X
X

Diário da Região

21/09/2015 - 14h40min

30 anos de teatro

Grupo Tapa festeja história com a peça 'A Mandrágora'

30 anos de teatro

Divulgação O diretor do grupo Tapa, Eduardo Toletino: 'É bom, é sempre bom retornar' (Foto: Divulgação)
O diretor do grupo Tapa, Eduardo Toletino: 'É bom, é sempre bom retornar' (Foto: Divulgação)

"Eu não compreendo grupos de teatro que, após receberem patrocínio, apresentam a peça cerca de vinte vezes e depois partem para outra pesquisa, como se nada tivesse acontecido", calcula o diretor Eduardo Tolentino, que estreia sua versão de "Mandrágora", texto de Nicolau Maquiavel.

"Independente da origem desse apoio, não se pode esgotar nem dinheiro nem trabalho dessa maneira. É importante conduzir uma pesquisa que resulte em repertórios. Os projetos das nossa peças não são pensados com validade menor de três anos", completa o carioca, enquanto ensaiava no Teatro Aliança Francesa.

O texto de Maquiavel, escrito em 1503, narra a trama de um jovem italiano que se passa por médico para conquistar o amor de uma mulher casada, que sofre por não conseguir engravidar. Com o consentimento do marido, do padre e da mãe da moça, o falso doutor receita um tratamento à base de raiz de mandrágora, conhecida pelas suas propriedades afrodisíacas.

"Sempre que voltamos com uma nova temporada da peça, muitas pessoas vêm rever, assim como novas gerações chegam para conhecer. Maquiavel é popular talvez por conta da comédia e do riso, mas também continua sendo Maquiavel, altamente político", explica.

A encenação criada em 2004 teve no elenco Rodrigo Lombardi e Maria Alice Vergueiro e rendeu ao ator Guilherme Sant'anna o Prêmio APCA e indicação ao Shell. "Existem as historinhas, que ficam pela superfície e existem as peças que falam de coisas profundas e essenciais. Assim é na obra de Maquiavel que cria uma estratégia de guerra para conquistar a mulher", conta Sant'anna.

Para Tolentino a força de "A Mandrágora" está na consciência adquirida pela mulher. "Pela primeira vez a figura feminina percebe que pode deixar de ser manipulada e também pode gozar o poder." Na estrutura da montagem, Tolentino prima pelas principais características da comédia românica e também avança na compreensão de sociedade. "Temos as características da vida social no burgo e suas relações. No palco, o elenco permanece, a maior parte do tempo, relembrando os espetáculos ao ar livre. Além disso, a decadência aqui é mais erotizada."

E, falando de relembrar, a volta do espetáculo no Aliança Francesa se torna motivo para refletir a trajetória do Tapa. A companhia fundada em 1974 veio para a capital paulista em 1986. Na cidade, ocupou o teatro durante quinze anos. "Vamos comemorar 30 anos em 2015. É bom, é sempre bom retornar", conta.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso