Lugar mágico

BRASIL

Lugar mágico

Amazônia é um destino incrível para quem quer descansar com segurança e exclusividade em tempos de coronavírus, revela Eunice Almeida, fundadora da Comunidade Unindo Corações


A Amazônia é indicada para quem quer se isolar com segurança e ficar próximo à natureza
A Amazônia é indicada para quem quer se isolar com segurança e ficar próximo à natureza - Fabio Colombini/Divulgação

O distanciamento social, por causa da pandemia do coronavírus, ainda é extremamente necessário. Homens e mulheres, neste cenário, estão revendo os planos de viagem para adaptá-los ao momento atual. Enquanto algumas fronteiras ainda estão fechadas e a vacina para a Covid-19 não chega, o turismo de isolamento e autoconhecimento está ganhando força no Brasil. A busca por destinos remotos e exclusivos estão sendo os mais procurados pelos brasileiros. Nesta mudança de ares, os viajantes querem recalibrar as energias e se conectar com o próprio eu e com a natureza.

Eunice Almeida, pesquisadora, terapeuta de Constelações Familiares, professora de Magnified Healing e fundadora da escola de aprimoramento espiritual Comunidade Unindo Corações, afirma que a Amazônia, o maior estado em território do país e um dos maiores mananciais de água doce do mundo, é uma ótima opção para quem quer ter experiência de imersão única, exclusiva e com contato direto com as belezas naturais do país. Tão longe e esquecida do Sul e do Sudeste, a Amazônia é um belo lugar para ter momentos profundos de bem-estar e reflexões internas.

Há 15 anos, Eunice frequenta a Amazônia em viagens solos ou em passeios em grupos. Longas travessias de barco e noites maldormidas ficaram no passado. Hoje, o destino conta com hotéis completos e até luxuosos em meio à selva e embarcações muito confortáveis que promovem passeios diários pelos rios do lugar. Lá, o turista pode sentir a sua atmosfera, conhecer as histórias e apreciar suas paisagens em calma e silêncio.

Há cerca de 10 anos, ela frequenta, por exemplo, o Amazon Ecopark Jungle Lodge, que é o hotel de selva mais próximo de Manaus e que já está recebendo turistas após adotar protocolos de higiene e segurança ainda mais rigorosos. Ideal para todos os públicos, o estabelecimento conta com bangalôs que se espalham entre a floresta, com caminhos seguros que levam até as áreas sociais píer, praia, recepção, loja, bar, restaurante, áreas de leitura e repouso, salão de jogos e salões para eventos.

Por lá, é possível fazer atividades com guias especializados, como passeio na "Floresta dos Macacos", uma reserva onde os animais encontrados em situação irregular se readaptam à natureza, caminhada por trilhas dentro da mata com árvores gigantescas e córregos de águas cristalinas, passeio ao Encontro das Águas (junções dos Rios Negro e Solimões e que formam o famoso Rio Amazonas), visita à uma comunidade indígena, interação com os botos cor-de-rosa e muito mais. O turista ainda pode nadar em piscinas naturais e praia privativa.

Cobiçada por turistas estrangeiros, a Amazônia ainda é pouco visitada por seus conterrâneos. Eunice Almeida indica uma viagem até o Estado porque, em primeiro lugar, a viagem valoriza o turismo interno do país. Em segundo lugar, ela afirma que a Amazônia é um destino que ainda reserva boa dose de emoção porque é um lugar mágico. "Ao ir até lá, as pessoas deixam a toxidade, medo e terrorismo causados pela pandemia. Infelizmente, 70% do que está acontecendo está sendo causado por pessoas inconsequentes, que colocam uma série de informações truncadas e as pessoas não sabem exatamente o que é e o que não é. Pior do que o vírus é o medo e o que assombra as pessoas."

Com árvores gigantes, cachoeiras paradisíacas e cavernas milenares, a Amazônia fornece experiências incríveis e um contato com a natureza cada vez mais raro nos dias atuais. Eunice, que já foi 12 vezes ao Estado, recomenda a visita em família e também em grupos, quando tudo estiver normalizado. "Lá é possível relaxar, meditar, praticar esporte, caminhar na florestas, passear com barcos e canoas, visitar uma comunidade indígena e nadar com botos cor-de-rosa".

A Amazônia, segundo Eunice, é também um lugar apropriado para se conectar com a espiritualidade. "Ali é um lugar de conexão com natureza pura e virgem. É uma oportunidade de observar as paisagens que os rodeiam e silenciar. Lá é um grande ponto de poder espiritual. Muitos falam sobre o passado da Amazônia e as civilizações que viveram ali, assim como a força dos rios. E tem tudo haver com o emocional, já que 70% do nosso corpo é água. Então, o lugar é apropriado para purificar a nossa água. Este ano, eu não vou, mas ano que vem sim, justamente, para fazer este ritual de purificação."

Presidente Figueiredo, cidade localizada a cerca de 130 quilômetros de Manaus, merece uma parada por causa das cachoeiras. "É uma experiência inenarrável. Além das cachoeiras, tem grutas incríveis", afirma Eunice Almeida. O município, localizado no baixo rio Negro, segundo o Ministério do Turismo, é conhecido como a "Terra das Cachoeiras" pela farta oferta de banhos, selva, grutas, cavernas e, obviamente, de quedas d´água. Já foram catalogadas mais de 100 cachoeiras de diversos tamanhos e formatos, além de corredeiras.

A cidade tem cerca de 33 mil habitantes e boa oferta de hospedagem e restaurantes. Os principais atrativos oferecem infraestrutura completa, entre eles, a Cachoeira do Berro D´Água, o Complexo Turístico Iracema Falls, a Cachoeira dos Pássaros e o Parque do Urubuí. No Centro de Atendimento ao Turista (CAT), localizado na entrada da cidade, o visitante encontra uma exposição de fotos das belezas naturais da região que ajudam na escolha do que ver e fazer em Presidente Figueiredo. Um dos destaques é Lagoa Azul, que ganhou fama pelo tom azulado de suas águas.

Eunice, que trabalha com liderança espiritual de grupos de cura há 20 anos, afirma que estamos vivendo um momento nunca visto antes. As pessoas estão ansiosas, com medo, algumas em luto e outras preocupadas com a economia. A especialista afirma que a pandemia vai passar e os dilemas trazidos pela Covid-19 fazem parte do crescimento humano. "Este medo é uma forma de fazer com que as pessoas voltem para a vida de uma melhor maneira, com um novo olhar. Na direção que estávamos, nós estávamos indo para o precipício. Mas vai ficar tudo bem."