Grupo Diário da Região   | sexta-feira, 20 de novembro
IMG-LOGO
Home Gastronomia

Claude Troisgros, o chef francês com alma brasileira

Jessica Reis - 07/11/2020 00:24

Com sotaque francês, Claude Troisgros é um daqueles chefs de cozinha que cativam a quem o vê pelos programas de tevê. Ele diz que tem alma brasileira. "Meu pai brincava falando que tinha nascido no País errado", afirma. Em seu livro 'Claude Troisgros: histórias, dicas e receitas' (Sextante, 2017), ele conta que nasceu em uma família que mudou a tradição da culinária francesa. Tudo começou com o avô em 1930 com a compra de um hotel que foi rebatizado em 1957 de Les Frères Troisgros, assim nasceu o restaurante da família que existe até hoje, em Roanne, na França.

Com uma família de sucesso, a sua história não poderia ser diferente. Claude está há 40 anos no Brasil, desde então ganhou os brasileiros no paladar e no carisma. Com restaurantes no Rio de Janeiro, um deles comandado pelo filho Thomas, além do recém-inaugurado Do Batista, que atende só por delivery, e o mais recente, Chez Claude, em São Paulo. O chef também é muito conhecido nas telinhas brasileiras onde comanda os programas Que Marravilha, no GNT e o reality Mestre do Sabor, na rede Globo, ao lado de Batista.

Aliás, essa parceria com João Batista Barbosa de Souza, o Batista, surgiu há 38 anos. A história é contada em um capítulo do seu livro. "Hoje somos irmãos, temos várias histórias para contar, pois passamos por muita coisa juntos - muitas dificuldades e muitas alegrias", afirma na obra.

Em entrevista à Vida&Arte, Claude conta um pouco sobre sua trajetória na gastronomia e como foi manter os restaurantes durante a pandemia. Conheça um pouco mais sobre a história desse chef francês com alma brasileira!

V&A - Claude você acaba de inaugurar um restaurante em São Paulo, o Chez Claude. Como está sendo esse retorno para a capital paulista?

Claude Troisgros - Eu tive uma experiência muito boa com o Restaurante Roanne em SP há 26 anos atrás. Eu vendi o restaurante para o chef Emmanuel Bassoleil porque tive uma proposta de abrir o restaurante CT em NYC. Quando voltei para o Brasil por questão de qualidade de vida decidi manter todos os meus restaurantes só no Rio. E agora com a parceria de um sócio paulista que cuida de toda a parte administrativa - financeira, achei que era hora de voltar para São Paulo. No restaurante eu coloco em prática minha cozinha autoral valorizando os produtores da região.

V&A - A inauguração precisou ser adiada por conta da pandemia?

Claude Troisgros - A gente estava com o restaurante praticamente pronto quando a pandemia chegou. Foram quase 6 meses de espera para abrir com segurança seguindo todos os protocolos necessários para a saúde de nossos clientes e funcionários.

V&A - Você mantém outros restaurantes no Rio com sua família. Quais são eles?

Claude Troisgros - No Rio tem o Chez Claude, inaugurado em 2017, o Le Blond inaugurado em 2018, a Ct Boucherie inaugurada em 2010 e a CT Brasserie inaugurada em 2013 e o Olympe, nossa casa mais gastronômica, pilotada por meu filho Thomas. Durante a pandemia inauguramos o Do Batista, que atende só por delivery, com 4 pontos de entrega, inclusive 1 em São Paulo. Agora em novembro vamos inaugurar o primeiro ponto físico do Batista no Rio.

V&A - Como foi manter os restaurantes durante a pandemia? Todos já foram reabertos?

Claude Troisgros - Em julho reabrimos todos exceto o Olympe. Intensificamos o serviço de delivery e ajustamos nossas cozinhas e equipes para isso durante a pandemia.

V&A - É muito bacana acompanhar pelos programas de TV a sua relação com o Batista. Há quanto tempo trabalham juntos?

Claude Troisgros - O Batista trabalha comigo há 38 anos. Hoje somos como irmãos. Uma parceria que vai além do dia a dia na cozinha.

V&A - Aliás, os seus programas na TV são sucesso. O Mestre do Sabor já tem terceira temporada garantida?

Claude Troisgros - Sim, a terceira temporada de 2021 do Mestre do Sabor está confirmada e acabamos de estrear no GNT o Que Marravilha Delivery, em que eu e Batista cozinhamos inspirados pela memória afetiva dos participantes. E eu levo de moto o delivery para o personagem. Passa toda quinta-feira às 22h.

V&A - Você sentiu alguma mudança ao apresentar um programa na TV aberta?

Claude Troisgros - O primeiro dia no estúdio foi impactante. Estava acostumado a gravar num estúdio pequeno com uma equipe reduzida e no Mestre do Sabor tudo é grande. Fazer um reality com plateia é bem diferente. Aprendi muito nessas duas temporadas trabalhando com o Boninho e sua equipe.

V&A - Claude o que a gastronomia representa para você?

Claude Troisgros - Cozinhar é uma arte que leva felicidade para as outras pessoas. Ela é generosa, gera amor, paixão e emoção.

V&A - E como é viver no Brasil? Desde quando está aqui?

Claude Troisgros - Eu tenho mais tempo de Brasil do que na França. Cheguei aqui há 40 anos. Meu pai brincava falando que tinha nascido no País errado... Tenho alma brasileira. Aqui é minha casa. Morro de saudade do arroz com feijão quando viajo.

V&A - Tem novidades vindo por aí? Algum projeto para os próximos meses?

Claude Troisgros - Em novembro vou inaugurar com o Batista o primeiro restaurante da gente juntos. Um sonho antigo. Será no Taste Lab, no Norte Shopping aqui no Rio.

 

Editorias:
Gastronomia
Compartilhe: