X
X

Diário da Região

03/08/2015 - 17h13min

Dança

Músicas são ponto de partida de todo espetáculo do Corpo

Dança

NULL 'Dança Sinfônica' é mais uma parceria do Grupo Corpo com o instrumentista Marco Antônio Guimarães (Foto: Divulgação)
'Dança Sinfônica' é mais uma parceria do Grupo Corpo com o instrumentista Marco Antônio Guimarães (Foto: Divulgação)

A música é o ponto de partida para a concepção de todo espetáculo do Grupo Corpo. É ela também uma das principais responsáveis por ditar a personalidade de cada balé. É por isso que, quando o público assiste à companhia, consegue ver as notas musicais ganhando movimento por meio dos bailarinos.

A partir de "21", coreografado por Rodrigo Pederneiras em 1992, o Corpo optou por usar apenas trilhas originais (a exceção foi "Lecuona", em 2004). A música desse espetáculo é de Marco Antônio Guimarães, que já havia colaborado com a companhia em Uakti (1988), balé homônimo ao grupo criado por ele em 1978. Agora, Guimarães é o responsável pela composição de "Dança Sinfônica", sua quinta contribuição para o grupo.

Em rara entrevista, Guimarães conta ao jornal O Estado de S.Paulo que já conhece a maneira de Rodrigo coreografar. Desta vez, no entanto, foi um pouco mais complexo. "O pessoal resolveu fazer algo diferente. Nunca tinha sido encomendada uma coisa gravada por uma sinfônica. Quando Paulo e Rodrigo me procuraram, já tinham conversado com o maestro (Fabio) Mechetti e a direção da Filarmônica (de Minas Gerais, que executa a composição)."

O fundador do Uakti afirma que se inspirou em toda a sua experiência para compor a música de "Dança Sinfônica". Aluno da Escola de Música da Universidade Federal da Bahia nos anos 1960, teve aulas de composição com Ernst Widmer e, com Walter Smetak, aprendeu a criar os próprios instrumentos. "Ano que vem faz 50 anos que entrei na oficina do Smetak. Eu não sabia quem ele era e, quando entrei lá, não sabia que isso iria mudar minha vida."

Depois da faculdade, Guimarães tocou violoncelo em sinfônicas durante 15 anos, passando pela (Osesp) recém recriada por Eleazar de Carvalho. "Para a trilha desse balé, peguei todo esse material. É o que o Rodrigo falou. Fui aos baús antigos, revi a vivência da sinfônica e peças que escrevi há mais tempo, com a experiência que tenho hoje."

O outro balé comemorativo dos 40 anos, "Suíte Branca", tem a trilha assinada por Samuel Rosa e o Skank. Embora tenha sido uma experiência nova, Rosa conta que o processo ocorreu sem muito esforço. As referências para a composição estão no "DNA da banda", segundo o músico. "Tem, nessa trilha, tudo o que o Skank foi nesses mais de 20 anos, um pouco de psicodelia, o dub, que é a psicodelia jamaicana e a mistura com coisas mineiras." Liberdade, sempre.

O único problema para o Skank foi encontrar o equilíbrio no excesso de autonomia que os irmãos Pederneiras deram, como fazem com todos os compositores. "Falavam vai lá, cria à vontade. Em um segundo momento, apontavam isso funciona mais, isso menos", diz Rosa. "No começo, fomos um pouco afoitos demais. Paulo falou: Não vou ter bailarino para isso. Perguntei: Por que, o elenco é pequeno? Ele respondeu: Não, você vai cansar os caras. Precisa ter mais nuances."

Lenine, que contribuiu com a trilha de "Breu" (2007) e "Triz" (2013), também sentiu o peso e o privilégio da autonomia. "A liberdade opressora, sem briefing, é uma janela muito poderosa", diz. "Para mim, é uma possibilidade de exercitar uma musica instrumental que raras vezes tenho a oportunidade de tocar. Foi incrível ver pela primeira vez minha música em três dimensões."

Sobre as experiências, Lenine diz que foi um aprendizado. "Quando fiz Breu, tudo era novo. Com Triz, já tinha uma dimensão real do que poderia estimular a expressão daqueles corpos. O que não mudou foi a liberdade de fazer a música." Por isso, ele é grato. "Nós, da música, temos um débito enorme com o Corpo. Durante anos, eles persistiram em acreditar na composição de trilhas originais."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso