Grupo Diário da Região   | segunda-feira, 09 de novembro
IMG-LOGO
Home Prevenção

Como as bactérias do endométrio afetam a fertilidade?

Núcleo Digital - 07/11/2020 00:00

Talvez você já tenha ouvido falar em microbiota ligada ao trato intestinal ou até mesmo vaginal, mas o que muita gente não sabe é que existem bactérias que habitam o nosso útero, e mais, elas podem afetar a fertilidade. De um modo geral, o termo microbiota pode ser definido como a totalidade de bactérias presentes no corpo humano que desempenham grande influência em diversos aspectos. O nosso útero tem uma microbiota, mas até pouco tempo acreditava-se que ele era um ambiente totalmente estéril e livre de micro-organismos, agora a ciência já comprovou a existência de uma população de bactérias que podem ajudar ou prejudicar o equilíbrio da fertilidade.

Já ouviu sobre casos de mulheres que possuem um embrião em condições consideradas ideais e um endométrio receptivo, mas mesmo assim apresentam problemas para engravidar? Pois bem, isso ocorre porque existem diversos outros fatores que atuam na implantação do embrião e no sucesso da gravidez, e um deles pode estar relacionado à microbiota endometrial. Para se ter uma ideia, pesquisas apontam que 20% da infertilidade é causada pelo fator endometrial, e cerca de 30% das mulheres inférteis possuem bactérias patógenas (aquelas que causam doenças) no endométrio.

Mas o que é endométrio e qual a relação dele com a microbiota?
O endométrio é como um tecido que reveste o interior do útero, a parte em que o embrião implanta e reside durante a gravidez. Todo mês o endométrio se prepara para a chegada de um embrião, e quando isso não acontece, a mulher menstrua (A menstruação é a saída normal do sangue e do endométrio através do colo). Muitos problemas podem afetar o endométrio, sendo algumas das principais causas de infertilidade em mulheres. O endométrio é um fator fundamental para o sucesso da implantação, se ele está saudável, e se conta com um equilíbrio de bactérias saudáveis, que podem ser chamadas como flora endometrial ou microbiota endometrial, as chances de gravidez são melhores.

O que a falta de equilíbrio entre as bactérias do endométrio pode causar?
Alguns estudos têm demonstrado a importância do equilíbrio da flora bacteriana do endométrio para o sucesso da gravidez. Em outras palavras, se os níveis dessas bactérias saudáveis no endométrio são reduzidos, sua chance de engravidar pode ser baixa. Em situações que existem, por exemplo, uma inflamação ou uma infecção no endométrio, pode ocorrer uma mudança na flora endometrial, proporcionando a proliferação de outros tipos de bactérias no útero que tornam o ambiente hostil para a implantação, ou seja, fatores que provocam uma condição inóspita para que o embrião consiga se desenvolver normalmente, podendo ser uma das causas de falha na implantação, aborto, entre outros problemas que dificultam a gravidez.

É possível avaliar as bactérias do útero?
Sim, para avaliar o equilíbrio das bactérias existentes no interior do útero, assim como detectar possíveis presença de bactérias que causem doenças, é realizado o exame EMMA. O teste é feito a partir de uma biópsia do endométrio, executada de forma rápida e simples por um especialista no consultório, e depois o material é enviado para um laboratório especializado. A partir destas informações é possível prescrever um tratamento adequado conforme o caso. Conhecer a microbiota endometrial da mulher permite melhorar os resultados dos tratamentos de reprodução assistida através do diagnóstico de patologias que causem infertilidade, entre elas a endometrite crônica, por exemplo. Além disso, essa avaliação ajuda identificar se as bactérias que formam a flora do endométrio são adequadas para que a gravidez possa ocorrer.

Como melhorar a saúde da microbiota endometrial?
Quando algum problema é identificado pela biópsia, seja uma infecção, a presença de bactérias patógenas ou alguma doença, o tratamento pode ser realizado de diferentes formas, que vão desde antibióticos até fatores que ajudem a promover um ambiente mais propício à microbiota endometrial. Outros recursos terapêuticos podem ser o fornecimento de lactobacilos por meio da mudança da microbiota intestinal e óvulos vaginais, assim como manter uma alimentação equilibrada e nutritiva para melhorar o perfil inflamatório através de antioxidantes, entre outros.

Serviço:
CRH - Centro de Reprodução Humana
São José do Rio Preto-SP
Instagram: @crhriopreto
Facebook: crh.riopreto

Editorias:
Prevenção
Compartilhe: