IMG-LOGO
Home Saúde e Beleza

7 dúvidas sobre cuidados com a pele no frio

Núcleo Digital - 24/05/2021 17:16

Com a chegada do frio, o tempo fica mais seco e, como consequência, nosso organismo passa por uma série de alterações, levando ao surgimento de dúvidas. É nessa hora que surgem dúvidas sobre como: ainda há necessidade de aplicar protetor solar? Os cabelos merecem cuidados especiais? A rotina skincare pode continuar a mesma do verão? Para te ajudar nesse momento, especialistas respondem 7 dúvidas de cuidados com a pele durante o frio. 

É normal a pele ficar mais ressecada no inverno?
Sim. “A baixa umidade do ar e a queda da temperatura levam a uma diminuição da transpiração corporal. Dessa forma, a pele torna-se mais ressecada e áspera, podendo até mesmo apresentar descamação e vermelhidão em algumas áreas”, afirma o dermatologista Abdo Salomão Jr., membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. O estudo “Changes in filaggrin degradation products and corneocyte surface texture by season”, publicado em março de 2018 no British Journal of Dermatology descobriu exatamente por qual razão isso acontece: as células da pele literalmente encolhem no frio e prejudicam uma proteína chamada filagrina, que ajuda na hidratação natural. “A filagrina é uma importante proteína da pele que desempenha um papel importante na barreira cutânea. Ela é degradada em aminoácidos que mantêm a hidratação dentro das células e fornecem proteção. E esse processo é essencial para garantir que sua pele continue produzindo seu fator de hidratação natural (NMF)”, explica o dermatologista. Além disso, a pele é prejudicada pelos banhos quentes e demorados, pois a água quente provoca a remoção intensa da oleosidade natural do tecido, diminuindo o manto hidrolipídico que retém a umidade e protege a pele. “Evitar banho quente é um cuidado importante. Outro cuidado essencial com a pele é em relação à hidratação, pois é a etapa do skincare responsável por prevenir o ressecamento da pele, devendo ser então realizada de acordo com o tipo de pele de cada paciente”, recomenda a especialista. Além disso, é necessário evitar produtos de limpeza agressivos para a pele. “Quanto mais abrasivo for o produto de limpeza, mais ele vai retirar a sujidade e a barreira protetora do estrato córneo, fazendo com que a pele fique desidratada; por esse motivo, surgiram os limpadores suaves”, afirma o farmacêutico Maurizio Pupo, Pesquisador, Consultor em Cosmetologia e diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Ada Tina Italy. “A limpeza da pele requer um delicado equilíbrio entre alcançar uma excelente higiene ao mesmo tempo em que a barreira protetora do estrato córneo é mantida. A suavidade é importante porque o dano de barreira induzido pelo limpador aumenta a perda de água transepidérmica (TEWL), ou seja, piora a hidratação natural da pele, que age como uma esponja para reter a água no tecido”, acrescenta o especialista. 

Preciso aplicar fotoprotetor no inverno?
Sim! Não tem jeito, o fotoprotetor é de uso diário e eterno. “A radiação ultravioleta, também no inverno, provoca danos que comprometem a estrutura de sustentação da pele, causando o aparecimento precoce de rugas e flacidez, além das manchas como reação à fotoexposição. E isso também vale para quem está dentro de casa, já que a radiação UV ultrapassa vidros e janelas. Então, a orientação continua a ser a de reaplicar o fotoprotetor de quatro em quatro horas em ambientes fechados. O filtro deve ter dióxido de titânio ou óxido de zinco na formulação: esses são bloqueadores físicos importantes”, explica a dermatologista Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Outro problema é que a luz azul dos computadores, televisões, tablets e celulares pode causar manchas. Então seu filtro solar deve ter ação física para bloquear essa luz e proteção antioxidante.

O inverno é realmente a melhor estação para realizar procedimentos estéticos?
Sim, pois, durante essa época do ano, a exposição solar é menos frequente e intensa. “A exposição solar de áreas que acabaram de passar por cirurgia pode causar manchas na pele e o escurecimento das cicatrizes”, alerta a Beatriz Lassance, cirurgiã plástica e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Segundo a especialista, a temperatura amena também minimiza o inchaço após a cirurgia plástica, o que pode ajudar a otimizar o tempo de recuperação, se comparado aos dias mais quentes. “O calor pode levar a um maior inchaço e causar incômodo, especialmente quando o paciente já tem uma tendência natural à retenção de líquidos”, destaca a médica. “Os dias mais frescos também dão maior conforto para o uso de malhas compressivas, necessárias no pós-operatório de algumas cirurgias, o que acaba fazendo com que o paciente o utilize da forma recomendada, garantindo resultados satisfatórios.” Os tratamentos não cirúrgicos, mas que ‘retiram’ a primeira camada da pele, também são interessantes.

A rotina skincare do inverno deve ser igual à do verão?
Não, pois as necessidades da pele mudam de acordo com a estação. “No inverno, a pele fica naturalmente mais seca por conta do frio, baixa umidade, banhos quentes e ventos constantes. Então, temos que adequar os produtos do necessaire a esse novo momento, procurando por cosméticos que privilegiem a pele nessa estação”, recomenda a Paola Pomerantzeff. Nessa época, o uso dos ácidos também é mais acentuado. “Mas nem todos os ácidos são iguais. Os alfa-hidroxiácidos (AHAs), por exemplo, são clareadores, reparadores e suavizantes. Os beta-hidroxiácidos (BHAs) são melhores para peles oleosas e com tendência acneica e têm propriedades antibacterianas. Também existem os menos conhecidos poli-hidroxiácidos (PHAs), com características semelhantes aos alfa-hidroxiáciados, porém como apresentam moléculas maiores trabalham apenas na camada mais superficial da pele”, explica o dermatologista Daniel Cassiano, da Clínica GRU e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Mas cuidado com o uso sem orientação de ácidos, retinol e peelings muito agressivos: eles podem ser um dos motivos do aparecimento dos vasinhos faciais. “Quando fazemos peeling, estamos criando um processo inflamatório, “queimando a pele” para ela descamar. Se esse processo for excessivo, abusivo, pode gerar, sim, os vasinhos no rosto.

Peelings químicos intensos e com muita frequência, sem orientação médica, provocam um grande processo inflamatório. Para quem já tem tendência, essa circulação não vai embora, então os vasinhos aparecem”, argumenta a cirurgiã vascular Aline Lamaita, membro da diretoria (comissão de marketing) da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). A estação também é excelente para tratar imperfeições da pele, por isso investir em um esfoliante suave pode ser interessante.

É verdade que a poluição que prejudica a pele é maior no inverno?
Sim, pois no inverno ocorre um fenômeno conhecido como inversão térmica, quando o ar frio é impedido de circular por uma camada de ar quente. Como resultado, a camada de ar fria fica retida nas regiões próximas à superfície terrestre com uma grande concentração de poluentes, que são extremamente prejudicais à pele. É interessante então investir em cosméticos formulados com ativos antipoluição, que possuem mecanismos diferenciados para combater a ação dos poluentes na pele, como a formação de um escudo biomimético ou um filme de proteção sobre o tecido cutâneo. 

Os cabelos também devem ser uma preocupação no inverno?
Sim. “Com a queda da temperatura, os banhos se tornam mais longos e quentes e o couro cabeludo, que é rico em glândulas sebáceas, sofre um ressecamento excessivo causado pela alta temperatura. O resultado é a produção de oleosidade rebote, o que torna os fios pesados e favorece o surgimento da caspa e da queda capilar”, alerta Abdo. Além disso, com a baixa umidade do ar, é comum os fios ficarem mais ressecados e sujeitos à quebra. “Por isso, devemos investir em cuidados como evitar banhos quentes, utilizar uma máscara capilar de efeito nutritivo semanalmente, diminuir a frequência de uso do secador, sempre aplicando protetor térmico quando utilizá-lo, e não esquecer de consumir água, frutas e verduras, que auxiliam na hidratação”, aconselha.

Que outros problemas estéticos podem surgir no inverno?
Um problema menos comentado, mas frequente no frio é o surgimento de vasos sanguíneos que podem comprometer a beleza das pernas. “O tempo frio estimula a contração dos vasos sanguíneos, principalmente das artérias periféricas, o que pode ser perigoso principalmente para pessoas com quadro de obesidade e sedentarismo, pois o excesso de gordura na parede das artérias atrapalha ainda mais a chegada do sangue até alguns tecidos”, explica a cirurgiã vascular Aline Lamaita. E, nesse caso, o problema não é apenas estético. “Essa má circulação pode ser extremamente perigosa, porque há riscos de desenvolvimento de insuficiência arterial periférica, infartos do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC)”, alerta. O fenômeno de Raynaud também costuma aparecer com maior frequência no frio, provocando um espasmo da artéria em reação ao frio, o que torna os pés ou mãos gelados, pálidos e com alteração de coloração. “Por isso, no frio é especialmente importante tomar alguns cuidados para melhorar a circulação, como usar roupas confortáveis e quentes, evitar peças justas que possam comprimir os músculos das pernas e cintura e consumir alimentos ricos em fibras, que auxiliam na boa digestão e controle do colesterol. É importante também realizar exercícios físicos regularmente, optar pelo consumo de alimentos com gorduras poli-insaturadas e beber muita água”, finaliza a especialista.

Editorias:
Saúde e Beleza
Compartilhe: