IMG-LOGO
Home Comportamento

Verdades e mentiras: Deixe de lado as pessoas especializadas na arte de enganar

Alexandre Caprio - 09/01/2021 00:25

Prezada equipe da Revista Vida & Arte. Venho pedir a ajuda de vocês para tomar uma decisão complicada. Estou namorando há um ano e três meses. Nunca peguei uma traição, mas meu namorado é cheio de mentirinhas, que eu vou descobrindo com o passar do tempo. Quando começamos, ele me contou uma versão do passado dele que era bem diferente da versão que já tenho agora. É sempre do mesmo jeito.
Um amigo deu uma escorregada sobre usarem drogas juntos uma vez. Daí ele admitiu que foi só daquela vez e mais nada. Em outra situação fiquei sabendo que o motivo dele ter sido mandado embora de um trabalho foi bem diferente da ‘injustiça’ que ele me contou ter sofrido. Pelo que descobri ele teve sorte por não ter levado uma ‘justa causa’. Agora, acabei me aproximando de uma irmã dele (ele nunca quis que eu conversasse muito com os pais e os irmãos alegando que eles causam intrigas) e descobri que ele tem um filho de 6 anos. Sempre que descubro alguma coisa e coloco na mesa, ele inverte a situação para mim. Diz que só omite o passado dele porque eu sou neurótica e posso jogar a relação fora por causa de besteira.
Não são coisas sérias, mas eu perdi a confiança e estou ficando doida, pegando o celular dele de madrugada sempre que posso pra ver se encontro mais alguma coisa. É exagero da minha parte pensar em terminar por
causa disso?

Você acha mesmo que não é sério o sujeito esconder de você por mais de um ano que tem um filho? Você negaria um filho seu para manter um relacionamento? Acha que ter usado drogas não interfere na relação de vocês? O êxtase e a cocaína, por exemplo, alteram o nosso código genético podendo gerar desenvolvimento de tumores e má formação fetal, caso vocês decidam ter um filho. Não seria importante saber disso antes de tomar uma decisão como essa? Acha que é uma atitude inofensiva impedir que você
converse com pessoas que podem te dizer quem realmente ele é? Os mentirosos são especializados na arte de enganar e responsabilizar o enganado. Quase sempre é assim. A pessoa mentiu e omitiu descaradamente porque você obrigou ela a fazer isso sendo neurótica. Coitadinho dele, não é? É você quem o força a ser uma pessoa pior. Já ouvi a mesma desculpa em relação à traição. Certa vez, uma moça entrou em
um episódio grave de depressão que evoluiu para transtorno e durou cerca de dez meses. Nesse meio tempo perdeu o interesse sexual. Mais tarde descobriu que o namorado estava saindo com outra mulher e, quando o pressionou, teve que ouvir que ele só fez isso para respeitar o desejo dela de não ir pra cama. Outro fato curioso e recorrente sobre mentirosos é que, quando você descobre alguma coisa, ele nega de forma convicta até você provar. Se você o deixa sem saída esfregando a evidência na cara dele, passa
a admitir apenas aquilo que você descobriu e mais nada. Exemplo clássico: você descobre uma traição. Mesmo que ele esteja te traindo por uma década com várias mulheres, ele irá admitir apenas aquela vez que você descobriu. 

Como já disse aqui nessa coluna, são pessoas que não se arrependem do que fizeram. Se arrependem de terem sido pegas. Então transferem a responsabilidade da mentira para você, dizem que foi por amor. É
impressionante a quantidade de pessoas que ainda acredita nisso hoje em dia. A verdade é que ele mente apenas para se beneficiar. Se uma pessoa mente para ter ganho pessoal no relacionamento, mente para ter ganho pessoal na empresa e mente em relação à própria família para continuar escondendo coisas de você, então seu relacionamento é uma grande mentira. Foi ele quem quebrou, de várias maneiras diferentes, o laço da confiança, mas é você quem sofre as consequências. Começa a ficar ansiosa e a monitorá-lo dia e noite para, depois, ainda levar o rótulo de neurótica. Ele desequilibra você e depois te chama de  desequilibrada. Desperta suas inseguranças, sua ansiedade e faz você se afastar de tudo aquilo que gostaria
de ser e de ter em um relacionamento. Uma frase atribuída a Buda poderia resumir tudo o que dissemos aqui: “uma mentira pode salvar o seu presente, mas condena o seu futuro”. Enquanto você tiver que lidar com essas ‘pequenas’ mentiras, terá que abrir mão de uma vida verdadeira. Ainda é melhor construir e reconstruir nossa realidade do que se deixar entorpecer pela ilusão.

Envie suas dúvidas sobre relacionamento para o Psicólogo cognitivo-comportamental
Alexandre Caprio: [email protected]

Editorias:
Comportamento
Compartilhe: