IMG-LOGO
Home Comportamento

Quem mexeu no meu queijo?

Alexandre Caprio - 05/09/2020 00:25

Olá pessoal da revista Vida&Arte. Me chamo A. F. G. e tenho 30 anos. Há duas semanas eu peguei meu namorado com outra. E, pra piorar, a tal ‘outra’ é a minha melhor amiga, para quem eu conto tudo e em quem eu confiava totalmente. Recebi uma mensagem de um colega avisando que se eu fosse até o local que ele estava indicando, encontraria o carro do meu namorado com os dois dentro. Deu tempo de chegar lá e foi dito e feito. Quando eles me viram, eu estava bem do lado da janela dela e não deu pra esconder o que estavam aprontando. Daí eu surtei, comecei a berrar, chutei o carro dele inteiro e tentei pegar ela pelos cabelos, mas ele me segurou. Ela sumiu e até agora não respondeu todos os desaforos que eu falei pelo What'sApp. E ele fica pedindo desculpas, dizendo que foi só dessa vez, que eu sou o amor da vida dele e que parte da culpa é minha por ter aproximado tanto os dois. Eu gosto muito dele e comecei a achar mesmo que minha amiga se aproveitou da condição dele de homem. Estou indo pelo caminho certo?

Extraordinário. Nem sei por onde começar. Sabe esse ‘caminho’ que você acha que é o certo? Leva direto para o brejo. Se gostar de lá, pode continuar que você será muito feliz. Em primeiro lugar eu fiquei com muita vontade de saber a marca do carro do cara e a explicação que ele deve ter dado lá na funilaria para o pessoal. Em segundo, queria entender melhor esse lance das mulheres brigarem puxando os cabelos umas das outras. Uma moça me disse, uma vez, que é para não escapar na hora da confusão. Em terceiro... ‘condição dele de homem’? Mas vamos com calma. Essa eu quero deixar para o final.
Realmente queria ter mais detalhes sobre essa história. Por exemplo, quanto tempo faz que vocês são (ou eram) amigas? Nós temos que selecionar com mais atenção as pessoas para quem abrimos nossa intimidade porque não é difícil encontrarmos alguém que pareça nos admirar mas, na verdade, está nos invejando. Como já disse uma vez aqui na revista, a pessoa que admira é aquela que se vê capaz de desenvolver resultados parecidos com os seus. Já a pessoa invejosa é aquela que não se vê capaz, então ela passa a querer para ela tudo aquilo que é seu. Basicamente, se ela pudesse, ela tomaria o seu lugar. Quando você fala bem do seu trabalho para uma pessoa como essa, ela passa a querer o seu emprego. Quando você fala coisas boas sobre seus relacionamentos afetivos, ela passa a desejar os seus relacionamentos afetivos. Se ela consegue uma brecha e ocupa o seu lugar, mesmo por um breve momento, ela se sente tão boa ou melhor que você. Esse é o único alívio das pessoas que vivem à sombra das outras. Mas não fique tão animada com o que escrevi até agora porque se você quer criar um mundo de faz-de-conta, onde esse cara é um anjo inocente atacado por uma invejosa sorrateira, não será com a minha ajuda. Condição de homem? Você acha mesmo que existe uma condição no homem que justifique o rompimento da palavra, da parceria e do caráter? Que isso isentaria os homens das responsabilidades que eles assumem com uma namorada, uma família ou até mesmo um trabalho? Porque se você realmente pensa assim, então você está com o cara certo. São sujeitos que seguem sempre o mesmo padrão. Mentem, traem o quanto podem e assumem apenas aquilo em que são pegos. Daí falam de amor e responsabilizam a vítima. Essa não é a condição dele. É uma condição que você está criando para que ele possa continuar te enganando e te maltratando livremente. É estranho você ter um rato de estimação morando dentro do seu queijo e ficar tão indignada com o outro que entrou na despensa. Gênero e orientação sexual nenhuma definem caráter. Ter pesos e medidas diferentes para absolver esse e condenar aquele, nos faz ter uma visão distorcida da realidade. E quando desprezamos a realidade, cedo ou tarde acabamos atropelados por ela. Procure rever esses conceitos e sua companhia... ou em breve terá que abrir uma funilaria.

Envie suas dúvidas sobre relacionamento para o Psicólogo Cognitivo-comportamental Alexandre Caprio: [email protected]

Editorias:
Comportamento
Compartilhe: