IMG-LOGO
Home VidaeArte

Especialistas em reprodução assistida orientam sobre gravidez e Covid-19

Núcleo Digital - 03/05/2020 00:00

Estava me preparando para iniciar um tratamento para engravidar e me deparei com o COVID 19. E agora? Posso dar continuidade? Existem riscos para mim ou para o bebê caso eu engravide? Estou em uma idade que não posso esperar mais. Devo fazer a Fertilização ‘in vitro’ de qualquer jeito? Essas foram algumas das muitas dúvidas que surgiram no início de março, quando a pandemia de Coronavírus teve início no Brasil. A princípio, até os próprios serviços de reprodução humana não tinham como acalmar as pacientes com certezas, mesmo porque se trata de um cenário totalmente novo para o mundo todo.

Passado mais de um mês, sociedades médicas foram tendo acesso à estudos, pesquisas começaram a ser realizadas e um ‘novo caminho’ com estratégias começou a ser tratado. A palavra de ordem do momento é bom senso. Até o momento, não há evidências a respeito das repercussões do COVID-19 sobre a gestação inicial e nem sobre a presença do vírus nos gametas masculinos e femininos. Porém, as principais sociedades de reprodução humana do mundo (SBRA, SBRH, ESHRE, ASRM e REDLARA) e seus médicos se uniram para encontrar a melhor solução. Em entrevista para a Revista Vida & Arte, os diretores do Centro de Reprodução Humana de Rio Preto, o especialista em infertilidade Edilberto de Araújo Filho e a embriologista clínica Lígia Previato, falaram sobre o assunto. Além de serem associados da SBRA, o Dr.Edilberto também é vice-presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida.

- Posso fazer meu tratamento normalmente neste período?

Até o momento, segundo a literatura médica, não se identificou o comprometimento de óvulos, espermatozoides e embriões pelo Covid-19. Discussões sobre o assunto levantaram a possibilidade de paralisar os tratamentos, porém, sem evidências de riscos de contágio, chegaram ao consenso de que nem todos casos podem esperar, como pacientes oncológicos (criopreservação de gametas para preservação da fertilidade) ou situações em que adiar o tratamento irá refletir em prejuízo reprodutivo para a paciente, devido à baixa reserva ovariana. Então cada caso deve ser avaliado individualmente, entre médico e paciente.

- Já existem estudos de que o bebê não vá nascer com problema?

Em relação a transmissão vertical, ou seja, de mãe para o bebê, existem poucos estudos publicados sobre o assunto. Um deles avaliou nove mulheres em Wuhan, das quais seis tinham Coronavírus, mas não apresentavam sintomas de gravidade e não foi encontrada nenhuma transmissão aos recém-nascidos. Os dados mais recentes da literatura copilados por grupo do Reino Unido avaliam a evolução de 32 grávidas infectadas com COVID-19 e também não houve registro de contaminação vertical. Esses dados devem ser interpretados com bastante cautela, uma vez que são oriundos de um número reduzido de casos. Deve-se enfatizar, no entanto, que os coronavírus não estão relacionados ao vírus ZIKA, que teve implicações muito claras na gravidez e no desenvolvimento fetal.

- Se eu pegar Covid-19 pode aumentar chance de eu ter aborto?

Não existem estudos que relatem que a Covid-19 aumenta o risco de um aborto espontâneo ou perda precoce da gravidez.

- A gestação pode me colocar no 'grupo de risco' seu eu pegar Covid-19?

De acordo com informações da Organização Mundial da Saúde, não existem evidências significativas de que a gestação será de maior risco em mulheres acometidas pela doença, ao contrário da epidemia do H1N1 (gripe suína), em que o risco gestacional era consideravelmente maior. No entanto, no decorrer da gravidez, o corpo da mulher está voltado para a geração de uma nova vida, o que pode diminuir a imunidade com o avanço da gestação, colocando a gestante no grupo de risco de várias doenças, não só do COVID 19. O essencial é que cuidem da imunidade com alimentação e vida saudável.

- Devo evitar hospitais nesta época? Quais cuidados devo ter?

Sim. A recomendação é evitar hospitais gerais se não houver sintomas relacionados ao COVID 19. Em relação a isso, temos uma tranquilidade a mais, que é o fato de o CRH Rio Preto ser um Hospital Dia, com centro cirúrgico próprio e todas as demais instalações exclusivas para uso de nossos pacientes. Sendo assim, nossas pacientes, durante todo o tratamento, estão sendo atendidas em horários individualizados e todo o procedimento, do começo ao fim, é realizado em nosso serviço, seguindo todas as medidas de segurança preconizadas pelas autoridades.

 

CRH Centro de Reprodução Humana de S. J. Rio Preto
Diretor técnico: Dr. Edilberto de Araújo Filho - CRM 69.058

Editorias:
VidaeArte
Compartilhe: