Diário da Região

11/06/2002 - 00h05min

Alerta

Reimplante e implante são alternativas à perda dentária

Alerta

Banco de imagem NULL
NULL
Perder dentes é sempre algo muito traumático e, quando decorre de algum acidente, a situação fica ainda pior. No Brasil não há estatísticas com relação à perda de dentes, especificamente, mas segundo artigo publicado pelo professor Dario Birolini, titular do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o trauma afeta, prioritariamente, jovens do sexo masculino. O médico relata que em pessoas com idades entre um e 14 anos, as maiores causas de traumatismos são os atropelamentos, seguidos de perto pelos afogamentos; dos 15 aos 39 anos são os homicídios ou as tentativas; acima dos 40 e até os 79 anos, os acidentes automobilísticos são os maiores responsáveis por mortes violentas; finalmente, acima dos 80 anos, as causas mais comuns são as quedas. Em todos esses eventos a possibilidade de traumas na face pode levar a perdas dentárias, fraturas da mandíbula ou da maxila.

O dentista rio-pretense Francisco Caparroz, especialista em cirurgia de buco-maxilo da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp), afirma que o número de perdas dentárias por acidente de automóveis diminuiu bastante a partir da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, sendo, infelizmente, substituído pelos acidentes envolvendo motos, bicicletas, patins etc. Também os praticantes de esportes, como futebol, por exemplo, são grandes vítimas de traumas na face. Ao Hospital de Base chegam, em média, 16 casos por mês, em que o acidente de face envolve a perda de dentes. O dentista explica que há possibilidade de reimplantar um ou mais dentes perdidos (extirpados em função do trauma). O segredo está na rapidez do atendimento prestado à pessoa e no tratamento dado ao dente perdido (extruído). Caparroz explica que é preciso conservá-lo em uma solução para manter a umidade. “Pode ser colocado em soro fisiológico ou até mesmo na própria saliva, o importante é não deixar que fique ressecado”, diz o dentista.

O sucesso do reimplante está intimamente ligado ao tempo que o dente leva para ser recolocado e ao estado de conservação da raiz e dos alvéolos. Por isto, o especialista explica que mães e professoras que, normalmente, estão mais próximas quando ocorre algum tipo de acidente em que a criança sofre a perda do dente, devem levá-la com o dente perdido hidratado o mais rápido possível ao HB. O trabalho desenvolvido pela equipe do hospital, segundo Caparroz, pode ser comparado com o que é feito na Suécia, em relação ao reimplante. Ele conta que em 12 anos de atuação com cirurgias de buco-maxilo, já realizou milhares de reimplantes e afirma que a reabsorção (quando acontece a autocorrosão da raiz e ela não se reintegra ao organismo) acontece em apenas 70% dos casos. O dente original, então, não é totalmente assimilado e precisa ser substituído. Caparroz não vê o índice como um insucesso, mas uma decorrência natural do tratamento. Neste período, no entanto, o ganho psicológico é enorme, pois nada se compara à satisfação de ter um dente considerado perdido, reimplantado. “Há casos em que, passados 15 anos, não ocorre a reabsorção, mas há outros em que isso acontece bem antes. É algo que varia muito”, diz.

Cuidados

>> Especialistas recomendam aos pacientes implantados ou reimplantados que sigam alguns cuidados no pós-operatório
>> Promover um processo de higienização oral especial é indispensável. Durante um período de duas semanas, é recomendado o enxágüe bucal com agentes anti-microbianos duas vezes ao dia, por aproximadamente um minuto. Este procedimento de bochecho minimiza a formação de placa bacteriana na superfície dos dentes implantados
>> É recomendada a avaliação dos tecidos ao redor dos dentes implantados logo após a cirurgia, higiene oral e um exame radiográfico dos pilares do implante, para futuros exames de acompanhamento. Feito isso, no prazo de 10 a 12 dias o paciente passa a comer e a levar sua vida normalmente
>> Em casos de trauma na face os especialistas afirmam que é necessário um trabalho conjunto entre o traumatologista e o dentista especializa

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso