IMG-LOGO
Home Carreira

Irmãos trabalho: a receita de sucesso da família Muffato

Com carteira assinada desde os 11 anos de idade, Ederson Muffato conheceu muito novo os rigores e as bênçãos do trabalho. Ele e os irmãos, Everton e Eduardo, nasceram e foram criados dentro de um supermercado. Seus amigos de infância e adolescência também tinham carteira assinada: eram os funcionários das lojas do pai do trio, José Carlos Muffato, próspero empresário paranaense conhecido como Tito. Tito educou os filhos conforme aprendeu com sua família, gente humilde da zona rural de Guarapuava. Com trabalho e sacrifício ele começou com um pequeno armazém com os irmãos em Cascavel ainda nos anos 70. O negócio cresceu no final da década de 70 e durante os anos 80 com os ares de desenvolvimento e progresso vindos com a construção da usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu. Houve divisões e Tito seguiu carreira solo. Fundou o Supermercado Muffato e ensinou os filhos a trabalhar. De empacotador, açougueiro a repositor. Tito fez os meninos trabalharem em todos os setores. Os irmãos não tinham mesada, tinham salário. O desempenho deles precisava ser melhor que o dos demais funcionários. Trabalhar sempre, estudar e ter foco, muito foco. Cuidar da empresa como um relicário sagrado. Ederson e seus irmãos foram criados assim. Quando alguém questionava a razão de Tito colocar os filhos na lida tão cedo, ele dizia: "eles vão precisar disso amanhã". O amanhã chegou logo e realmente eles precisaram. Quando Ederson tinha 18 anos, Everton,16 e Eduardo, 13, o pai faleceu em um acidente de avião, aos 41 anos deixando um grupo empresarial com nove supermercados e 900 empregados. Forjados no trabalho e na disciplina, os jovens assumiram o comando das empresas. A mãe Reni os auxiliou como conselheira, função que ainda ocupa. Não houve pânico. Eles estavam talhados, preparados, conforme previu o pai. Os meninos não decepcionaram. Fizeram bonito. Março passado completou-se 24 anos da morte de Tito. Com os irmãos no comando, o Grupo Muffato é hoje o quinto maior do setor no país, com 63 lojas entre varejo (Super Muffato) e atacarejo (Max Atacadista) em 22 cidades, quatro Centros de Distribuição e sete postos de combustíveis. Tem ainda dois sites de comércio eletrônico (Shopfato e Super Muffato), dois shoppings (Total em Ponta Grossa e Parque Shopping em Presidente Prudente), além da TV e Rádio Tarobá. Com a palavra, Ederson Muffato, o mais velho dos três trabalhadores, sucessores de Tito.

V&A - Do armazém de secos e molhados do Tito ao atual grupo empresarial com atuais 15 mil colaboradores (16 até final deste ano), defina a receita do sucesso do Irmãos Muffato.
Ederson Muffato - Nós servimos as empresas e não as empresas servem aos sócios. A empresa está num altar, ela é intocável, ela vem em primeiro lugar. Seguimos com a filosofia do meu pai que sempre foi muito clara: trabalho, família, foco, retidão e seriedade no trato com todos. Esse foi o jeito do meu pai, é o nosso jeito. Quando assumimos, após a morte do meu pai, eu e meus irmãos pegamos uma empresa pequena, mas estruturada, com nome íntegro, com idoneidade e uma equipe afinada com os valores dele. Essa filosofia permanece muito forte. E buscamos o mesmo nos colaboradores, principalmente nos de nível gerencial, que tenham retidão, caráter. Essa cultura é muito forte em nós.

V&A - Do Paraná para o interior de São Paulo. O que atraiu o Grupo Muffato para Rio Preto e região?
Ederson Muffato - Rio Preto sempre nos atraiu. A gente vê futuro, oportunidades e espaço para crescer. Chegamos em 2015 com o Super Muffato da JK e o Max Atacadista da avenida Potirendaba. O primeiro ano foi de aprendizado e adaptações. Depois veio o Max do final da avenida Philadelpho. Em 2017 abrimos o nosso centro de Distribuição em Mirassol. Hoje Rio Preto é uma das cidades polo do Grupo. Toda a nossa operação no interior de São Paulo é baseada em Rio Preto. Chegar a Rio Preto foi um grande passo, igual a quando chegamos a Londrina, a maior cidade do interior do Paraná. Foi um marco no nosso desenvolvimento. Eu e meus irmãos Everton e Eduardo gostamos muito de Rio Preto, é cidade excelente para algum de nós morar.

V&A - A pandemia acontece num momento de grande expansão do Grupo Muffato. Mudou alguma coisa na execução do planejamento de 2020?
Ederson Muffato - Mesmo preocupados com as consequências da crise, a ideia é manter os investimentos. Porém teremos alguns atrasos no andamento. Em Cambé, região metropolitana de Londrina, estamos investindo numa indústria de processamento de carne e fatiamentos de frios, com tecnologia de última geração para enviar os produtos embalados para as lojas. Para a região de Rio Preto, vamos dobrar nossa operação com quatro novos investimentos só neste ano. Em Votuporanga inauguramos um Super Muffato no dia 24 de março passado, e apesar das limitações da estreia no começo da quarentena, estamos indo muito bem. Em Catanduva inauguramos em maio um Max Atacadista e ainda este ano vamos lançar um Super Muffato. Em Rio Preto a novidade é que compramos o terreno onde ficava o pátio da Encalso, ao lado da antena da TV Tem (afiliada Globo). Ali vamos erguer (previsão para o último trimestre) o Muffato Damha. O projeto será idêntico ao da nossa loja mais moderna, a do bairro de Santa Felicidade em Curitiba, inaugurada no final de abril. O Super Muffato Santa Felicidade tem o maior aporte tecnológico do Brasil em uma loja física. Tem sistemas de auto-caixa e auto-caixa dinâmico (em que o cliente tem autonomia na hora do pagamento), shop & go (modalidade de compra em loja física com uso do celular, sem intermediação de caixa), delivery e click and collect (onde o cliente compra online ou pelo aplicativo da rede e recebe os produtos em casa ou retira na loja). O Muffato do Damha será igual.

V&A - Você acredita que teremos um novo consumidor pós-pandemia? O consumo será mais virtual que presencial? O Grupo Muffato deve acelerar o incremento de suas plataformas de e-commerce?
Ederson Muffato - Sim. Do começo da pandemia para cá houve um crescimento de 500 por cento no nosso e-commerce. Isso significa dizer que nesse tempo de distanciamento social nosso negócio de e-commerce cresceu cinco vezes. O fato é que as relações pessoais e as de consumo não serão mais iguais. Está sendo visível na pandemia que a frequência ao supermercado diminuiu. O consumidor está indo menos vezes e comprando mais quando vai. O novo coronavírus acelerou em muito o nosso plano de crescimento para o e-commerce. Situações que a gente estimava acontecer daqui a quatro ou cinco anos, estão acontecendo agora. O fato é que tivemos que reinventar nosso e-commerce nos primeiros 45 dias da pandemia. Aumentamos a equipe, turno noturno, adquirimos sistema novo, mais equipamentos e fortalecemos a entrega. Nos primeiros 10 dias da quarentena não conseguimos atender plenamente. Hoje, mesmo com a demanda cinco vezes maior, já estamos com o fluxo normalizado. Apesar de acreditar que o e-commerce continuará a crescer, também acreditamos muito fortemente na loja física. O varejo da alimentação ainda vai continuar no físico. É da origem do ser humano olhar o alimento, escolher, tocar a fruta, sentir a folhagem, ver a carne, etc. Nosso caminho será a fusão do on com o off. Não seremos só comércio físico e também não seremos só o eletrônico. Nosso caminho será o das soluções omnichannel, disponibilizando experiências e opções de canais (on e off-line) integradas aos consumidores. Temos hoje mais de 50 pessoas trabalhando 24 horas só no desenvolvimento de novas tecnologias. Nosso know-how é forte neste segmento. No Paraná fomos a primeira a implantar o e-commerce, ainda em 2002. Fomos também a primeira empresa do Brasil a implantar o auto-caixa, em 2012. Rio Preto vai perceber muito mais essa nossa veia tecnológica com a loja do Super Muffato do Damha.

V&A - O Max Atacadista de Rio Preto possui uma usina solar que gera energia para abastecer 650 casas ao ano. Quais os resultados que o Grupo Muffato alcança com investimentos em sustentabilidade?
Ederson Muffato - O retorno da usina do Max de Rio Preto estava estimado em seis anos, mas acreditamos que entre três a quatro anos o investimento será pago. O retorno é muito bom. Essa veia sustentável do Grupo Muffato é muito forte, todo ano investimos em energia solar. No Super Muffato Damha também haverá uma usina solar.

V&A - Uma palavra para o empresário brasileiro neste momento de incertezas.
Ederson Muffato - O empresário brasileiro é otimista por natureza. Vamos passar por momentos difíceis com angústias para todos: pequeno, médio e o grande empresário. Mas a palavra que eu deixo é que tenham perseverança e sejam ainda mais otimistas. Importante também que blindem, resguardem o caixa de suas empresas e preservem os empregos. Se todo mundo demitir, a retomada da economia vai ser bem mais difícil.

 

Editorias:
Carreira
Compartilhe: