Grupo Diário da Região   | segunda-feira, 10 de agosto
IMG-LOGO
Home Saúde e Beleza

Melatonina: hormônio do sono é também aliado da beleza

Jessica Reis - 01/08/2020 00:23

A melatonina é conhecida como o hormônio do sono, mas você sabia que ela também pode ser uma grande aliada dos cuidados com a beleza? A molécula, antes suplementada por via oral para trazer diversos benefícios ao organismo, foi adicionada a cremes para peles e loções capilares, trazendo benefícios como: ação antirrugas e antioxidante (pele) e crescimento capilar.

O nutrólogo Ivan Togni Filho explica que a melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo nosso corpo e uma de suas funções básicas é a indução ao sono, e também a regulação do metabolismo ao longo
do dia. Ela começa a ser produzida na glândula pineal (localizada na região central do cérebro) quando o dia escurece, para ajudar o organismo a se preparar para dormir, e atinge o seu nível máximo quando estamos dormindo. Com o nascer do dia e o retorno da claridade, a glândula reduz a produção de melatonina, o que sinaliza que é o momento de acordar. “Além de regular as funções do sono, a melatonina tem ação antioxidante (previne o envelhecimento das células do corpo) e ajuda a combater inflamações do organismo.
Estudos também indicam seu benefício no tratamento de enxaqueca e controle de queda de cabelo, além de fortalecer a imunidade e atuar na prevenção de alguns tipos de câncer. A melatonina pode também
ajudar no emagrecimento. Não podemos dizer que o uso em si faz perder peso. O que acontece é que durante o sono de qualidade, o corpo regula os hormônios relacionados à saciedade (a grelina e a leptina)”, explica o nutrólogo.

Aliada do sono, a melatonina surge agora como ativo estrela em fórmulas de skincare. Usada em tratamentos tópicos como cremes, loções, soluções capilares e xampu, tendo como principal ação o antienvelhecimento da pele e do cabelo, melhorando a espessura, a densidade e crescimento dos fios, também indicada para o tratamento da dermatite seborreica, entre outras indicações, segundo Luciana Munia, especialista em dermatologia clínica e cirúrgica, cosmiatria e laser, em Rio Preto. “Na pele age
melhorando a resistência das células epidérmicas (camadas mais externas na pele) e dérmicas (localizadas abaixo da epiderme) contra os danos causadas pela radiação solar tendo um efeito fotoprotetor e
antienvelhecimento”, explica a médica.

A dermatologista Silvia Strazzi complementa e diz que a principal ação da substância na pele é como antioxidante, já que atua na reparação dos danos celulares provocados por fatores externos como,
poluição e radiação solar, além de maus hábitos como, excesso de álcool, cigarro e má alimentação, que podem acelerar o envelhecimento. “A substância também é indicada para o tratamento de melasma,
estimula a produção e inibe a degradação do colágeno, o que ajudaria a melhorar a qualidade da pele e a prevenir rugas. Além disso, estudos indicam que quando combinada com as vitaminas C e E, a melatonina tem ação fotoprotetora.” 

Ainda segundo a médica, testes clínicos comprovam o uso da melatonina para tratar a queda de cabelo comum e a alopecia androgenética. “É que a substância atua inibindo a morte de queratinócitos, células
que produzem queratina, proteína formadora de cabelo, pele e unhas. Com isso, influencia o ciclo capilar estimulando a fase de crescimento do fio e estendendo a de regressão, o que faria demorar mais para
cair. Ela atua também nos folículos capilares contra-atacando o estresse oxidativo associado à queda dos fios”, explica a dermatologista Silvia.

A boa notícia é que os cosméticos à base de melatonina já estão disponíveis nos Estados Unidos e na Europa. Por aqui, segundo Silvia, algumas marcas estão começando a lançar produtos faciais com a
substância na composição. No Brasil, a melatonina tem permissão para ser comercializada apenas em farmácias de manipulação com apresentação de receita.

Aumente a produção da sua melatonina

A melatonina é produzida naturalmente pelo organismo, mas há algumas formas de acelerar essa produção. "Alimentação saudável e prática de exercícios físicos ajudam muito a melhorar a qualidade do sono. Alimentos ricos em triptofano como, banana, castanhas, peixes, ovo e aveia auxiliam na produção da melatonina", explica o nutrólogo Ivan Togni Filho. Além disso, o médico recomenda colocar em prática a chamada higiene do sono, ou seja, uma rotina de hábitos comportamentais e ambientes na hora de dormir - ambiente confortável, silencioso e sem luz, especialmente a luz azul emitida por aparelhos eletrônicos. "O indicado é desligar todos os equipamentos eletrônicos 2 horas antes de pegar no sono. Outra dica é evitar alimentos gordurosos, açucarados e carboidratos simples no período da noite. Evite também beber água em excesso nesse período para evitar idas ao banheiro de madrugada". Segundo Togni Filho, a baixa produção de melatonina pode ser causada pela idade, exposição a fontes de luz, fatores emocionais (depressão, estresse), obesidade e alimentação pobre em nutrientes.

O uso da suplementação é cada vez mais comum. Muita gente importa a melatonina, especialmente dos Estados Unidos, já que no Brasil a substância é permitida pela Anvisa apenas em forma de medicamento manipulado. "A melatonina é um hormônio vital e quem sofre com a sua falta deve ter indicação de uso. A suplementação de melatonina não vicia e funciona muito bem, mas só deve ser feita quando indicada por um profissional. Se você usou e não funcionou, com certeza é porque a qualidade não é boa. Não é porque comprou nos Estados Unidos que quer dizer que seja um bom produto. Existem mais de 50 marcas, cada um com sua qualidade em termos de ativos. Ou porque não foi bem indicada, ou usou dose inadequada.

Além disso, para a medicação funcionar é preciso disciplina com horários certos para tomá-la e também para dormir", recomenda. O nutrólogo alerta que o uso em excesso pode causar dores de cabeça, dor no estômago, fadiga, sonolência, além de alteração na produção de alguns hormônios como a prolactina. "Converse com seu médico, ele é quem vai indicar e orientar sobre o uso. Lembre-se, tomar melatonina por conta própria é contraindicado."

Editorias:
Saúde e Beleza
Compartilhe: