IMG-LOGO
Home Casa

Inspirações para a decoração do quarto compartilhado

Francine Moreno - 01/08/2020 00:15

Você tem dois filhos e está em busca de inspiração para a decoração do quarto compartilhado? Ou então, já tem uma criança e está esperando mais uma? Esta reportagem é para você. A mudança para uma nova casa com poucos quartos ou a chegada de uma nova criança traz várias alterações na família, inclusive uma transformação dos espaços físicos e esta tarefa pode ser fácil, sim. As soluções encontradas são as mais diversas, que incluem, por exemplos, divisões espaciais para delimitar o espaço de cada um e até mobiliários de cores diferentes.

O arquiteto Cristian Lisboa, da Lisboa & Pedrassa Arquitetura, afirma que alguns truques na marcenaria podem ajudar a criar um espaço agradável para as crianças, mas o planejamento deste espaço será fundamental. "Ressalto a importância do arquiteto, pois, além das questões estéticas e organizacionais, os aspectos funcionais e técnicos como, por exemplo, definição do layout, adoção de princípios ergonômicos, de conforto térmico/acústico e de iluminação, não podem ser esquecidos."

O quarto compartilhado entre um menino e uma menina podem ganhar cores e decorações unissex, e ainda imprimir a identidade deles no ambiente. Lisboa afirma que a identidade é importante para que as crianças tenham um sentimento de pertencimento à aquele espaço. "Uma das alternativas é adotar peças de mobiliário e acessórios que permitam a organização e coesão do espaço, assim como a utilização de cores neutras. Se desejarem um pouco de cor, busquem uma paleta que ambos concordem, ou mesmo a utilização das roupas de cama nas cores ou com os personagens favoritos."

O quarto, que serve para descansar, pode ainda ter espaço de brincar do irmão menor e fazer o dever de casa do maior. Cristian Lisboa afirma, no entanto, diz que é preciso pensar nos hábitos que tendem a mudar conforme as crianças vão crescendo. "O cuidado com o layout deve ser levado em conta e dentre as estratégias podemos citar, a adoção de beliches, pois, além de garantir uma área particular para cada um deles, libera espaço no quarto para adoção de outras soluções, que vão desde a instalação de painéis deslizantes ou até mesmo a utilização de armários, estantes ou nichos. Acredito que o principal ponto é buscar a flexibilidade, pois as crianças vão crescer e mudanças sempre serão bem-vindas ou necessárias."

A arquiteta Erika Mello, do escritório Andrade & Mello Arquitetura, afirma que, na infância, quando tudo ainda é novidade, a concepção do quartinho do bebê e da criança é pautada dentro de um universo de atividades e descobertas. "Por isso, é tão essencial que ele possibilite experiências diversas e promova independência, fatores que colaboram para que nosso morador mirim goste do lugar e se divirta nele", revela a arquiteta.  

Erika afirma que o quarto de duas meninas, por exemplo, pode esbanjar suavidade e alegria. Para uma menina mais velha, de 3 anos, a cama com pegada montessoriana promove independência, pois pode brincar sem limites e com muita segurança. Para a bebê, a cama baixa e o restante dos móveis sob medida dão conta do recado. A marcenaria conduz toda concepção e o tom claro da madeira pode atuar como pano de fundo para a combinação atemporal de rosa e azul.

Para quem tem mais espaço disponível em casa, uma ideia bacana é criar um cantinho em que a criança tenha liberdade para brincar e organizar os brinquedos. Além de ajudar na autonomia dos pequenos, investir em um espaço lúdico, desperta o interesse e a criatividade deles.

 

Editorias:
Casa
Compartilhe: