X
X

Diário da Região

21/10/2016 - 08h15min

São Paulo

Guerra do Paraguay é ótima entrada para a obra de Luiz Rosemberg Filho

São Paulo

Guerra do Paraguay é uma ótima entrada para a obra de Luiz Rosemberg Filho. Autor de filmes como O Jardim das Espumas (1970), A$$untina das Amérikas (1975) e Crônica de um Industrial (1978), Rosemberg sempre se colocou numa posição de outsider. Ou o colocaram, talvez seja melhor dizer. No entanto, este cineasta sempre produziu um cinema de primeira, inquietante, crítico, de ruptura. Por isso mesmo esteve à margem. A Guerra do Paraguay é seu novo trabalho, uma peça brilhante no contexto de sua obra e trabalho de grande atualidade. O longa, filmado em deslumbrante preto e branco, puxa de início para um tom brechtiano. A longa sequência inicial mostra mulheres puxando uma carroça por uma estrada deserta. A referência é, talvez, a Mãe Coragem, de Brecht e, de fato, estamos numa situação de guerra. No caso, trata-se da Guerra do Paraguai, do genocídio imposto ao povo paraguaio e que passa por nossa maior façanha bélica. O tempo da sequência, os matizes e outras referências evocam, claro, a Cavalo de Turim, talvez a obra-prima do húngaro Bela Tarr e filme fecho de sua filmografia. Guerra do Paraguay mantém, em boa parte da sua duração, estrutura teatral, o que não é problema em si. Basta ao espectador habituar-se a essa forma não naturalista de expressão, e que não chega a ser tão rara assim no cinema. Há um longo diálogo entre um soldado que volta do campo de batalha e uma atriz de teatro mambembe, uma das que puxavam a carroça nas imagens de início, conversa que talvez seja o centro de gravidade da obra. O encontro improvável entre esses dois seres se dá numa espécie de fresta do tempo. O homem vem do século 19, a mulher é contemporânea. O que se discute? Nesse diálogo, trava-se uma forte oposição entre a barbárie e o humanismo. O soldado justifica a violência da guerra. A mulher defende a paz, a tolerância, a compreensão mútua. Não existe ingenuidade no que dizem. Os argumentos são sustentados com sabedoria. A Realpolitik de um lado; os argumentos humanistas, de outros. Ambos se amparam e talvez se equivalham do ponto de vista lógico. Será preciso o metro da ética para separá-los e estabelecer hierarquias. Mas, se for o caso, estas se farão na cabeça do espectador e não no discurso do cineasta. O desfecho é de impacto e joga o espectador num abismo. De forma hábil, Rosemberg usa mescla imagens filmadas a material documental. Como a dizer: é ficção tudo isso que estamos falando ou se trata mais bem de realidade? O filme possui força e causa impacto. As longas cenas teatrais mostram-se exigentes com o espectador. Mas este é recompensado do eventual esforço que tenha para seguir o embate intelectual entre as duas partes por uma espécie de iluminação estética. No fundo, Guerra do Paraguay expressa o diálogo sempre problemático e áspero entre a política e a arte. Aquela com suas "razões de estado", que justificam qualquer violência; esta, com o sentido de utopia e humanismo que a caracteriza. Desnecessário dizer o quanto o filme se tornou atual, e como uma espécie de "Guerra do Paraguai", de extermínio, parece acontecer neste exato momento da vida nacional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso