Diário da Região

    • -
    • máx min
18/02/2015 - 01h50min

'Todos Pela Educação'

Matemática e português reprovam a região

'Todos Pela Educação'

Sidnei Costa Em Rio Preto, a ONG esperava que 39,1% dos alunos soubessem o conteúdo adequado em matemática, mas apenas 17,8% corresponderam
Em Rio Preto, a ONG esperava que 39,1% dos alunos soubessem o conteúdo adequado em matemática, mas apenas 17,8% corresponderam

Em oito de cada dez municípios da região de Rio Preto os alunos do nono ano do ensino fundamental, de escolas públicas, não sabem conteúdo que deveriam saber em matemática. É o que aponta levantamento da ONG Todos Pela Educação com base na Prova Brasil, avaliação aplicada aos estudantes em 2013. Os dados da ONG mostram que 77 das 92 cidades da região, não atingiram, em matemática, a meta estipulada pela própria Organização como ideal para a série. Em língua portuguesa, também nono ano, os números também são alarmantes: 69 das 92 não conseguiram índices satisfatórios.


Em Rio Preto, a ONG esperava que 39,1% dos alunos soubessem o conteúdo adequado em matemática, mas apenas 17,8% corresponderam as expectativas. Em língua portuguesa, a meta era de 44,7%, mas o índice foi de 35,4%. Isso quer dizer que os alunos não sabem, por exemplo, resolver equações de segundo grau ou escrever uma redação dissertativa, o que seria esperado nessa etapa, segundo parâmetros do próprio Ministério da Educação.


Para Alejandra Meraz Velasco, coordenadora geral do Todos Pela Educação, os resultados reforçam que é preciso pensar políticas públicas específicas para os anos finais do ensino fundamental. "Já temos visto, nos últimos anos, que as redes de ensino não estão conseguindo avançar nos indicadores de desempenho dos alunos do nono ano do ensino fundamental na velocidade necessária para alcançar as metas de alunos com aprendizado adequado ao seu ano. E, em 2013, vimos queda ou estagnação desses indicadores", afirma Alejandra.


Queda


Se os índices de 2013 mostram que 83% dos municípios não atingiram a meta em matemática e 75% em língua portuguesa, no comparativo com os índices de 2011 a situação da educação fica ainda mais caótica no nono ano. Segundo o levantamento, 31 municípios retrocederam em português e 27 em matemática. Em Pontes Gestal, as notas caíram nas duas disciplinas. O pior desempenho foi em matemática. Em 2011 o índice foi de 20,7% e em 2013 despencou para 6,7%. Já em português a queda foi de 20,7% para 16,7%. A Prefeitura da cidade estava fechada ontem. A reportagem procurou ontem a Secretaria Municipal de Educação de Rio Preto, mas foi informada de que a pasta estava fechada para o carnaval e só reabriria hoje.


Um pouco melhor no 5º ano


Ainda que longe do ideal, os desempenhos das escolas públicas da região no quinto ano são melhores do que no nono ano. Matemática é a única disciplina na qual a maioria dos municípios conseguiram superar as metas. De acordo com o levantamento da Todos Pela Educação, 49 cidades tiveram índices satisfatórios em matemática em um universo de 86 cidades, ou seja, 56% do total.


Mesmo assim, o desempenho da região ainda está abaixo dos números nacionais. No país, o percentual de municípios que atingiram as metas é de 61,7%. O mesmo acontece com língua portuguesa. Na região de Rio Preto, são 39 municípios acima ou igual a meta, o que significa 46% de resultados positivos, na opinião da ONG. No Brasil, esse índice é de 48%.


A avaliação e metas da Todos Pela Educação tem como base a Prova Brasil. Aplicada a cada dois anos a alunos de 5º e 9º anos, ela é a avaliação oficial do governo para todas as escolas públicas e os resultados servem para a formulação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que mede a qualidade do ensino no município e colabora para o diagnóstico e o planejamento do trabalho pedagógico da escola.


Educação boa até 2022


Fundada em 2006 por um grupo de educadores interessados em melhorar o ensino público no país, a ONG Todos Pela Educação é um movimento da sociedade brasileira que tem como missão contribuir para que até 2022, ano do bicentenário da Independência do Brasil, o país assegure a todas as crianças e jovens o direito a Educação Básica de qualidade.


Para isso, definiu cinco metas finais e estipulou também metas intermediárias de evolução até 2022. Porém, a maioria dos municípios não tem acompanhado a expectativa, pelo menos no nono ano, e muitos estão no caminho inverso, retrocedendo nos índices.


A ONG considera como aprendizagem adequada os alunos que obtiveram nível 300 ou maior em matemática e nota igual ou maior a 275 em português na última Prova Brasil, em 2013. Já a meta do município é calculada baseada nas notas das últimas avaliações.


Metas


O movimento quer que até 2022 as seguintes metas sejam alcançadas: toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola, toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos, todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano, todo jovem com ensino médio concluído até os 19 anos e investimento em educação ampliado e bem gerido.

>> Leia aqui o Diário da Região Digital

   

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha?
Não lembro a minha senha!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso