Diário da Região

16/07/2015 - 17h04min

São Paulo

Dólar se firma em alta com aumento da aversão doméstica ao risco

São Paulo

O aumento das incertezas domésticas, principalmente no período da tarde, levou o dólar a se firmar em alta nesta quinta-feira, 17. Uma série de notícias negativas no quadro local elevou a aversão ao risco dos investidores, com destaque para a informação de que a Procuradoria do Distrito Federal está investigando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a Odebrecht por tráfico internacional de influência. O dólar à vista avançou para R$ 3,1530 (+0,64%) no balcão, oscilando da mínima de R$ 3,1280 (-0,16%) à máxima de R$ 3,1610 (+0,89%). O volume financeiro continuou abaixo do padrão, a exemplo das últimas sessões, somando US$ 779 milhões por volta das 16h30 no segmento à vista. Às 16h32, o dólar para agosto subia 0,43%, a R$ 3,170. Pela manhã, a moeda alternou altas e baixas ante o real, oscilando de acordo com a tendência externa. Inicialmente, as declarações de ontem da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, de que os juros devem subir nos EUA ainda este ano, deram força ao dólar ante o euro, mas no meio da manhã a moeda única ganhou fôlego. O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmou que a instituição elevou em 900 milhões de euros o teto de empréstimos emergenciais concedidos à Grécia por meio do programa conhecido como "ELA", pela sigla em inglês. O euro voltou a cair à tarde e o dólar também estabilizou-se em alta ante o real, mas mais em razão da piora do noticiário doméstico. Além da investigação de Lula, o quadro fiscal continuou preocupando, na medida em que os projetos têm de ser votados antes do recesso parlamentar, na próxima semana, num momento em que a Moody's está em visita ao Brasil e deve avaliar posteriormente a nota soberana. Um rebaixamento do rating é dado como certo, sendo que ainda assim o País conservará o grau de investimento. O maior temor é de colocação da perspectiva como negativa para a nota. Sobre os projetos da área fiscal, o Senado decidiu nesta tarde acelerar a proposta do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) que trata da repatriação de recursos para abastecer os fundos do ICMS. Ainda sobre o Senado, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou que tomará decisões que podem levar à criação de duas CPIs delicadas para o Palácio do Planalto - a dos Fundos de Pensão e a do BNDES.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso