Diário da Região

10/04/2002 - 00h05min

Mama

Falta de informação atrasa processo de cura do Paget

Mama

Editoria de Arte NULL
NULL
Pode parecer uma simples coceira, mas a doença de Paget, tipo de câncer de mama caracterizado por uma lesão na pele da papila (mamilo) que depois se estende à aréola, pode ser bem mais perigoso do que se imagina, principalmente por causa da falta de informação. A enfermidade, descrita em 1840, pelo médico francês Alfred-Armand Velpeau e publicada em 1847, pelo cirurgião inglês William James Paget, que associou a lesão de pele a um câncer de mama, existe há mais de 100 anos e ainda é desconhecida por muitos. De acordo com o mastologista Nilton Bordin, de Mirassol, a doença caracteriza-se por uma lesão na pele da papila (bico dos seios) e na aréola (círculo de cor mais escura em volta do bico). Normalmente, se inicia na papila e depois se estende até a aréola. Trata-se de uma lesão eczematosa, pode coçar e sair uma secreção serosa e sanguinolenta. “Às vezes a papila fica inchada e avermelhada. Com o passar do tempo, a lesão cresce, podendo surgir um tumor no interior da glândula mamária”, alerta Bordin.

No meio médico, existem controvérsias quanto à origem da doença. Duas são as teorias básicas que ainda persistem. Na primeira, ocorreria uma alteração maligna na epiderme, a camada externa da pele. Pela segunda, haveria um câncer no interior de um duto mamário - cada um dos canais pelos quais os fluidos da mama chegam à papila -, as células migrariam até a papila e causariam a enfermidade na pele. Mas muitas vezes não foram encontradas células cancerosas ao longo desses dutos, fazendo com que a tese perdesse força. Assim, a hipótese melhor aceita é de que se trata de um câncer que começa no tecido epidérmico da mama. A doença de Paget, normalmente, aparece em apenas uma mama e é mais freqüente em mulheres após a menopausa, ou seja, depois dos 50 anos. Embora raro, manifesta-se também em homens. A incidência da doença de Paget alcança até 5% de todos os tipos de câncer de mama, constatada nos serviços que se dedicam exclusivamente à enfermidade. Segundo os médicos que estudam a doença, o grande problema é a confusão cometida por alguns profissionais de saúde envolvendo Paget com doenças de pele. E muitas vezes, quando a mulher vai ao mastologista, já passou por outros médicos que não desconfiaram que pudesse ser Paget e trataram como se fosse uma dermatite (inflamação de pele).

De acordo com o cirurgião-plástico Newton Roldão de Oliveira, estudioso da doença por fazer reconstrução mamária, quando isso ocorre, de início pode até haver alguma melhora, porém, em seguida, o quadro reaparece, já que o diagnóstico estava incorreto. Como conseqüência, a paciente perde um tempo precioso para início do tratamento, estimado em até sete meses. “A paciente estaria perdendo tempo, dinheiro e se desgastando psicologicamente. Os profissionais da saúde têm de tomar um cuidado grande antes de diagnosticar qualquer tipo de doença. Principalmente no caso do Paget, que tem a mesma evolução dos cânceres de duto de mama”, diz Oliveira. A conseqüência é que há uma evolução da doença para o interior da mama, complicando o quadro. Com exceção da lesão de pele, a evolução do Paget é a mesma dos cânceres de duto de mama. Acomete inicialmente o complexo aréolo-papilar. Depois pode surgir um tumor palpável na mama e, às vezes, o comprometimento dos gânglios localizados na axila. A doença pode espalhar-se a órgãos como pulmão, fígado, ossos e até levar à morte. Segundo o médico, o diagnóstico precoce, naturalmente, é a melhor alternativa para a cura.

O câncer, como se sabe, pode apresentar características familiares. Desse modo, mulheres com histórico da doença na família devem estar atentas e realizar exames com a periodicidade indicada pelo médico. Como ocorre em relação aos cânceres de modo geral, quanto mais cedo a doença de Paget for diagnosticada e tratada, menores serão as seqüelas e maior a possibilidade de cura. Mulheres que se tratam de doenças de pele no complexo aréolo-papilar, por outro lado, têm de ficar especialmente atentas. Enfermidades como eczema, dermatites e ceratoses costumam estar curad

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso