Grupo Diário da Região   | quarta-feira, 23 de dezembro
IMG-LOGO
Home Família

Em Natal intimista, famílias optam por pequenas celebrações em casa

Estadão Conteúdo - 23/12/2020 18:38
"Foi uma decisão de abrir mão de estarmos fisicamente juntos neste Natal para garantir que a gente tenha todos os outros", resume a professora Solange, que hospedava a festa do dia 24 de dezembro da família Rodrigues há 21 anos, mas teve sua tradição cancelada em razão da pandemia. Assim como eles, diversas famílias tiveram de mudar de planos quanto às festas de fim de ano para garantir a segurança dos seus integrantes.
Com o aumento de casos e óbitos relacionados à covid-19, as celebrações natalinas se tornaram uma preocupação em todo o mundo. No Estado de São Paulo, o Centro de Contingência de Combate à Covid-19 orientou que a população se reúna em grupos de no máximo dez pessoas nos eventos familiares de fim de ano. O coordenador do grupo, José Medina, aconselhou que os encontros tenham curta duração, de até uma hora, e que os mais velhos sejam protegidos.
Para ajudar, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançou uma planilha com orientações para as festividades. Segundo o documento, a maneira mais segura de celebrar o Natal e o réveillon é ficando em casa com os familiares que já moram juntos.
É isso que a família Rodrigues vai fazer. "Mesmo todo mundo estando em home office, a gente vê que a transmissão se dá ao acaso, numa visita despretensiosa. Então foi uma decisão muito difícil, mas por amor", conta Solange, que recebia de 35 a 38 pessoas em sua casa todo dia 24 e, este ano, irá passar a data somente ao lado do marido, dos filhos e da sogra. "Quando todo mundo for vacinado, a gente faz um Natal fora de época", brinca.
Luiza Rodrigues do Carmo, estudante e sobrinha de Solange, gosta tanto da data que passava em dose dupla: uma com a tia e outra, no dia 25, na casa da avó paterna - com direito a mais peru e amigo-secreto. "Sempre foi uma festança", diz ela, que neste ano vai passar com os dois irmãos e os pais em sua casa. "Quando tomaram essa decisão de não se reunir, eu fiquei muito chateada, porque não tenho um contato diário com os meus primos, os vejo poucas vezes ao ano e o Natal é uma dessas. Mas com o tempo, e pensando sobre o assunto, hoje eu consigo enxergar isso com outros olhos."
Novas tradições
Tios, primos e irmãos reunidos, amigo-secreto, mesa farta e as debochadas piadas do pavê. No Brasil, o Natal é isso e muito mais. Mas em tempos de pandemia, a festa diminui de tamanho e se transporta para o digital. "Vamos fazer videochamada com todo mundo para pelo menos ter um pouco de contato do jeito que dá", conta Luiza.
Nunca houve um melhor momento para definir o seu cardápio e trilha sonora de Natal, e talvez até mesmo estabelecer uma nova tradição a longo prazo. Luiza, por exemplo, já decidiu a dela. "Ano passado quando eu concluí o vestibular, a gente criou o hábito de assistir a filmes de Natal. Então este ano tentaremos seguir essa tradição e incluir meus pais nela", diz ela, que só hoje consegue ver as partes boas do isolamento. "Este foi o ano que eu passei mais perto dos meus irmãos e dos meus pais e, ao mesmo tempo que foi difícil no começo, de lidar com as diferenças e tudo mais, foi também uma oportunidade de a gente ver com outros olhos as mesmas pessoas."
A boa convivência entre as amigas Amanda Salbego, de 28 anos, e Juliana Moreira, de 27, foi uma das razões para partilharem o Natal. "A gente mora juntas desde fevereiro e conseguiu viver até agora sem grandes brigas", brinca Amanda. Por causa do novo coronavírus, ela decidiu celebrar a data em São Paulo com a amiga e companheira de apartamento em vez de visitar sua família, em Porto Alegre. "A opção era ficar quase duas horas no avião ou ir de ônibus com 20 horas de viagem. Então o risco é grande."
Enquanto os pais de Juliana se conformaram bem com a situação, os de Amanda não aceitaram de primeira. "A minha mãe ficou um pouco brava. Ela demorou para aceitar. Já os meus avós ficaram tristes, mas foram até mais compreensivos do que eu achei que seriam", conta Amanda. "No meu caso, meu pai, minha mãe e eu somos do grupo de risco, então quando eu levantei a hipótese de não passar o Natal com eles, e visitar só quando tudo estiver mais tranquilo, nenhum dos dois ficou triste. Os dois logo concordaram", diz Juliana.
Convivendo desde março isoladas, as amigas organizaram uma rotina fixa. "A gente já tem o nosso programa, que é ficar vendo vídeos no YouTube ou seriados, e acho que (o Natal) não vai ser nada além disso", explica Juliana. Apenas uma coisa irá mudar neste ano: "Vamos nos vestir melhor". Para a ceia, o mais importante para a dupla é a farofa e sobremesa. "A ceia sempre foi algo que a família decidia, e agora a gente está tendo que realmente entender como faz e cozinhar algo reduzido, só para duas pessoas", conta Amanda.
Do outro lado do oceano. Do outro lado do mundo, a ceia é o que anima o quarteto de brasileiros que está vivendo na Holanda durante um estágio. "Eu estou animada. É a primeira vez que passo o Natal longe da minha família e já estamos pensando em vários tipos de comida que podemos fazer", conta Beatriz Maciel de Carvalho, de 21 anos, que vive junto com os amigos Juliana, Gabriel e Luan. "Não era nosso plano inicial, queríamos estar viajando, mas já aceitamos a ideia e iremos fazer algo legal. Vai ter até amigo-secreto."
Aqui no Brasil, a mãe, Márcia, ficou apreensiva. "Quando ela saiu eu já sabia que o retorno dela seria só em 2021. Mas, naquela época, a gente ainda não estava vivendo esse drama do coronavírus. Com o decorrer do tempo veio um turbilhão de emoções", conta ela, que admite sentir um misto de emoções entre apreensão e saudade. "Ela vai estar com a gente em chamada de vídeo, mas meus outros dois filhos vão estar aqui me acariciando", diz.
Desde março, diferentes medidas foram utilizadas pelos países para evitar a propagação do novo coronavírus. Em grande parte, o isolamento social e o home office só foram viáveis com ajuda da tecnologia. E é graças a ela que a jornalista Maria Elisa Almeida, de 34 anos, que mora em Berlim, vai matar a saudade da família. "Estou desde 2019 sem ver meus pais", conta. A passagem para a viagem já estava comprada, mas acabou sendo cancelada e trocada por um voucher. "Essa situação está pesando. Tenho saudade dos meus pais, do Brasil, apreensão pela saúde deles.
Então eu realmente queria muito poder ter ido", lamenta.
"A sensação é de muita impotência diante do que estamos vivendo. Mas somos uma família muito realista e sabemos que não é pra gente viajar e se expor dessa maneira, então estamos ao máximo procurando obedecer às regras e se conformando com essa situação, porque está fora do nosso domínio", conta a mãe, Ana Amélia, que passará a data em Vitória, no Espírito Santo, ao lado do filho, João Marcelo, e do marido. Já Maria irá passar a data com o namorado, na casa dos sogros. "É o primeiro ano que eu passo com eles, seremos somente quatro pessoas", conta ela, enquanto relembra anos passados da festa. "Eu moro aqui desde 2012 e gosto muito das feirinhas que vendem produtos especiais para a época natalina, de tomar Glühwein (tipo de vinho quente) na rua. Mas este ano cancelaram tudo", lamenta.
Nova perspectiva. Em terras brasileiras, na cidade de Salvador, o casal Brenda Luana e Camila Ramos também decidiu passar a festa junto. "A magia do Natal é a união e ela é a minha família", expõe Brenda, que sempre passou a data com a família, no interior da Bahia, mas desta vez decidiu passar com a namorada, que ficaria sozinha. "Tanto pela pandemia quanto por ela."
Assim, a data ganhou outro significado para Brenda. "Eu não gosto muito de Natal porque a minha família mora em Minas Gerais e eu nunca consigo ir lá para vê-los. Quase todo ano eu passo sozinha", conta ela. Para a festa deste ano, no entanto, ela já enfeitou a casa e está pensando em uma "miniceia" para comemorar. "Este ano estou gostando um pouco mais", explica.
Apesar de a vacina estar cada vez mais próxima, o Natal em 2020 teve de ser adaptado na casa de muitas famílias. "A vida é um eterno esperar. E agora só nos resta esperar que a vacina chegue, que as pessoas entendam.... um esperar com esperança", coloca Solange.
Cuidados
A Organização Mundial da Saúde recomendou que as festas familiares sejam suspensas em 2020. O recomendado é mesmo manter a festa dentro do seu próprio núcleo familiar. No entanto, caso você vá visitar alguém que não mora com você, melhor seguir alguns protocolos:
Máscara: Fique com ela o tempo todo e só tire à mesa. O ideal é o anfitrião reservar um pratinho na mesa para colocá-las. Mas vá prevenido: leve o seu recipiente para depositá-la e uma máscara extra para colocar imediatamente após a refeição.
Contato: Mantenha o distanciamento - nada de abraços na chegada ou na saída. Na hora de comer ou beber é preciso redobrar os cuidados. O ideal é deixar as janelas bem abertas ou fazer a reunião do lado externo. Seja breve: o encontro não deve durar mais que uma hora.
Cuidados: Os copos devem ser identificados. Nada de compartilhar salgadinhos, petiscos ou sobremesas.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 
Editorias:
Família
Compartilhe: