidades de crédito". Em defesa da ação que estimula o crédito, a pasta afirma que "uma vez que o desconto em folha "virtualmente elimina" esse risco, a taxa de juros cobrada pelo empréstimo é reduzida substancialmente". Com o objetivo de recuperar a economia e melhorar o consumo, a Fazenda afirmou que a MP tenta, numa perspectiva macroeconômica, melhorar a potência da política monetária na medida em que cria um vetor de expansão do crédito livre. Num cenário-base, que considera que 10% do montante disponibilizado na forma de garantia é convertido em empréstimos efetivos, a Fazenda considera que a medida pode elevar, no médio prazo, em R$ 17 bilhões o estoque de consignado privado. De acordo com a Fazenda, o estoque em dezembro de 2015 era de R$ 18,8 bilhões. Segundo a Fazenda, a medida tem como objetivo diminuir problemas de distribuição desta modalidade de crédito, já que trabalhadores do setor privado não conseguem acessar o consignado da mesma forma que servidores públicos. "A razão para tal discrepância é a rotatividade no emprego no setor privado, já que o desemprego tende a gerar crescimento do nível de inadimplência nessa modalidade de crédito", diz o documento. A medida, que precisa de aprovação do Congresso, permite reduzir o risco nas operações consignadas criando um potencial de expansão dessa modalidade. A perspectiva da Fazenda é de que ela melhore o perfil de risco das operações de crédito, dando ao trabalhador do setor privado a oportunidade de alterar a composição de seu financiamento, notadamente pela troca de modalidades onerosas como o cheque especial e o cartão de crédito (na modalidade de crédito rotativo) por uma modalidade que apresenta taxa de juros média significativamente menor.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso