IMG-LOGO
Home VidaeArte

Especialistas em reprodução assistida tiram dúvidas sobre congelamento de óvulos

Núcleo Digital - 18/04/2020 17:12

Muito tem se falado do tratamento de Fertilização ‘in vitro’ com óvulos doados, indicado para mulheres que não têm mais óvulos próprios, seja por conta da idade avançada, doença ou por terem entrado na menopausa (algumas de maneira precoce, antes dos 40 anos). E se elas soubessem alguns anos atrás que poderiam ter congelado seus óvulos para esperar o momento ideal da maternidade? E se antes de tratamentos oncológicos que prejudicam seus gametas elas tivessem preservado a fertilidade? Não iriam preferir agora fazer tratamento com seus próprios óvulos? Foi pensando neste cenário, e como uma maneira de alertar mulheres que sonham em ser mãe um dia, mas que ainda não estão no momento certo, que o Centro de Reprodução Humana de Rio Preto resolveu lançar a Campanha “Preserve seu sonho, congele seus óvulos”. De acordo com os diretores do CRH Rio Preto, o especialista em infertilidade Edilberto de Araújo Filho e a embriologista Lígia Previato, está cada vez mais comum mulheres que não querem engravidar no momento, mas que também não param para pensar no futuro. “Infelizmente, se tem algo que ainda não temos como evitar é o envelhecimento dos óvulos e a falência ovariana. O congelamento de óvulos não é mais futuro, é presente”, afirmam os especialistas, que responderam algumas dúvidas para os leitores da Revista Vida&Arte.

Quando devo congelar meus óvulos? Não existe uma idade máxima para que a mulher opte pelo congelamento de óvulos, mas o quanto antes, melhor. A mulher já nasce com uma quantidade de óvulos. Com o passar dos anos, os oócitos vão envelhecendo e podem apresentar uma falha no momento da separação dos cromossomos - neste caso ocorre então a alteração cromossômica, o que pode inviabilizar a fertilização do óvulo pelo espermatozoide, ou quando fertilizado será formado um embriãozinho geneticamente alterado. Nessas condições, poderá ocorrer falha de implantação, aborto no 1º trimestre de gestação ou o nascimento de bebês portadores de síndromes.


Em quais casos o congelamento de óvulos é indicado? É indicado para as mulheres que pretendem preservar sua fertilidade por três motivos: ou por não estarem preparadas para serem mães ainda (seja porque estão se estabilizando profissionalmente ou porque ainda não encontraram o parceiro ideal), por terem histórico de menopausa precoce na família ou também para as mulheres que irão passar por um tratamento de radioterapia ou quimioterapia, na luta contra o câncer. O tratamento dos diversos cânceres pode, em muitos casos, levar à infertilidade. Os quimioterápicos são medicamentos tóxicos, provocando morte acelerada dos folículos e, consequentemente, dos óvulos.
Como funciona o congelamento? É preciso realizar a estimulação ovariana com hormônios, fazer a aspiração dos óvulos e, então, congelá-los pelo processo de vitrificação. Todo esse processo pode durar de 12 a 15 dias e possibilita uma taxa de sucesso no descongelamento bastante alta - a taxa de sobrevivência destes óvulos, quando descongelados, é de 90%.


Por quanto tempo o óvulo pode ficar congelado? Os gametas podem ficar congelados por tempo indeterminado, pois ficam armazenados em containers com nitrogênio a -196°C, onde as células estão com toda a sua arquitetura celular preservada para ser descongelada e utilizada no momento que for necessário. Com a boa taxa de sobrevivência dos óvulos pós vitrificação, sua chance de engravidar será a mesma de quando você congelou. Ou seja, se uma mulher congelou os óvulos com 30 anos, mas resolveu descongelar seus óvulos e tentar engravidar só aos 42 anos, sua chance de engravidar é muito boa, já que o seu óvulo tem 30 anos.


Se não utilizar o óvulo e não quiser mantê-lo mais, o que posso fazer? Nesse caso é possível descartar o óvulo, já que ele é apenas um gameta, como aquele descartado pela mulher todo mês. Se ela quiser, pode doar para outra paciente também, mas essa doação é anônima.


CRH Centro de Reprodução Humana de S. J. Rio Preto
Diretor técnico: Dr. Edilberto de Araújo Filho - CRM 69.058

Editorias:
VidaeArte
Compartilhe: