IMG-LOGO
Home Prevenção

Anticoncepcional e trombose: mito ou verdade?

Núcleo Digital - 06/04/2021 15:00

“É verdade, mas depende…”, afirma a Dra. Luana Antunes Garcia, médica hematologista, formada em medicina pela Universidade de Ribeirão Preto – UNAERP e especializada em clínica médica e hematologia na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – FAMERP. Além disso, ela possui título de especialista em Hematologia e Hemorerapia pela ABHH e estágios na Northwestern University, em Chicago, e na Duke University, na Carolina do Norte.

Os anticoncepcionais são medicações amplamente utilizadas nos dias de hoje por muitas mulheres, seja para evitar uma gravidez, regular o ciclo menstrual, diminuir aqueles sintomas chatos da TPM ou até mesmo melhorar o aspecto da pele.

E os mesmos questionamentos sempre pairam no ar, “É seguro? Eu tomo por muitos anos, tem perigo? Minha irmã teve trombose tomando anticoncepcional, posso ter também?”


Vamos lá, é mito ou verdade?

É de conhecimento geral que o uso de hormônios aumenta sim o risco de se desenvolver uma trombose, geralmente no primeiro ano de uso da medicação – mas não é toda mulher que usa o anticoncepcional que desenvolverá uma trombose. A associação com outros fatores de risco conhecidos como, por exemplo, tabagismo, sobrepeso, sedentarismo, hipertensão, diabetes e colesterol elevado, aumentam essa chance.


“Dra., isso seria a tal da trombofilia?”

Não exatamente. Esse termo está superdifundido atualmente e cada vez mais eu tenho recebido pacientes em meu consultório com questionamentos a respeito desse tema.

Nós suspeitamos que o paciente possa ter alguma trombofilia quando ele ou ela apresenta episódios únicos ou recorrentes de tromboses sem um motivo plausível identificado.

Lembram dos fatores de risco que citei ali em cima? Então, entre eles existem outros, como cirurgias, gestações, traumas físicos, como uma fratura, por exemplo, imobilização prolongada, neoplasias, etc. Por isso a importância de se fazer uma boa profilaxia antitrombótica nestes casos.

Então, por exemplo, se uma mulher que está tomando um anticoncepcional há 3 meses tem uma trombose, podemos até pensar que o culpado tenha sido ele.

Agora, a trombose em uma mulher saudável, após 10 anos de uso de anticoncepcional, sem nenhum outro fator de risco associado, com certeza vale a pena investigar.


“Dra, eu nunca tive nada disso e apresentei uma trombose.”

Com certeza é válida a investigação de trombofilias, tanto adquiridas (síndrome antifosfolipide) como hereditárias (mas neste caso costuma ser marcante o histórico familiar).

Nesta investigação são solicitados exames específicos que buscam encontrar alguma mutação genética que seria responsável por um desbalanço no sistema hemostático, causando uma propensão maior para ter uma trombose – Ah, isso vale para abortamentos de repetição também. Muitas mulheres não conseguem levar uma gestação a termo por conta disso.

Na dúvida, procure um hematologista. Será um prazer te ajudar!


Serviço:
Dra. Luana Antunes Garcia
Médica Hematologista
CRM/SP 155.008
RQE 78747

Editorias:
Prevenção
Compartilhe: